Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Não aprenderam a lição

PT tem dificuldades de reconhecer erros e avanços

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 4 jun 2024, 10h50 - Publicado em 31 dez 2022, 08h00

Declarações de integrantes petistas do gabinete de transição mostraram que o partido continua alheio à grave situação fiscal do país. O festival de propostas de aumento de gastos públicos transmitiu a ideia de que o Orçamento ficaria elástico pela simples volta à Presidência da República. Muitos desses gastos fariam certo sentido dados os cortes feitos no Orçamento em áreas como saúde, educação, ciência, tecnologia e programas sociais, caso do Farmácia Popular e do financiamento de casas populares.

Ocorre, todavia, que os cortes não derivam de insensibilidade social. Eles refletem a atual rigidez orçamentária e a necessidade de cumprir o teto de gastos, o qual, goste-se ou não, está em vigor, pelo menos até o fim do primeiro semestre. Não cumprir a lei orçamentária constitui crime, o que serviria de base para abertura de um processo de impeachment contra Lula.

Retorna-se a um mundo que deu errado e nos legou a maior recessão da história, no qual “gasto é vida”. O governo Bolsonaro não é isento de culpa. Aceitou e estimulou o orçamento secreto, a maior aberração da história das finanças públicas. Os mais de 19 bilhões de reais entregues a deputados e senadores para distribuição sem critério nem transparência nas suas bases eleitorais — uma fonte de corrupção e desperdício — ocuparam grande parte da margem orçamentária para despesas discricionárias, nas quais se classificam os programas mencionados. A quantia resolveria parte considerável da respectiva escassez de recursos.

“As propostas do novo governo levam ao mundo que nos legou a maior recessão da história”

Mas não foi apenas nos gastos que o gabinete de transição flertou com um passado que se pensava enterrado. Figuras importantes fizeram a defesa do BNDES dos tempos de Dilma Rousseff, quando o Tesouro lhe transferiu o equivalente a 10% do PIB — algo perto de 1 trilhão de reais de hoje — para distribuir subsídios em favor de campeões nacionais e para financiar arriscadas operações de exportação para Cuba e outros países. Falou-se em descapitalização do BNDES, um equívoco conceitual. Descapitalização é perda do capital social de uma empresa. O que houve, na verdade, foi a devolução de grande parte do dinheiro transferido ao banco, o que se afigurava inteiramente justificável.

Continua após a publicidade

Pior, advogou-se a redução da TLP, a taxa de longo prazo, para ressuscitar juros de subsídio. Não se percebeu o papel transformativo dessa taxa, que permitiu o florescimento do papel do mercado de capitais como fonte crescente de crédito de longo prazo. A volta do crédito subsidiado e de transferências para o BNDES, que chegou a ficar, artificialmente, maior do que o Banco Mundial, seria um enorme retrocesso.

O retorno de ideias malsucedidas lembra a frase do francês Charles-­Maurice de Talleyrand-Périgord (1754-1838): não aprenderam nada, não esqueceram nada. Ele se referia aos reis Bourbons, franceses e espanhóis, que tiveram seu poder restaurado após 25 anos de banimento. Na volta, passaram a repetir os erros que os levaram à deposição.

Publicado em VEJA de 4 de janeiro de 2023, edição nº 2822

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.