Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bitcoin terá o mesmo consumo de energia que a Argentina

Estudo do Morgan Stanley diz que a energia gasta na mineração de moedas virtuais é lucrativa atualmente, e deve superar o gasto com carros elétricos

Por Da redação 11 jan 2018, 12h14

A energia utilizada em operações com bitcoin deve igualar o consumo da Argentina neste ano, segundo estudo do banco Morgan Stanley. A instituição diz também que a demanda pela critpomoeda deverá superar o que será gasto no planeta com veículos elétricos, e que “criar” moedas virtuais é lucrativo atualmente.

Segundo relatório da instituição americana divulgado nesta quarta-feira, a moeda virtual deve exigir entre 120 terawatts-hora  (TWh) e 140 terawatts-hora. Isso seria o equivalente a 0,6% do consumo mundial de energia. O valor é superior ao projetado para automóveis movidos a eletricidade no ano de 2025 (125 TWh).

Outro estudo de uma instituição financeira, do banco holandês ING, calculou que a energia gasta por uma única operação com bitcoin é de cerca de 200 kilowatts-hora (kWh), o equivalente ao consumo de uma família de quatro pessoas em um mês.

Segundo o Morgan Stanley, o alto preço da mineração – forma de criar novas unidades da moeda virtual baseada na resolução de operações matemáticas complexas por computadores – deve fazer com que esse tipo de operação se concentre em países com custo de energia baixa, como a China e partes dos Estados Unidos.

O relatório estima que o gasto de energia e em equipamentos para minerar uma unidade da moeda virtual gire entre 3.000 dólares e 7.000 dólares (9.700 reais e 22.630 reais). Atualmente, o preço de um bitcoin é de 13.742 dólares (44.430 reais), segundo o índice divulgado pela Bolsa de Nova York.

A instituição também estima que o aumento do consumo de energia ainda é pequeno, em termos absolutos, e não terá impacto imediato sobre preço de ações de empresas de energia. “Com isso em mente, a mineração ainda é muito lucrativa com o bitcoin no preço atual, e se as criptomoedas continuarem a se apreciar [em preço], nós esperamos que o consumo global de energia para mineração ainda tenha que aumentar para que os retornos aos mineradores sejam menos competitivos”, diz trecho do relatório.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês