Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Diversidade é fácil porque é só número. Quero ver é fazer inclusão

Executivo muda a sua carreira para ajudar empresários a construir uma empresa mais igual

Por Josette Goulart
14 abr 2021, 08h03

Deives Rezende é um homem negro, de 59 anos, que tem uma carreira bem-sucedida de 40 anos. Passou por todo tipo de banco, dos estrangeiros ao Itaú Unibanco, onde liderou a mudança do código ética depois da fusão e também foi ombudsman, o homem que resolvia os conflitos. Instruído pelo pai, desde jovem nunca baixou a cabeça. Trabalhou o dobro, botou como meta não errar. É assim que negros crescem na carreira, certo? Errado. E isso é Deives mesmo quem diz. Apenas tardiamente, já mais maduro, Deives percebeu que em alguns dos lugares pelos quais passou, brancos foram promovidos mesmo tendo menos qualificação que ele. Durante décadas, em algumas instituições ele era o único negro na mesa de reunião. Os outros negros do andar ou do prédio estavam limpando banheiros. Hoje, Deives está relançando sua consultoria, a Condurú, que antes era focada em coaching de executivos. Mas ele percebeu que seus clientes querem falar de diversidade. Os líderes de empresas perceberam que seus clientes ou seus jovens talentos simplesmente deixam a empresa se não encontram valores nos quais acreditam, e diversidade é um deles. 

Mas Deives alerta: diversidade é muito fácil fazer porque são números. “Ah, são tantos negros trabalhando na minha empresa. Mas quais cargos eles ocupam? Quero ver é fazer inclusão”. De negros, de mulheres, de pessoas com deficiência, de LGBTQI+. E fazer inclusão não é ser paternalista. É acolher. É criar um ambiente de apoio. É ensinar, diz Deives. Não adianta só convidar para o baile, como diz a vice-presidente de estratégias de inclusão da Netflix, Vina Myers. Tem que tirar para dançar e se não souber dançar, ensinar. A propósito, Deives chama a atenção: “reparou no nome do cargo da VP da Netflix?”

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.