Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

A armadilha do tempo

Apenas o imponderável pode mudar o atual cenário político

Por Murillo de Aragão Atualizado em 9 Maio 2024, 12h36 - Publicado em 7 abr 2024, 08h00

A Operação Lava-Jato destruiu o centro político do Brasil e, paradoxalmente, reforçou o chamado Centrão, bloco composto de partidos de centro, centro-direita e direita. O PSDB, que liderava o centro político brasileiro, foi sendo derrotado por suas fragilidades e disputas internas e acabou tendo demolida a sua proeminência. O site Poder 360 levantou alguns números sobre a decadência da legenda. O partido é o sexto colocado em número de prefeituras — elegeu 531 prefeitos em 2022, mas apenas 345 continuam na legenda. E as previsões de desempenho para este ano não são nada otimistas. A expectativa para as eleições de outubro aponta para um declínio ainda maior do tucanato.

Por outro lado, é notória a ascensão do PSD de Gilberto Kassab, que hoje controla mais de 900 cidades, muitas delas com prefeitos que aderiram ao partido ao longo do mandato. Na sequência do ranking, aparecem o MDB e o PP. Provavelmente, o desempenho desses partidos será muito bom daqui a seis meses. Mesmo que apresentem uma queda em relação ao número atual de prefeituras, o trio muito provavelmente alcançará um resultado melhor do que o obtido em 2020.

A fragilidade do antigo centro político também ajuda a pavimentar o caminho da dupla PSD-MDB na direção de conquistar mais espaço nas eleições legislativas de 2026. O PP, caso avance em uma federação com o Republicanos e o União Brasil, também aumentará sua musculatura para a disputa de 2026. O PL, por sua vez, terá, pela força do bolsonarismo, um desempenho relevante. Com Lula no governo, o PT se habilita a crescer em vários municípios, embora não de maneira espetacular. A tendência é que a legenda eleja poucos candidatos nas capitais.

“Três anos é pouco para criar uma alternativa ao embate entre o lulismo e o bolsonarismo”

Enquanto os movimentos dos partidos são previsíveis, as eleições presidenciais permanecem presas na armadilha do tempo. Temos ainda três anos pela frente, o que é pouco para criar uma alternativa ao embate entre o lulismo e o bolsonarismo. Ainda que os partidos de centro se unam em torno de um candidato, o sucesso dependerá de circunstâncias extraordinárias ou de um fracasso retumbante de Lula no governo.

Continua após a publicidade

No autódromo da sucessão, temos Lula e Bolsonaro como candidatos postos, ainda que o ex-presidente esteja inelegível. Os demais ainda são nomes de segunda ou terceira divisão que precisariam ser alavancados por circunstâncias especiais. Assim, sem um fato novo, a sucessão está capturada na armadilha do tempo, um pesadelo político que drena energia do país e dos brasileiros para construir um país melhor.

Cabe indagar, porém, o que poderia ser um fato novo, algo que causasse um impacto amplo e generalizado na opinião pública, tal qual representaram o Plano Real, o Bolsa Família e, mais recentemente, o Pix — ou, por outro lado, uma grande tragédia econômica, um escândalo político cuja midiatização fosse tão ampla quanto foi a da Operação Lava-Jato. Enfim, a armadilha do tempo só será rompida por um fato novo, o que, considerando o histórico do país, não deixa de ser uma possibilidade. Mas, ressalte-se, é apenas uma possibilidade, não uma tendência.

Publicado em VEJA de 5 de abril de 2024, edição nº 2887

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.