Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bolsonaro confirma conversas para privatizar partes da Petrobras

Nesta segunda, Roberto Castello Branco foi anunciado como presidente da estatal; ele já deu declarações sobre a necessidade de a empresa ser privatizada

Por Machado da Costa Atualizado em 30 jul 2020, 20h03 - Publicado em 19 nov 2018, 16h11

Nesta segunda-feira, 19, Roberto Castello Branco foi anunciado como o próximo presidente da Petrobras, e o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), confirmou que a privatização de partes da estatal está em pauta. “Estamos conversando”, disse a jornalistas no Rio de Janeiro.

Segundo Bolsonaro, não será vendida toda a empresa – a ideia é que as áreas de exploração e produção sejam mantidas. Mas os segmentos de refino e distribuição, controlada pela BR Distribuidora, podem ser privatizados. “Alguma coisa da Petrobras pode privatizar. O todo não”, afirmou.

Na visão do presidente eleito, a Petrobras é um ativo estratégico do governo. Paulo Guedes, futuro ministro da Economia e guru de Bolsonaro para a área, prevê há meses privatizar partes da companhia. O plano, inclusive, consta no programa de governo da candidatura. “Estou conversando com o Paulo Guedes sobre levar adiante o plano”, afirmou.

  • De perfil liberal, Roberto Castello Branco já deu reiteradas declarações sobre a necessidade de a Petrobras ser privatizada. Segundo Bolsonaro, a escolha foi de Guedes, que possui carta branca. “Estou dando carta branca a ele. Estamos cobrando produtividade”, afirmou.

    Outro nome ventilado nesta segunda-feira é o do atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, que poderá assumir o Banco do Brasil. “Quem está escolhendo é o Paulo Guedes e eu estou avalizando. Talvez ele [Ivan Monteiro] assuma o Banco do Brasil, mas eu não tenho certeza”, disse Bolsonaro.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade