Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasil abre 56.151 vagas e tem melhor março desde 2013

O setor de serviços foi o que mais gerou vagas no mês de março: 57.384 postos de trabalho com carteira assinada

Por Redação
Atualizado em 20 abr 2018, 13h41 - Publicado em 20 abr 2018, 12h20

O país abriu 56.151 vagas formais de emprego em março, um aumento de 0,15% em relação ao estoque de fevereiro. Foi o melhor março dos últimos cinco anos de acordo com Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira pelo Ministério do Trabalho.

O resultado é decorrente de 1.340.153 admissões e de 1.284.002 desligamentos registrados no mês passado. “O Brasil segue a rota da retomada do crescimento, com mercado aquecido e a certeza de que estamos no rumo certo. O trabalho continua e hoje é mais um grande dia, pois esses resultados confirmam nossa expectativa”, avalia o ministro do Trabalho, Helton Yomura.

 Seis dos oito principais setores econômicos tiveram saldo positivo. O principal deles foi o de serviços, com a criação de 57.384 novos postos de trabalho, crescimento de 0,34% sobre o mês anterior. A indústria de transformação foi o segundo com melhor resultado (10.450), com um acréscimo de 0,14% sobre fevereiro. Em seguida a construção civil (7.728), administração pública (3.660), extrativa mineral (360) e serviços industriais de utilidade pública (274).

Apenas dois setores apresentaram saldos negativos: agropecuária (17.827) e comércio (5.878).

Continua após a publicidade

Reforma trabalhista

As novas regras da reforma trabalhista podem ser identificadas nas estatísticas do mercado de trabalho. Em março, houve 13.522 desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado, envolvendo 9.775 estabelecimentos. Nesse tipo de acordo, o funcionário pode sacar apenas 80% do saldo do FGTS e recebe 20% da multa, mas não tem direito ao seguro-desemprego.

Na modalidade de trabalho intermitente, foram realizadas 4.002 admissões e 803 desligamentos, gerando saldo de 3.199 empregos. No contrato intermitente, a empresa chama o funcionário pelo tempo que for necessário, sem necessidade de cumprir um período mínimo mensal. No regime de trabalho parcial, foram registradas 6.851 admissões e 3.658 desligamentos, gerando saldo de 3.193 empregos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.