Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Privilégios: o falso argumento

Elevar a tributação de serviços corrigiria um equívoco histórico

Por Maílson da Nóbrega
2 dez 2023, 08h00

O argumento dos lobbies que obtiveram exceções na reforma tributária (PEC 45) foi a elevação de sua carga tributária. A maioria é do setor de serviços. Na verdade, o aumento corrigiria um privilégio da reforma tributária de 1965. O Brasil, um dos pioneiros da tributação de consumo pelo método do imposto sobre o valor agregado (IVA), optou, então, por diferenciar bens e serviços, ao contrário do regime único que prevaleceria em todo o mundo. A fragmentação favoreceu acidentalmente os serviços, consumidos pelas classes mais ricas.

A reforma se apoiou nas bases tributárias das três esferas de governo. O imposto de consumo federal tornou-se o IPI. O imposto estadual sobre vendas e consignações virou o ICM (depois ICMS, na Constituição de 1988). Nos municípios, o imposto sobre indústrias e profissões se transformou no ISS, mantendo as alíquotas de 2% a 5%. No ICMS prevaleceu a alíquota de 18% na maioria dos estados. Assim, quando os segmentos mais abastados consomem itens como educação, saúde, lazer, serviços profissionais e outros, pagam tributos equivalentes a 11% a 28% do que é cobrado dos pobres que consomem bens.

“As exceções da reforma manterão privilégios que explicam por que somos uma sociedade desigual”

Os estudos que deram origem à PEC 45 consideraram a experiência de 174 países que adotam o método do IVA. Valeram-se também da vasta literatura acadêmica sobre o tema. Ambas recomendavam a alíquota única para bens e serviços. Os IVAs europeus dos anos 1960 a 1980 haviam recorrido a alíquotas múltiplas, beneficiando educação, saúde e agricultura. Mais tarde, constatou-se que a multiplicidade favorecia os mais ricos e criava distorções decorrentes da busca das empresas por enquadramento nas alíquotas mais baixas. A União Europeia tentou, sem sucesso, unificar as alíquotas, provando a dificuldade de eliminar privilégios.

Os lobbies brasileiros diziam que a reforma aumentaria a tributação da educação, do saneamento e de outros itens, quando o efeito seria o aumento dos custos para os ricos. O contribuinte do IVA é o consumidor, não o provedor dos respectivos serviços. O certo teria sido uma longa transição até que a alíquota dos serviços fosse a mesma dos bens. Os argumentos falsos perderiam força. Agora, Inês é morta.

Continua após a publicidade

Felizmente, a reforma acarretará enorme simplificação da tributação do consumo. O manicômio tributário será substituído por um sistema dotado de elevada racionalidade. O potencial de crescimento econômico vai aumentar, mas as exceções manterão privilégios que continuarão a explicar por que somos a sociedade mais desigual do planeta.

O texto aprovado pelo Senado prevê que em cinco anos seja promovida uma revisão dos privilégios. Ao contrário do que esperam o governo e setores da sociedade, creio que as chances de êxito dessa revisão tendem a ser mínimas ou inexistentes. Se os lobbies conseguiram conquistar facilmente os parlamentares para aprovar as exceções, com maior razão poderão fincar trincheiras para preservar o tratamento favorecido.

Publicado em VEJA de 1º de dezembro de 2023, edição nº 2870

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.