Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundo Agro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Marcos Fava Neves
De alimentos a energia renovável, análises sobre o agronegócio
Continua após publicidade

Práticas regenerativas e de produção sustentável no agro

O potencial da agricultura regenerativa para alimentar, preservar e transformar

Por Marcos Fava Neves
16 nov 2023, 12h26

As práticas regenerativas na agricultura, ou ainda “agricultura regenerativa”, configuram um olhar inovador e holístico para o cultivo de alimentos, que vai além da simples produção e visa restaurar e melhorar os ecossistemas. Diferente dos métodos tradicionais, que dependem fortemente de insumos externos, na agricultura regenerativa, é necessário que haja mais sinergia com os processos naturais do ambiente.

Sistemas de produção sustentáveis já vem sendo desenvolvidos há vários anos, especialmente pelas instituições de pesquisa do setor (destaque para Embrapa). O plantio direto na palha, por exemplo, é uma prática que preza: 1) pelo mínimo revolvimento do solo, evitando a erosão e o carregamento de partículas; 2) pela conservação da cobertura vegetal nos solos, proporcionando a manutenção da umidade e aumento do teor de matéria-orgânica (reduz necessidade de fertilizantes químicos); e 3) a rotação de culturas, de diferentes espécies, quebrando o ciclo de algumas pragas e doenças e melhorando os atributos do solo. Estima-se que entre 35 e 40 milhões de hectares estejam atualmente sob sistema de plantio direto no país.

Outro caso é a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), que tem ganhado espaço em diferentes regiões do Brasil, combinando culturas agrícolas com pastagens (pecuária) e cultivo de árvores. Ao longo dos primeiros anos, é possível o cultivo de grãos e a criação de animais, enquanto as árvores se desenvolvem e servem como barreiras de vento, contribuem para a manutenção da umidade do solo e a ciclagem de nutrientes. Algumas safras mais tarde, as árvores estão prontas para virar madeira ou celulose. Em suma, ao menos três produtos estão sendo cultivados em uma mesma área e em um mesmo ano. Uma pesquisa da Embrapa Agrossilvipastoril (MT) comprovou que os sistemas ILPF têm papel importante também na mitigação de gases de efeito estufa, ao sequestrar carbono da atmosfera em maior quantidade do que a emissão.

No consórcio de culturas, diferentes espécies de plantas são cultivadas ao mesmo tempo em linhas paralelas, ao passo que, quando uma delas finaliza seu ciclo, a outra já está em estágio avançado de desenvolvimento. Um caso bastante tradicional deste modelo é o cultivo de milho com espécies de gramíneas (braquiária). As duas plantas se desenvolvem ao mesmo tempo (com maior predominância do milho) e no momento da colheita do grão, a gramínea já está pronta para formar um pasto para criação de animais.

A economia circular também configura uma prática regenerativa, uma vez que devolve subprodutos ao ambiente, a exemplo dos dejetos animais ou resíduos industriais, que voltam para as lavouras como fertilizantes. Há ainda os biológicos e os bioinsumos, área que tem crescido de forma bastante expressiva nos últimos anos, trazendo resultados positivos para o setor.

Continua após a publicidade

Além das vantagens ambientais, as práticas regenerativas possibilitam aos produtores ganhos econômicos. Os custos operacionais podem ser reduzidos, uma vez que o próprio sistema contribui para: 1) a ciclagem de nutrientes (economia com fertilizantes); 2) a manutenção da umidade (economia com irrigação); 3) a preservação das partículas do solo (economia com operações agrícolas); 4) em alguns casos, o controle de pragas e doenças (economia com defensivos); entre outros. No médio prazo, o agricultor ainda poderá explorar os ganhos que estes modelos trazem para a agregação de valor aos produtos agrícolas (modelo sustentável) e o pagamento por serviços ambientais (como a estocagem do CO2 no solo).

A “agricultura regenerativa” é uma abordagem que preconiza modelos de produção que contribuam com o desenvolvimento sustentável na produção de alimentos, bioenergia e outros agroprodutos. Ao adotarmos estes sistemas, não apenas asseguramos a sustentabilidade do setor agrícola, como também construímos um caminho para um futuro alimentar mais equitativo, saudável e resiliente.

Marcos Fava Neves é professor Titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP (Ribeirão Preto – SP) da FGV (São Paulo – SP) e fundador da Harven Agribusiness School (Ribeirão Preto – SP). É especialista em Planejamento Estratégico do Agronegócio. Confira textos e outros materiais em harvenschool.com e veja os vídeos no Youtube (Marcos Fava Neves). Agradecimentos a Vinicius Cambaúva e Rafael Rosalino.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.