Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Avaliação do governo e otimismo com a economia caem

Para 77% dos agentes do mercado, ausência de uma política fiscal que funcione é principal entrave, revela pesquisa Genial/Quaest

Por Luana Zanobia Atualizado em 22 nov 2023, 16h09 - Publicado em 22 nov 2023, 15h18

A análise do panorama político-econômico sob o governo do presidente Lula (PT) experimentou uma deterioração, segundo pesquisa da Genial/Quaest realizada com 100 gestores, economistas, analistas e tomadores de decisão das maiores casas de investimento do país. O quadro para a economia brasileira, conforme observado por esses profissionais, está gradativamente adquirindo contornos mais desfavoráveis, com a principal razão apontada sendo a ausência de uma política fiscal que funcione. Esse é o principal entrave para a economia para 77% dos participantes da pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, 22.

Com a piora na perspectiva fiscal, todos os respondentes descartam a possibilidade de alcançar um déficit zero em 2024. Junto às incertezas fiscais, as avaliações do governo do presidente Lula e de seu ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também sofreram uma queda em novembro. A percepção negativa do governo no mercado atingiu 52%, em comparação com os 47% registrados em setembro. Aqueles que classificam a administração como regular constituem 39%, ante os 41% na pesquisa anterior. Quanto ao desempenho do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, 43% o avaliam positivamente, em contraste com os 46% registrados em setembro. Em julho, 65% dos entrevistados enxergavam de maneira positiva o trabalho de Haddad.

A preocupação com o controle da inflação é apontada por 56% dos entrevistados, enquanto 44% discordam dessa visão. A média de aprovação para o projeto da Reforma Tributária, aprovado no Senado e prestes a ser votado novamente na Câmara dos Deputados, é de 5.3 (em uma escala de 0 a 10). A pesquisa indica que 74% dos entrevistados consideram o Sistema Tributário atual melhor do que a proposta em questão, 12% acreditam ser equivalente e 14% a consideram pior. Além disso, 73% dos consultados acreditam que as modificações feitas no Senado ao texto do projeto da Reforma Tributária pioraram a proposta.

Em março, 78% acreditavam que a economia iria piorar. À medida que as principais medidas governamentais foram anunciadas, o otimismo cresceu, atingindo seu ápice em julho, quando a maioria (53%) previa uma melhora nos próximos 12 meses. Agora, no entanto, 55% dos entrevistados afirmaram acreditar que a economia piorará nos próximos 12 meses.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.