Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Autoconhecimento é essencial para entrar na Ambev, dizem participantes

Concorrentes chegam a passar por um dia inteiro de desafios; cervejaria é a 9° empresa mais desejada pelos universitários, segundo ranking da Universum

Na busca do sonho de uma vaga na Ambev, os candidatos enfrentam muito mais que perguntas complicadas. Alguns participantes chegam a passar por um dia inteiro de desafios, com cerca de doze horas de atividades no total, incluindo intervalos e palestras.

“Era preciso se conhecer muito bem para passar. Saber no que é bom e no que é ruim”, afirma uma funcionária recém-contratada da cervejaria, que pediu para não ser identificada. Segundo ela, saber o motivo de ter tomado determinada decisão em sua vida, por exemplo, é essencial para se dar bem na seletiva. Quem se embolar corre o risco de ficar de fora.

Outro funcionário recentemente admitido, que também pediu para não ser identificado, diz que a cervejaria exige um comportamento verdadeiro, “difícil de ser forjado”, e “muita autoconfiança” para enfrentar momentos de pressão.

Para os dois novos funcionários, a banca de entrevistas com os gestores na última etapa de seleção foi considerada a parte mais difícil do processo seletivo, justamente pela dificuldade das perguntas.

A Ambev é a 9° colocada no ranking de 2019 das empresas mais desejadas pelos universitários, segundo a consultoria Universum. A empresa teve o melhor desempenho entre aquelas do setor de bebidas.

De acordo com a equipe de recrutamento da cervejaria, o processo está passando por mudanças. Apesar de seguir um esqueleto geral, as etapas podem ser diferentes dependendo da área para a qual o candidato está se aplicando.

 

Conheça o caminho para a vaga passo a passo:

Etapa 1 – Inscrição

Para participar do processo, é necessário se inscrever por meio do site. Feito isso, o candidato tem que passar por testes de inglês e de lógica, ambos on-line e não eliminatórios.

Etapa 2 – Entrevista por telefone

Em seguida, os participantes têm entrevista por telefone ou on-line (via aplicativos de conferência) com um funcionário da área que concorre, segundo Daniel Spolaor, diretor de gente e gestão da cervejaria. “O foco é conhecer o candidato e avaliar suas competências, fazendo com que ele troque experiências com o avaliador”, afirma.

Segundo o funcionário, que pediu para não ser identificado, o teor da conversa é bem geral. “O entrevistador chegou a perguntar quais pessoas são influentes em minha vida e quais são minhas experiências pessoais.” Dependendo do cargo, alguns candidatos recebem um desafio para resolver pelo telefone ainda no momento da entrevista.

Etapa 3 – Dinâmica

Passada essa primeira conversa, os candidatos selecionados enfrentam um painel com diretores e gestores. A etapa ocorre na sede da empresa, onde os concorrentes chegam a ficar durante todo um dia. Um participante relatou ter ficado das 8 às 20 horas na companhia.

“Primeiro teve palestras com funcionários da empresa e atividades de descontração. Depois, tivemos que realizar dinâmica de grupo. No meu caso, era preciso desenvolver um novo produto para a Ambev”, completa ele. Segundo a empresa, o tempo padrão de duração da etapa é de apenas meio período.

A funcionária recém-contratada conta que na hora de apresentar o produto foi preciso ter jogo de cintura. “Os avaliadores faziam perguntas, testando como isso se encaixaria na dinâmica da cervejaria. Eram quatro avaliadores e uma mesa com cerca de trinta participantes.” Para ela, um diferencial nesse ponto é conhecer a história da empresa e seu funcionamento, para que assim consiga explicar como um produto seria criado ou transportado pela companhia.

Os candidatos estimam que metade dos concorrentes são eliminados nessa fase, apesar de a Ambev informar que esse número é subjetivo e muda a cada seletiva.

Etapa 4 – Painel

Ainda no mesmo dia, os candidatos atingem uma nova etapa de entrevistas, desta vez presencial. Os participantes são divididos em grupos pequenos, ficando cara a cara com cerca de seis avaliadores, entre funcionários e recrutadores. A ideia de fazer as entrevistas em grupo é apenas para agilizar o processo, porque as perguntas são individuais.

Cada candidato tem poucos minutos para se apresentar novamente aos avaliadores e responder rapidamente a perguntas. O momento é de pressão, e alguns candidatos chegam a chorar, segundo relatou um dos participantes.

Na grande maioria dos casos, o resultado sai no mesmo dia, após uma reunião breve dos avaliadores. Quando isso ocorre, acaba em cerveja. “Quando foi anunciado os aprovados, nos chamaram para uma happy hour.”