Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A CVM no encalço da Via Varejo

Xerife do mercado vê atuação irregular por parte da varejista e investiga se movimento foi feito para inflar preço de ações

Por Machado da Costa Atualizado em 20 jul 2020, 19h00 - Publicado em 20 jul 2020, 18h37

Um dos fenômenos da bolsa em 2020, a Via Varejo, holding dona de grandes varejistas como Casas Bahia e Ponto Frio, entrou na mira da Comissão de Valores Monetários (CVM). As ações da companhia subiram 80% no ano e frequentemente são listadas entre os papéis com maior volume de negócios na B3, a bolsa de valores de São Paulo. Desde o ano passado, a companhia vem chamando a atenção do mercado, quando houve a reestruturação do capital social, com a saída do Grupo Pão de Açúcar do quadro de acionistas e a retomada do controle pela família Klein — fundadora das Casas Bahia. No entanto, algumas práticas vêm chamando a atenção do xerife do mercado.

A CVM abriu um processo nesta segunda-feira, 20, para apurar a divulgação de resultados de uma maneira — digamos —, no mínimo, inusual. A Via Varejo antecipou no Twitter as vendas no trimestre, algo que não é visto como correto pela Comissão. Neste período, normalmente as companhias entram em período de silêncio e só se pronunciam por meio de comunicados oficiais. Para piorar, o pregão desta segunda foi marcado pelo vencimento de opções. Ou seja, o avanço refletiu diretamente nos papéis que tendem a ter maior volatilidade. Na rede social, a empresa publicou que havia um crescimento de 2.500% na venda de games e câmeras; de 1.900% de televisores; de 1.500% em equipamentos de som; de 1.400% de itens de informática e de escritório; e de 750% de fornos e fogões — os produtos mais vendidos. Tudo isso após a pandemia.

QUEIMADA A LARGADA: Publicações no Twitter da Via Varejo: CVM acredita que post pode ter induzido investidor ao erro Reprodução/Twitter

Segundo o órgão que regula o mercado, essas divulgações podem não estar de acordo com as normas do mercado brasileiro de capitais. “Esclarecemos que aplicam-se às divulgações realizadas em mídias sociais as mesmas regras previstas nas normas que tratam da divulgação de informações, notadamente as que disciplinam a divulgação de informações relevantes e estabelecem regras gerais sobre conteúdo e forma das informações que os emissores devem observar”, afirma a CVM. Segundo o órgão, as empresas só podem divulgar informações relativas a atos ou fatos relevantes em redes sociais, após ou simultaneamente à divulgação dessas informações pelos meios de comunicação. Além disso, as empresas não devem induzir o investidor a erro.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

Este é o segundo processo que a CVM abre contra a Via Varejo em pouco mais de um ano. O xerife do mercado financeiro, suspeita que a forma como Klein comprou a participação do GPA tenha prejudicado acionistas minoritários. Dias antes da aquisição, uma assembleia feita às pressas autorizou uma mudança no estatuto da Via Varejo que permitiu que o GPA — o maior acionista até então — vendesse sua parte sem estender a oferta aos minoritários. Klein, que se associou a cinco fundos e vendeu 33 imóveis comerciais para pagar 2,3 bilhões de reais, poderia ter de desembolsar até 6,3 bilhões de reais sem a alteração. A investigação, aberta em 17 de junho de 2019, pode gerar sanções à companhia, mas ainda não foi concluída.

No pregão desta segunda-feira, 20, as ações da Via Varejo dispararam 7,35%, alcançando o valor de 21,17 reais. O volume de negociações alcançou 117 milhões de reais, e fez da varejista a empresa mais comercializada na bolsa neste dia. Há um ano, as ações estavam cotadas a 7,15 reais e no pregão de 19 de julho de 2019 o giro financeiro envolvendo seus papeis foi de 32 milhões de reais.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)