Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Acabó el amor’

Ao fazer o pedido de ajuda ao FMI e aceitar as condições de austeridade que a instituição propõe, Macri viu sua popularidade ruir na Argentina

Por Bianca Alvarenga Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 16h03 - Publicado em 21 dez 2018, 07h00

Em maio, o governo de Mauricio Macri pediu ao Fundo Monetário Internacional um socorro financeiro de 30 bilhões de dólares. O empréstimo foi a última alternativa de Macri para evitar o colapso da economia argentina. Ele sabia bem o que aconteceria em Buenos Aires uma vez que a medida fosse anunciada: revolta imediata da população. Ao assumir, com a promessa de reduzir a inflação altíssima do país, o presidente fora recebido pelo eleitorado e pelo mercado financeiro de braços abertos. Mas, ao fazer o pedido de ajuda e aceitar as condições de austeridade que a instituição propõe, Macri viu sua popularidade ruir — e el amor acabó. Pudera. Um de seus compromissos de campanha era evitar qualquer relação com o FMI. Desde os anos 1980, os portenhos têm ojeriza ao FMI, a quem culpam por suas sucessivas crises a partir de então. É um caso clássico de confusão entre causa e consequência, mas a confusão faz um barulho danado.

Macri também não ajudou. Depois de falhar em atingir as metas de inflação por dois anos seguidos, o governo trocou os pés pelas mãos em uma série de medidas apressadas, como a venda acelerada das reservas do país em dólar. No momento em que pediu o socorro financeiro, a Argentina só tinha recursos em moeda estrangeira suficientes para pagar suas despesas até o fim do ano.

Não bastassem as responsabilidades de Macri, a Argentina carrega problemas de longa data. Em 2001, sem condições de honrar os empréstimos que contraíra com o FMI, o país tentou um último pedido de socorro. Teve o pleito negado, pois não havia cumprido plenamente as medidas de austeridade acordadas anteriormente, como o corte de despesas do governo e o aumento das taxas de juros. A Argentina, em resposta, declarou moratória e acabou mergulhando numa grave crise — e boa parte dos argentinos culpa o FMI pelo desastre que sobreveio.

Agora, com o desemprego beirando os 10%, a inflação na casa dos 30% ao ano e o aumento do rigor fiscal, a população revisita a crise do início dos anos 2000. Apesar de tudo, Macri já anunciou que tentará a reeleição à Casa Rosada em 2019. Seu único trunfo é que a oposição também é alvo da fúria hermana.

Publicado em VEJA de 26 de dezembro de 2018, edição nº 2614

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.