Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

Petróleo é estratégico?

A riqueza gerada de commodities cedeu espaço à inovação

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 11 mar 2022, 10h27 - Publicado em 11 mar 2022, 06h00

Bem estratégico é todo aquele fundamental para a economia de um país. São os casos de commodities cuja oferta deve ser assegurada. Não se pode correr o risco de ruptura no seu suprimento doméstico, que seria danoso à segurança e ao desenvolvimento. Exemplos são o petróleo e os demais produtos essenciais ao consumo interno e às exportações, como trigo, soja, carne, minério de ferro e outros. Roma invadiu o Egito Antigo para controlar o comércio de trigo, que representava um terço de suas importações do produto. A escassez de trigo geraria fome, tornando o império insustentável.

O problema é como definir o conceito. Nos países ricos, estratégico tem a ver com o suprimento doméstico. Os Estados Unidos mantêm um estoque de petróleo de cerca de 600 milhões de barris, em sessenta cavernas subterrâneas. O Japão atacou a base de Pearl Harbor (1941), no Havaí, para destruir a frota de navios de guerra ali estacionados. Os militares japoneses temiam que os americanos restringissem o acesso vital ao petróleo de ilhas do Pacífico sob o domínio holandês.

Sob outro ângulo, o petróleo é estratégico por suposto papel no desenvolvimento. Isso era aceito até os anos 1970. Daí a criação, nos países menos desenvolvidos, de empresas estatais para exercer o monopólio da exploração e produção da commodity. Até hoje, quase todos os países emergentes produtores possuem estatais de petróleo. No Brasil, a campanha nacionalista “o petróleo é nosso” fez nascer a Petrobras (1953). Seus ecos a mantêm como estatal. Poucos admitem a privatização.

“As economias baseadas no conhecimento são superiores às de países ricos em recursos naturais”

Como afirmei numa coluna anterior, nenhum dos sete países mais ricos controla estatais petrolíferas. Seus setores privados dispõem de capacidade financeira, acesso a crédito e competência gerencial para atuar na área. Mais importante, o petróleo perdeu a relevância que teve como motor do crescimento econômico.

Continua após a publicidade

Como disse o historiador israelense Yuval Harari, nas últimas décadas a “economia global se transformou, migrando de um processo baseado em materiais para outro fundado no conhecimento”.

De fato, continua Harari, as origens anteriores de geração de riqueza, “como minas de ouro e poços de petróleo”, deram lugar ao conhecimento. E prossegue: “É possível tomar à força poços de petróleo, mas não se consegue adquirir o conhecimento dessa maneira”. As vantagens da conquista pela guerra praticamente desapareceram.

Estudos indicam que economias baseadas no conhecimento têm desempenho superior às de países ricos em recursos naturais, embora esses possam contribuir para gerar algum nível de riqueza.

O conhecimento tornou-se o elemento essencial para a inovação, hoje a fonte básica dos ganhos de produtividade. Esses ganhos constituem o principal meio para promover o desenvolvimento.

Precisamos, tal como no caso dos Estados Unidos, entender que bens estratégicos são os essenciais para o abastecimento interno. O desafio para quem ainda acha que o petróleo é um bem estratégico para a geração de riqueza é aprender essa simples lição.

Publicado em VEJA de 16 de março de 2022, edição nº 2780

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês