Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Alerta para a questão ambiental

O não engajamento pode trazer prejuízos para o Brasil

Por Murillo de Aragão Atualizado em 24 jan 2020, 07h00 - Publicado em 24 jan 2020, 06h00

O Fórum Econômico Mundial de 2020, que acontece até sexta-feira (24) em Davos, na Suíça, destacou o meio ambiente como tema central. Pauta previsível, em especial após as queimadas na Amazônia em 2019 e o expressivo aumento do consumo de combustíveis fósseis no mundo.

Davos tenta ir além dos debates, lançando uma iniciativa para plantar, em todo o mundo, 1 trilhão de árvores em dez anos. O fato de um fórum de natureza essencialmente econômica colocar o meio ambiente como tema prioritário serve de alerta para o Brasil. O não engajamento firme em políticas ambientais pode resultar em grave prejuízo para nossas exportações e para o fluxo de investimentos.

Países podem usar a questão ambiental de forma protecionista, a fim de criar barreiras e proteger mercados. Consumidores podem boicotar produtos brasileiros. E o Brasil não está preparado para tais desafios. Falta, entre nós, uma narrativa para a questão que não se limite a discursos que negam os nossos problemas ou ignoram os avanços existentes.

Como fazer isso? O desafio ambiental traz imensas oportunidades para o Brasil. E o primeiro passo é justamente entender que uma política racional no setor é premente por suas repercussões sociais e econômicas. Temos iniciativas positivas no campo ambiental que devem ser valorizadas e aprofundadas.

“O recurso mais ameaçado pela degradação do meio ambiente é o próprio ser humano”

Continua após a publicidade

Uma vez que a questão ambiental se torne uma prioridade econômica e social, o país deverá adotar práticas que cuidem do presente e nos preparem para o futuro. O presente deve ser abordado com políticas que monetizem o cuidado com o meio ambiente e a sustentabilidade. O futuro deve ser tratado com intensa educação cidadã, cívica e ambiental.

O recurso mais ameaçado pela degradação do meio ambiente é o próprio ser humano. Ele deve ser o foco de qualquer política ambiental. Por isso não há como praticar política ambiental sem saneamento e fornecimento de água potável, sem estímulo a fontes alternativas de energia e sem técnicas que transformem o lixo em energia e, por tabela, em renda.

Sendo o Brasil um país de vasto patrimônio ambiental, o turismo representa uma potencialidade extraordinária para nós. Fazer do Brasil um destino preferencial no segmento do chamado turismo ambiental deve ser um dos nossos objetivos prioritários. O turismo responde por mais de 10% do PIB mundial.

Em 2006, o Relatório Stern, elaborado pelo economista britânico Nicholas Stern, do Banco Mundial, sobre os efeitos das alterações climáticas na economia global dos próximos cinquenta anos, estabeleceu que o custo de transformação do mundo para uma economia de baixo carbono seria de apenas 1% do PIB mundial por ano. É um custo relativamente baixo diante do ganho.

O Brasil deve fazer o dever de casa, o seu Relatório Stern, estabelecendo custos, responsabilidades e cronograma de transformação de nossa economia em uma economia ambientalmente sustentável. Não podemos nos permitir desperdiçar tempo, nosso recurso mais escasso, tampouco a excepcional oportunidade que se nos apresenta. A propósito: o anúncio da criação do Conselho da Amazônia, liderado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, é uma boa iniciativa.

Publicado em VEJA de 29 de janeiro de 2020, edição nº 2671

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês