Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

A discrepância de postura de patrocinadores nos casos Wallace e Maurício

Episódios envolvendo os jogadores tiveram desfechos opostos a partir do posicionamento dos patrocinadores de seus times

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 10h27 - Publicado em 28 fev 2023, 13h18

Quase um mês se passou desde o deplorável episódio em que o jogador de vôlei e medalhista olímpico Wallace de Souza estimulou a violência contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em redes sociais. Na ocasião, Wallace publicou uma foto em um estande de tiro e, em uma interação con seus seguidores, pegou carona em uma pergunta de um deles se arma era para dar um tiro no presidente. Animado, abriu uma enquete infame sobre o assunto em seu perfil.

Passado o escândalo inicial, vieram os pedidos de desculpa do atleta seguidos de suspensões do COI e de seu clube, o Cruzeiro. Na segunda-feira 27, o procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Vôlei (STJDV), Fábio Lira, decidiu arquivar a representação contra o jogador feita pela Advocacia-Geral da União (AGU). Com a medida, o Cruzeiro já vislumbra a possibilidade de reverter as suspensões e trazer Wallace de volta aos jogos — desde o incidente ele segue, mesmo suspenso das disputas, treinando normalmente com a equipe.

O caso de Wallace aponta para um desfecho bem diferente de outro acontecimento semelhante ocorrido há cerca de um ano e meio. Em junho de 2021, outro medalhista olímpico da seleção masculina de vôlei, Maurício Souza, então ligado ao Minas Tênis Clube, fez comentários homofóbicos em redes sociais e acabou demitido do clube imediatamente após o incidente. No entanto, mais que o rigor do empregador do atleta, o que pesou nesse caso foi a pressão pública dos patrocinadores.

No incidente envolvendo Wallace e o Cruzeiro, os apoiadores do time, Unimed-MG e Arcellor Mittal, divulgaram notas indignadas, exigiram providências, mas basicamente delegaram a responsabilidade pela apuração dos fatos e a decisão final à agremiação e entidades esportivas. Até nas redes sociais de algumas das empresas patrocinadoras os posicionamentos já não são nem encontrados mais.

Continua após a publicidade

No episódio de 2021, a reação foi outra. Os patrocinadores do clube, Fiat e Gerdau, pressionaram por uma solução bem mais severa. Sem querer ver suas marcas associadas a uma atitude que incitava ao discurso de ódio e à discriminação, se posicionaram por seu desligamento da equipe, o que foi de fato efetivado 48 horas depois do incidente. Aposentado do vôlei, Maurício migrou para a política e foi eleito no ano passado deputado federal por Minas Gerais pelo PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.