Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A conta criada por Bolsonaro que está deixando o mercado de mau humor

A PEC das Bondades já está sendo precificada com elevações na curva de juros e na valorização do dólar

Por Luana Zanobia
Atualizado em 6 jul 2022, 16h38 - Publicado em 6 jul 2022, 14h38

Como se não bastasse o momento de inflação global e as incertezas com a Covid-19 e a guerra no Leste Europeu, a criação de novos gastos pelo governo Bolsonaro está deixando o mercado financeiro muito irritado. A nova versão da PEC das Bondades, que reconhece o estado de emergência no país e amplia os benefícios sociais, aumenta o risco fiscal e pode acabar deflagrando em inflação e juros altos por mais tempo.

A curva de juros reflete tanto a política monetária, no que se refere às expectativas do mercado na condução da taxa básica de juros, quanto o risco fiscal. Segundo Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos, os prazos mais curtos estão mais correlacionados com a política monetária, enquanto as de longo prazo refletem mais a política fiscal do país. Em ambos, a precificação das curvas não aponta para bons caminhos.

As taxas do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) estão subindo. Os contratos com vencimento em janeiro de 2024 estão em 13,6%, e os de janeiro de 2029 em 13,04%. Os juros estão sendo precificados na faixa de 12% e 13% ao longo dos próximos quinze anos, o problema é que com a piora fiscal esse patamar tem se elevado. Há um mês atrás a curva de juros estava sendo precificada abaixo de 13,50%, mas as expectativas do mercado estão levando a curva para próximo de 14%.

Junto com os juros, o dólar também voltou a escalar. A alta da moeda americana reflete o aumento dos riscos fiscais no Brasil e também o cenário internacional, que vem precificando recessão em alguns países com a política contracionista de elevações nos juros pelo mundo. Entre 167 países, 62,28% mantiveram os juros, 33,53% elevaram e 4,19% cortaram, segundo relatório da Infinity Asset Management.

Continua após a publicidade

O pacote de bondades, que amplia para 600 reais o Auxílio Brasil, eleva o valor do vale-gás e cria um auxílio de 1 mil reais para caminhoneiros e outro para taxistas, vai custar 41,25 bilhões de reais, estourando novamente o teto de gastos, que já foi arrombado pela PEC dos Precatórios, de 2021. A medida populista surge a menos de quatro meses da eleição e funciona como um plano de socorro para alavancar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro em meio ao cenário de inflação crescente. Porém, a medida tem um potencial de contragolpe enorme na principal vilã de Bolsonaro: a inflação. Com injeção de capital na economia, a inflação pode ficar ainda mais pressionada e levar o Brasil para um cenário de juros altos mais longo e demorado que o esperado, e que já vem sendo precificado na curva de juros. O dólar em patamar elevado deve colocar ainda mais pressão em itens que ficaram infladas por conta da moeda americana, como os combustíveis, uma das principais brigas de Bolsonaro para controlar a escalada dos preços, que vem prejudicando a sua popularidade.

O cenário externo adverso e o recrudescimento dos riscos fiscais devem dificultar a tarefa do Banco Central de baixar os juros. “Apesar de a autoridade sinalizar estar próximo do fim do ciclo de aperto monetário, o ambiente internacional ainda está muito deteriorado e o processo inflacionário ainda está bastante incrustado”, diz Pasianotto, da Reag Investimentos. Com taxas de juros mais altas por um tempo prolongado, o país certamente terá dificuldades para impulsionar o crescimento. Essa bagunça fiscal criada por medidas populistas está estressando o mercado e deixa um gigantesco  prejuízo para a próxima gestão que, dependendo do resultado nas urnas, pode estourar no colo do próprio estimulador do problema.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.