Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Argentina também quer livre-comércio com a UE

Além da proposta, uma reunião está prevista entre argentinos e brasileiros para conversar sobre a proposta do Brasil que oferece redução, em dez anos, de tarifas de importação para 75% do comércio com o bloco

Por Da Redação 5 set 2013, 12h55

A Argentina pretende elaborar uma proposta de negociação de um acordo de livre-comércio com a União Europeia (UE), a partir da próxima semana, quando dará início a uma série de consultas às câmaras empresariais, segundo informaram fontes do governo argentino que pediram anonimato.

Também está prevista uma reunião entre negociadores argentinos e brasileiros para conversar sobre a proposta do Brasil que oferece redução, em dez anos, de tarifas de importação para 75% do comércio com a UE.

Leia também:

Acordo de comércio com UE prevê cortes de tarifas de 75%

“Vamos discutir com os nossos setores para desenhar nossa proposta que será negociada com os sócios do Mercosul. Obviamente, pelo próprio peso, o que Brasil e Argentina acertarem, vai influenciar na posição dos sócios menores”, afirmou uma das fontes oficiais.

Em princípio, a proposta de 75% não é controversa e seria um “primeiro passo” para, pelo menos, iniciar as negociações, segundo afirmou um funcionário. Isso seria discutido nas conversas previstas. Porém, uma negociação mais ambiciosa e com ritmo maior, esbarra em problemas internos da Argentina. “Pelo menos três situações impedem a Argentina de avançar nas negociações”, reconheceu uma das fontes.

Continua após a publicidade

Câmbio – A primeira delas diz respeito ao mercado de câmbio, no qual o país é obrigado a fechar as importações cada vez mais por causa da escassez de divisas. “Sofremos um ataque especulativo da moeda, que reduz o volume de divisas para sustentar uma liberalização do comércio.”

Outra fonte comentou que o atual câmbio oficial de 5,60 pesos, enquanto o real desvalorizado acima de 2 reais por dólar, coloca a Argentina em condição desfavorável para negociar com os europeus.

Esforços – A segunda situação está relacionada à ideologia de substituição de importações. “Não vejo a Argentina abrindo seus portos para receber manufaturas europeias depois dos esforços que temos feito nos últimos anos tentando recuperar nossa indústria”, afirmou. A fonte destacou que a ideologia argentina defende o comércio administrado, o que é contrário de uma liberalização. Por último, o governo enfrenta um cenário político complexo que não dá margem para lidar com negociações internacionais, que não se encontram na lista de prioridades nacionais.

Leia ainda:

Argentina e Venezuela ‘queimam’ imagem do Brasil, diz professor

Azevedo fará apelo ao G20 pelo comércio multilateral

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês