Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bebê real será uma mina de ouro para o comércio

Comerciantes britânicos usam criatividade para lucrar com o nascimento do primogênito do príncipe William e de Kate Middleton

Os comerciantes britânicos disputam com criatividade para lucrar com o nascimento do primogênito do príncipe William e da duquesa de Cambridge, Kate Middleton. Nas lojas, estão à venda macaquinhos com brasão real, pacotes de biscoitos em forma de mamadeira, contos sobre bebês reais, alguns exemplos que ilustram os produtos que são comercializados enquanto a Grã Bretanha aguarda o nascimento do bebê.

Há artigos para todos os gostos e bolsos. Pouco tempo depois da internação de Kate em dezembro, provocada por fortes enjoos causados pela gravidez, uma designer criou “sacos de vômito” – que custam cerca de 10,20 reais – com a imagem do casal com um bebê nos braços.

Kate deu à luz um menino de 3,7 quilos na tarde desta segunda, mas já há alguns meses os comerciantes começaram a dar uma “pincelada real” em quase tudo, da comida aos livros, passando pela música e as roupas, e criaram coleções de pratos e chaveiros.

Leia também:

Com Kate em trabalho de parto, rainha retorna a Londres

Kate Middleton dá à luz primeiro filho com o príncipe William

Bebê real poderá render US$ 400 mi à economia britânica

As roupinhas de bebê com motivos reais se multiplicam: pijamas para o “aprendiz de príncipe”, babadores com coroas e sacos de dormir (que custam pouco mais de 270 reais) com um brasão dourado personalizado: um helicóptero e um taco de hóquei, em referência às atividades e gostos de William e Kate.

Um livro de costura propõe ainda ideias para confeccionar vestidos de batizado, gorros ou meias para o futuro herdeiro. O luxuoso hotel Grosvenor House de Londres, por sua vez, idealizou uma suíte inspirada na “família real”, projetada pela loja que mobiliou o quarto de William. O preço por noite é superior a 8.000 reais e o quarto inclui um berço com dossel.

Economia – O nascimento do bebê real, assim como o jubileu de diamante do reino, no ano passado, e o casamento de William e Kate, em 2011, são eventos que impulsionam a indústria nesta época de austeridade. “Este tipo de acontecimentos contribuem para animar momentaneamente as pessoas. Ajuda marcas e produtos”, disse Mandy Murphy, porta-voz da associação britânica de comerciantes British Retail Consortium.

O Centre for Retail Research (CRR) estima em 199 milhões de libras (pouco menos de 700 milhões de reais) os gastos em lembrancinhas na época do casamento. Para o nascimento, o CRR espera aproximadamente 80 milhões de libras de renda, gerados pela compra de brinquedos e produtos reais, e outros 76 milhões de libras vindos da compra de livros e DVDs dedicados à família real.

Leia ainda: Elizabeth II: “Anda logo, Kate, quero tirar férias”

Para ingleses, bebê real se chamará Alexandra ou George

Galeria: Produtos inspirados no bebê real

O mercado editorial publicou muitas histórias para crianças sobre princesas grávidas, gritos do recém-nascido que podem acordar o reino. Em prevenção às noites em claro, é possível encontrar nas lojas vários CDs que prometem acalmar os herdeiros mais zangados, com música clássica e canções de ninar tradicionais.

E, apesar de não haver nenhum acontecimento real sem uma taça para celebrá-lo, os comerciantes estão cautelosos porque ainda não sabem se Kate espera um menino ou uma menina, já que o casal decidiu manter o sexo do bebê em mistério até o nascimento.

Não querem repetir o erro do empresário chinês que se precipitou ao fabricar taças com a temática do casamento de William, depois do anúncio do seu compromisso e, acidentalmente, usou uma fotografia de seu irmão, Harry.

(com Agência France-Presse)