Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Caixa reduz juros do crédito imobiliário

Banco volta a ter uma das taxas mais competitivas do mercado, com percentual a partir de 9% ao ano

Por Redação
Atualizado em 16 abr 2018, 15h55 - Publicado em 16 abr 2018, 10h06

A Caixa Econômica Federal anunciou, nesta segunda-feira, a redução dos juros do crédito imobiliário utilizando recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). As taxas mínimas passaram de 10,25% para 9% ao ano, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% para 10%, para propriedades enquadradas no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Com isso, a Caixa volta a ter taxas de mercado competitivas. Até agora o banco estatal era o único entre os cinco maiores do país com juros acima de 10%. Itaú opera com porcentual a partir de 9%; Banco do Brasil, 9,24%; Santander, com 9,49%; e Bradesco, a partir de 9,45%, conforme dados disponíveis nos sites das instituições financeiras.

De acordo com o presidente do banco estatal, Nelson Antônio de Souza, a redução facilita o acesso à casa própria e ajuda a estimular o mercado imobiliário. “O objetivo é oferecer as melhores condições para os nossos clientes, além de colaborar para o aquecimento do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas”, destaca.

Para o presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CII/CBIC), Celso Petrucci, a decisão contribui para que novas quedas ocorram ao longo do ano. “A Caixa é a indutora deste mercado, e essa mudança mostra que as taxas baixaram para ficar. Estamos retomando o nível que tínhamos entre 2010 e 2011, quando houve o boom imobiliário, e é possível que tenhamos uma nova rodada de diminuição dos juros”, diz, ao comentar que para isso é necessária a convergência de fatores, como queda da Selic e a alta no emprego.

Continua após a publicidade

Cálculos feitos pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP) mostram que um imóvel de 250.000 reais com 80% de financiamento em vinte anos, a economia com juros chega a 25.000 reais no período. “É um impacto significativo no bolso do cliente, que poderá comprar um imóvel melhor ou diminuir o comprometimento da renda”, diz Flavio Amaury, presidente do Secovi-SP.

Representantes do setor consideram que a mudança vai fortalecer a reativação da economia com mais pessoas que poderão adquirir a casa própria. “A Caixa tem papel importante no financiamento imobiliário, e a redução dos juros é fundamental para estimular o setor, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, onde a oferta de crédito pelos bancos privados é menor do que no Sul e Sudeste”, afirma Ronaldo Cury, vice-presidente de Habitação do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinducon-SP).

Novas condições

Além da redução de juros, o limite de cota de parcelamento do imóvel usado sobe de 50% para 70%. A instituição também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (unidades com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%. As mudanças começam a valer a partir desta segunda-feira.

A Caixa possui 82,1 bilhões de reais para o crédito habitacional para 2018. O banco mantém a liderança no setor com cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria.

Continua após a publicidade

Estão enquadrados no SFH os imóveis residenciais de até 800.000 reais, para todo o país, exceto Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de 950.000 reais. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.