Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

Freios e contrapesos

A falta de previsibilidade indica mau funcionamento institucional

Por Murillo de Aragão
19 mar 2023, 08h00

Uma das mais importantes invenções é o sistema de freio de elevadores. Criado pelo americano Elisha Graves Otis em 1852, o mecanismo foi exibido na Feira Mundial de Nova York de 1854. Sem ele, a humanidade estaria condenada a depender de escadarias intermináveis. Os prédios ficariam por mais um bom tempo limitados a poucos andares, e a Torre Eiffel seria uma impossibilidade. A perspectiva do mundo seria outra.

O paradoxo do freio é que ele, ao mitigar a ação da gravidade, pode nos levar longe. E a analogia deve ser aplicada às instituições. Sem freios, elas saem do controle. Avançam sobre a cidadania. Cometem exageros que ferem de morte a democracia. O francês Alexis de Tocqueville nos alertou de que o bom funcionamento da democracia necessita de freios e contrapesos para equilibrar os poderes e evitar que setores do governo ou da sociedade tenham predominância sobre os demais.

Desde a proclamação da República, o excesso de poder do presidente foi a tônica institucional em nosso país. Apenas neste século XXI passamos a assistir a um equilíbrio institucional, com Judiciário e Legislativo ganhando espaço em desfavor do Executivo. Tal equilíbrio não eliminou os excessos e os exageros. Apenas alterou os pontos de desequilíbrio nos quais os poderes costumam exorbitar suas competências. A história do Brasil é repleta de excessos, exageros e desequilíbrios entre as instituições e, sobretudo, entre o governo e a sociedade.

“Somos uma República onde pode quem tem mais poder e não quem tem direitos”

Recentemente ocorreram excessos em decisões judiciais, muitas delas revistas por serem claramente exageradas. Outras vezes vimos conflitos entre entes da administração impedindo a execução de acordos de leniência. São várias instâncias, como AGU, CGU, PGR, TCU e Receita Federal, disputando quem pune mais. Cerca de 80% dos processos que tramitam no Carf, quando empatados, são decididos por representantes do governo em favor do próprio governo.

Continua após a publicidade

No Brasil, a competência legislativa é exercida por todos os poderes. A burocracia muitas vezes “legisla” por decretos e portarias. O Judiciário avança sobre o Legislativo. A judicialização, provocada pela política, instala um sistema legislativo “tricameral”. Ainda na Justiça, os pedidos de vista que se eternizam são um sinal de desequilíbrio, assim como as votações de surpresa no Legislativo. A falta de previsibilidade é sintoma sério de precariedade democrática e mau funcionamento institucional.

A situação que se apresenta é de desequilíbrio institucional. As consequências são óbvias: choques de competências em desfavor da cidadania, o que gera violação de direitos e insegurança jurídica. Somos uma República onde pode quem tem mais poder e não quem tem direitos. Onde o passado é incerto e o futuro, duvidoso. A consolidação da democracia deve obedecer a uma organização dos freios, dos contrapesos e dos limites das instituições. Mas isso seria esperar muito do país que temos. Somos afligidos pelo corporativismo que privilegia interesses específicos e por um patrimonialismo que se revela em histórias mal contadas — como no caso das joias ofertadas pela Arábia Saudita ao ex-presidente, entre outros males que não são contidos adequadamente pelas instituições e normalizados por uma cidadania pouco afeita ao debate sobre o que queremos do país.

Publicado em VEJA de 22 de março de 2023, edição nº 2833

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.