Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Equívocos sobre o Banco Central

É preciso entender para que ele serve e como funciona

Por Maílson da Nóbrega
15 jul 2023, 08h00

Volto a ocupar este espaço para discorrer sobre o Banco Central (BC). Boa parte das elites desconhece como essa instituição é essencial para combater a inflação e para assegurar a estabilidade do sistema financeiro. De sua adequada atuação dependem o desenvolvimento, o bem-estar da sociedade e a redução das desigualdades e da pobreza.

Muitos imaginam que o BC eleva a taxa básica de juros, a Selic, para favorecer os bancos, cujos lucros aumentariam com empréstimos a juros mais altos. Na verdade, bancos são como supermercados. Compram uma mercadoria (dinheiro) e a revendem com uma margem de lucro. Juros altos reduzem os negócios e sobem o risco de inadimplência, o que pode resultar em perdas e lucros menores. Bancos preferem juros baixos.

Um segundo equívoco é a defesa da queda voluntarista dos juros, para supostamente beneficiar a atividade econômica e a geração de empregos. É certo que juros mais baixos estimulam a demanda e, assim, a economia. Mas, como a oferta não se eleva no mesmo ritmo, surge um desequilíbrio que se resolve via inflação. Há inúmeros exemplos desastrosos, como no governo Dilma e, mais recentemente, na Argentina e na Turquia, mas eles são ignorados.

“Em nenhum país relevante se vê a maneira desairosa com que Lula trata o presidente do BC”

O terceiro é pensar o BC como órgão do governo que deve levar em conta o resultado das urnas e seguir a orientação que lhe for dada pelo presidente eleito. Há mais de um século, aprendeu-se que os bancos centrais são órgãos do Estado, que precisam dispor de autonomia para enfrentar surtos inflacionários. Deixados ao comando de políticos, os bancos centrais seriam levados a baixar os juros para impulsionar sua popularidade, com efeitos desastrosos para a estabilidade da moeda e para o país.

Continua após a publicidade

Um quarto e novo equívoco surgiu com o ministro Rui Costa, chefe da Casa Civil. Nos Estados Unidos, disse ele, “o presidente eleito, depois de doze meses no cargo, pode substituir o presidente do banco central independente”. Assim, quando a nação legitima um projeto econômico pelo voto, “isso é mais forte do que a concepção ideológica de uma pessoa que está presidindo o Banco Central”. Desse modo, “se é para adotar o projeto de Banco Central independente, vamos, ao menos, olhar o que tem dado certo em outros países”.

O presidente americano não tem o poder de demitir o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central). Os dois mandatos, ambos de quatro anos, não são coincidentes. O do Fed vence no ano seguinte ao da posse do chefe do governo, que então decidirá se propõe ao Senado sua recondução ou substituição. Se o presidente decidir pela substituição, o mandato simplesmente se extingue. Não há demissão, como pensa o ministro.

Em nenhum país relevante se vê a desinformação, nem o ataque ao BC, nem a maneira desairosa com que Lula trata o presidente do BC, frequentemente chamado de “esse cidadão”. O Brasil ganhará quando a maioria das elites conseguir entender o funcionamento e o relevante papel do Banco Central.

Publicado em VEJA de 19 de julho de 2023, edição nº 2850

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.