Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

As iniciativas para a criação de uma nova bolsa de valores no Rio

A prefeitura da cidade reduz impostos para facilitar a empreitada de abrigar uma concorrente da B3, de SP, mas o caminho será longo para a ideia vingar

Por Camila Barros Atualizado em 14 jun 2024, 11h30 - Publicado em 14 jun 2024, 06h00

No final da década de 1960 e início dos anos 1970, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro crescia em ritmo frenético. Esperançosos com o milagre econômico, os investidores impulsionaram a centenária BVRJ para uma alta de quase 5 000% em quatro anos, um desempenho que entraria para a história. No final de 1971, porém, a bolha especulativa estourou, resultando no pior crash financeiro do mercado brasileiro. Menos de duas décadas depois, outro duro golpe: em 1989, descobriu-se que o megainvestidor Naji Nahas utilizava operações falsas e cheques sem fundos para manipular o mercado. O escândalo abalou a reputação da bolsa do Rio, que perdeu espaço para a bolsa de São Paulo, até ser definitivamente incorporada por ela, no ano 2000. A trajetória oscilante parecia condenar o Rio de Janeiro a jamais sediar uma bolsa novamente. Agora, contudo, a cidade quer resgatar o velho passado — e, espera-se, sem as tramoias de antes.

arte eco bolsa

Há alguns dias, o prefeito Eduardo Paes encaminhou à Câmara de Vereadores do Rio um projeto de lei que reduz o Imposto sobre Serviços (ISS) incidente sobre atividades de bolsa de valores. A proposta é uma alíquota de 2%, ante os atuais 5%. “A nova bolsa de valores vai atrair agentes do setor financeiro e empresas interessadas em investir e se estabelecer na cidade”, diz Paes. “Temos a expectativa de aumento da oferta de serviços relacionados a esse mercado, como bancos, corretoras de investimentos e outras instituições financeiras.”

A iniciativa municipal ocorre no momento em que surgem no setor privado movimentações de empresas interessadas em concorrer com a B3, a bolsa de São Paulo. Controlada pelo Mubadala, fundo soberano de Abu Dhabi, a companhia Americas Trading Group (ATG), especializada em fornecer tecnologia para negociações de ativos finan­cei­ros, planeja lançar uma nova bolsa brasileira no segundo semestre de 2025. Chamada ATS, ela provavelmente ficará sediada no Rio, mas também deverá manter operações em São Paulo. Por ora, a empresa aguarda a autorização do Banco Central para levar o projeto adiante. “Quando o país só tem uma bolsa, há mais risco sistêmico”, diz Claudio Pracownik, presidente da ATG. “Ter mais de uma bolsa é uma prova de maturidade do mercado.”

MONOPÓLIO - B3, em São Paulo: a concorrência deverá beneficiar investidores
MONOPÓLIO - B3, em São Paulo: a concorrência deverá beneficiar investidores (Cris Faga/Getty Images)

Não se trata do único projeto em gestação. A registradora de ativos financeiros CSD espera receber ainda em 2024 as licenças para fazer a liquidação e a custódia de ativos. Após essas autorizações, a companhia buscará o registro como contraparte central, última peça para que possa atuar como bolsa — o que, pelo cronograma do projeto, deverá ocorrer em meados de 2027. “O monopólio da B3 deixou o mercado parado”, diz Edivar Queiroz, presidente da CSD BR. “Acreditamos que, com melhores infraestruturas financeiras, o mercado brasileiro poderá aumentar em até quatro vezes.” A CSD não definiu onde será a sua sede. “O Rio foi berço de várias instituições financeiras e, por isso, é um potencial ponto para nós”, afirma Queiroz.

GOLPE - O megainvestidor Naji Nahas: operações falsas e cheques sem fundos para manipular o mercado
GOLPE - O megainvestidor Naji Nahas: operações falsas e cheques sem fundos para manipular o mercado (Lailson Santos/VEJA)

Na América Latina, Argentina, Equador, Chile e Uruguai possuem mais de uma bolsa de valores. No mundo, os Estados Unidos são líderes na descentralização de mercado: Nyse e Nasdaq são as principais, mas, entre bolsas regionais ou focadas em produtos específicos, há pelo menos quinze em operação. Além de ATG e CSD, outros projetos tomam corpo no Brasil. “O Banco Central apoia o aumento da concorrência, e a Comissão de Valores Mobiliários não se opõe a termos novas infraestruturas”, diz André Duvivier, presidente da SL Tools, fintech que busca a certificação para se tornar um balcão organizado (ambiente de compra e venda de ativos fora da bolsa de valores) e concorrer com a B3 no segmento de renda fixa. Além de atrair mais empresas para o mercado de capitais, novas bolsas poderiam reduzir os valores das taxas cobradas dos investidores. O tempo dirá se, como muitos outros projetos no Brasil, a Bolsa do Rio não vai morrer na praia.

Publicado em VEJA de 14 de junho de 2024, edição nº 2897

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.