Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Adriano Pires oficializa desistência do cargo de presidente da Petrobras

Em carta entregue ao ministro Bento Albuquerque, consultor admitiu conflito de interesse e pouco tempo hábil como entraves para assumir a Petrobras

Por Felipe Mendes Atualizado em 4 abr 2022, 20h18 - Publicado em 4 abr 2022, 20h13

Um dia após a renúncia de Rodolfo Landim ao cargo de presidente do conselho da Petrobras, o economista e consultor Adriano Pires comunicou na manhã desta segunda-feira, 4, ao Palácio do Planalto que desistiu de ocupar a presidência da Petrobras. Pires foi o escolhido pela União para substituir o general Joaquim Silva e Luna. Os conflitos de interesse de Pires o fizeram abrir mão na condição. O consultor formalizou a desistência em uma carta entregue ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

No documento, Pires admite que não poderia conciliar o cargo com as atividades de consultoria que já desempenha onde defende os interesses de diversas empresas do setor, muitas das quais concorrentes diretos da Petrobras. Ele disse, ainda, que chegou a iniciar as tratativas para se desvincular do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), do qual ele é sócio-fundador, mas admite que teria pouco tempo hábil para fazê-lo. O economista agradece a indicação e disse que continuará a lutar pelo desenvolvimento do mercado de óleo e gás no país.

Embora tenha trânsito livre em Brasília e apoio do Centrão, sobretudo do presidente da Câmara, Arthur Lira, para assumir a presidência da Petrobras, Pires enfrentou um ‘jogo duro’ dentro da companhia. Na quarta-feira, dia 30 de março, foram entregues relatórios da Diretoria de Governança e Conformidade da Petrobras sobre o histórico de Pires e de Landim ao ministro de Minas e Energia e a técnicos da Corregedoria-Geral da União.

Já era nítido que Pires enfrentaria algum tipo de retardamento em sua escolha como presidente da companhia. Ele deveria ser apontado como conselheiro na próxima assembleia-geral de acionistas da empresa, em 13 de abril, mas, antes disso, teria de revelar os clientes atendidos para a diretoria de governança corporativa da Petrobras. Embora tenha relutado em revelar seus serviços prestados para a iniciativa privada, no portal do CBIE há referências às gigantes americanas Chevron e Exxon Mobil, à britânica Shell e à própria Petrobras. A consultoria também menciona a Única (União da Indústria da Cana-de-Açúcar), Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Fierj (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), bancos privados, empreiteiras como a Odebrecht e a Braskem e o IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás). Esperava-se, no entanto, que qualquer “desvio de conduta” fosse contornado pela União no conselho.

Continua após a publicidade

Entre os clientes de Pires está, ainda, o empresário e sócio de distribuidoras de gás Carlos Suarez, que é amigo de longa data de Rodolfo Landim e empresário influente no setor e na política. Suarez teria sido, segundo fontes, um dos principais incentivadores às escolhas de Pires e Landim junto ao Centrão e à União. Além dele, outros clientes do consultor são a associação do setor (Abegás), a Compass, concessionária de gás do empresário Rubens Ometto, e diversas outras empresas do setor.

Com isso, o governo terá dez dias para nomear um novo presidente para a empresa ou terá de conviver por mais alguns meses com o general Joaquim Silva e Luna, atual presidente da Petrobras. Luna já foi avisado pelo governo que seu nome não será incluído na próxima assembleia-geral de acionistas da empresa, mas pode ver seu nome ganhar sobrevida na empresa com as recusas de Pires e Landim. Bolsonaro quer substituir Luna com intuito de mudar a política de reajuste de preços dos combustíveis na empresa, mas esta é outra tarefa árdua.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.