Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Antes de lançar nota de R$ 200, BC estudou acabar com a de R$ 100

Proposta apresentada por entidades de combate à corrupção foi levada em consideração por diretoria do banco

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 2 set 2020, 16h01 - Publicado em 2 set 2020, 15h33

O Banco Central do Brasil, responsável pelo lançamento da nova nota de 200 reais, estudou retirar de circulação as notas de 100 reais. Em junho do ano passado, o Instituto Não Aceito Corrupção e outras entidades da sociedade civil se reuniram com a diretora de Administração do BC, Carolina Assis Barros, e propuseram a extinção da cédula de maior valor até então como uma medida efetiva para combater crimes financeiros.

Após o encontro, a diretoria enviou ao grupo uma reposta oficial afirmando “compartilhar com todas as entidades signatárias do oficio a preocupação com o combate à corrupção, à sonegação fiscal, à lavagem de dinheiro, à ocultação e evasão de divisas”.

O documento informa ainda que “Em relação especificamente à proposta de retirada de circulação das notas de R$ 100, gostaria de compartilhar que já há estudos em andamento neste Banco Central sobre essa possibilidade. Vamos considerar em nossa análise os argumentos trazidos em seu oficio”.

No mês passado, os partidos PSB, Podemos e Rede ingressaram com ação no Supremo Tribunal Federal para tentar barrar a emissão da nova nota. A Ministra Carmem Lúcia, relatora da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, solicitou informações para o Banco Central e não realizou nenhum outro ato no processo até o momento.

“A principal alegação do BC para o lançamento da nova nota é facilitar o pagamento do Auxílio Emergencial, concedido em função da pandemia de Covid-19. A nota só será necessária por três meses?”, indaga Roberto Livianu, presidente do Instituto Não Aceito Corrupção. “A medida vai contra a tendência mundial de retirar notas de alto valor de circulação e de aumentar a rastreabilidade das transações financeiras”, completa.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)