Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Uma nova teoria: o direito ao desenvolvimento

Trata-se de processo complexo, que depende de amplo conjunto de condições. Jamais poderá ser um direito

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 10 Maio 2024, 08h15 - Publicado em 30 out 2023, 16h57

Em evento realizado no BNDES, o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski, defendeu uma nova teoria. Para ele, “o desenvolvimento é um direito fundamental. Muitos imaginam que o desenvolvimento é uma política pública do Estado ou determinado governo, que representa um anseio da sociedade, mas é muito mais que isso. É um direito fundamental”. Trata-se de visão sem correspondência na realidade.

Se o desenvolvimento fosse um direito, (1) o governo seria acusado de violá-lo quando houvesse recessão; ou (2) a regra se tornaria letra morta, que foi o caso do salário-mínimo. Pela Constituição, o salário-mínimo deve satisfazer às necessidades básicas do trabalhador e às de sua família. Seu valor deveria ser de 6 388,55 reais em 2022, segundo o Dieese, mas era de apenas 1 320 reais. A economia não suportaria o valor legal, que poderia trazer inflação e desemprego, prejudicando as classes menos favorecidas. 

O desenvolvimento é uma aspiração legítima da sociedade. Nenhum país o tornou um direito, pois isso seria impraticável. O desenvolvimento, isto é, o crescimento continuado da economia surgiu há pouco mais de dois séculos com a Revolução Industrial da Inglaterra. Em suas primeiras décadas, beneficiou basicamente os detentores do capital e os executivos das empresas, provocando grande concentração de renda e riqueza. 

Os operários trabalhavam até 12 horas por dia e viviam em condições degradantes. Crianças de 5 anos labutavam nas fábricas. A situação começou a melhorar apenas no fim do século XIX, entre outras causas pela criação dos sindicatos e do poder de barganha de trabalhadores. Os ganhos de produtividade passaram a ser repartidos com os operários.

Continua após a publicidade

O desenvolvimento dependeu de um conjunto de condições básicas que começaram a nascer com as ideias do Iluminismo (séculos XVII e XVIII), as quais contribuíram para proteger direitos e garantias individuais. Avanços institucionais criaram a segurança jurídica fundamental para decisões de investir, incluindo o aparecimento de um vigoroso mercado de crédito e de capitais. A máquina a vapor de James Watt, inventada em 1769, foi a fonte de energia que passou a movimentar as fábricas, o que então se restringia à roda d’água. Na segunda metade do século XIX viria a energia elétrica, que acelerou o processo de inovação tecnológica e o ritmo de desenvolvimento.

Outros fatores contribuíram para o desenvolvimento, como a invenção da locomotiva de George Stephenson na primeira metade do século XIX. O fato a registrar, todavia, é que os países que ficaram ricos foram os que reuniram as condições institucionais, políticas e operacionais para impulsionar o continuado crescimento da economia. O Brasil, infelizmente, não é um deles. Estamos no meio do caminho, mas ainda nos falta muito para virarmos uma nação desenvolvida. Faltam-nos principalmente educação de qualidade e a redução de privilégios que impactam negativamente o desenvolvimento. Basta ver as exceções da reforma tributária em curso. A lei não teria o poder de transformar uma aspiração em direito.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.