Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A agenda ambiental do agro brasileiro na COP28

VEJA Insights mostra os principais avanços da agricultura sustentável e de baixa emissão de carbono que o Brasil vai apresentar ao mundo

Por Da Redação
29 nov 2023, 13h00

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, mais comumente chamada de COP (Conferência das Partes, na sigla em inglês), vai acontecer entre os dias 30 de novembro e 12 de dezembro em Dubai, nos Emirados Árabes, e tem como principal objetivo desenhar um balanço do que foi feito em cada país para baixar as emissões de carbono desde o Acordo de Paris, em 2015. Todos os estudos preliminares mostram que o resultado é decepcionante: a não ser por uma breve queda em 2020, quando a pandemia de Covid-19 freou a atividade econômica no mundo inteiro, os níveis de GEE (gases de efeito estufa) na atmosfera continuam subindo – segundo o Relatório de Lacunas para as Emissões 2023, a taxa subiu 1,2% de 2021 para 2022, atingindo novo recorde: foram 57,4 gigatoneladas de CO2 equivalente (CO2e) despejadas nos céus.

Dado o cenário ruim, este balanço, chamado Global Stocktake, será fundamental para definir os próximos passos para a mitigação das causas e efeitos das mudanças climáticas e, tão importante quanto, a criação de uma nova estrutura para financiar essas ações. O papel do agro nesse cenário é tema da edição de novembro de VEJA Insights. Clique para fazer o download gratuito.

Como será a participação brasileira na COP?

O Brasil sempre exerce um papel de destaque nos grandes eventos de discussão dos problemas climáticos, desde que sediou o primeiro deles, em 1992, no Rio de Janeiro. Tudo indica que em Dubai esse protagonismo será ainda maior.

Em termos simbólicos, porque a COP30, em 2025, será sediada em Belém do Pará e o governo Lula encara a responsabilidade de mostrar comprometimento com a agenda verde – e com isso atrair financiamento para ações climáticas e de preservação de florestas para o país – com uma oportunidade única.

Mas é em termos bem práticos que o Brasil pretende ganhar o centro do palco na COP em Dubai. O país tem um perfil único na sua matriz de emissão de GEE, uma vez que o comum é que a queima de combustíveis fósseis seja o maior responsável por jogar carbono na atmosfera. A matriz energética nacional é das mais limpas do mundo, tradicionalmente baseada em hidrelétricas, e com crescente participação de usinas de fontes renováveis como eólica, solar, de biomassa, etc.

Continua após a publicidade

A boa notícia que vem do agronegócio

Os maiores emissores no Brasil são o desmatamento florestal e a pecuária, ambos ligados ao agronegócio. A boa notícia é que o país tem criado políticas públicas e técnicas inovadoras para a redução de suas emissões vindas do campo, graças ao desenvolvimento científico e tecnológico nacional e a difusão de métodos de agricultura e criação de gado de baixa emissão de carbono.

Os produtores rurais brasileiros estão produzindo cada vez mais, garantindo a segurança alimentar de uma fatia cada vez maior da humanidade, e usando cada vez menos insumos. A virada de chave foi o desenvolvimento de metodologias mais adaptadas ao clima tropical e aos biomas brasileiros. É esse conhecimento que o país pretende levar à COP28 para exportar, além das commodities, as soluções para os problemas climáticos em todo o planeta.

No especial, VEJA Insights mostra os principais avanços da agricultura sustentável e de baixa emissão de carbono que o Brasil pretende apresentar para o mundo em Dubai, além de discutir o que pode ser feito para mitigar o insistente problema do desmatamento e das queimadas no campo. Clique para fazer o download gratuito.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.