Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Educação: devemos gastar mais?

Seria ilógico equiparar nossa despesa por aluno à de países ricos

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 4 jun 2024, 14h38 - Publicado em 6 mar 2020, 06h00

Educadores e políticos defendem a tese de que o Brasil aumente o investimento em educação. Já gastamos, porém, proporcionalmente mais do que a média dos membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o “clube dos países ricos”. O desafio, na verdade, é melhorar a qualidade da educação. Segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, o país despende em educação 6,2% do produto interno bruto. A média da OCDE é de 5% do PIB, conforme seu livro Education at a Glance, de 2019. Gastamos mais do que a Itália (3,6%), o Japão (4%), a Alemanha (4,2%), a Coreia do Sul (5,4%) e os Estados Unidos (6%), e o mesmo que o Reino Unido (6,2%).

Há quem considere que o melhor é comparar a despesa em dólares por aluno e reivindicar que gastemos tanto quanto os países ricos. Sendo assim, imagina-­se, teríamos a mesma qualidade na educação. Miragem! Há mais de uma década, a despesa federal na área cresce 7% ao ano acima da inflação, sem correspondente melhora na qualidade. Pelo Anuário Brasileiro da Educação Básica de 2018, do Todos pela Educação, o nosso gasto por aluno é de 5 610 dólares. A média da OCDE é de 10 759 dólares, 91% a mais. A Itália despendeu 9 317 dólares; o Japão, 11 654 dólares; a Alemanha, 12 063 dólares; a Coreia do Sul, 9 873 dólares; os Estados Unidos, 16 268 dólares; e o Reino Unido, 12 906 dólares.

“Aumentar em 6% do PIB os investimentos em educação explodiria a despesa pública”

Para o economista Marcos Mendes, nessa métrica de dólares por aluno, investimos em educação mais do que Indonésia, México e Colômbia, e perto do que gastam Chile e Turquia. Enquanto isso, nas avaliações internacionais, estamos muito piores do que esses países. Não faz sentido, portanto, almejar despesa por aluno igual à de países desenvolvidos. Se adotarmos essa métrica para saúde, segurança e outras áreas, precisaremos tributar mais de 100% do PIB apenas para esses segmentos. Não somos ricos, temos de gastar menos. A comparação adequada é a relação com o PIB, que revela nosso nível de renda.

Se for adotado o padrão da OCDE, os gastos com educação atingirão quase 12% do PIB. O país rico que mais despende no setor é a Noruega (6,5% do PIB). Hoje, a União controla pouco mais de 1% do Orçamento, dada a elevada rigidez dos gastos. Aumen­tar em 6% do PIB os investimentos em educação explodiria a despesa pública. Já insustentável, a dívida pública entraria em colapso. Um duvidoso ganho na educação acarretaria o empobrecimento da população.

Continua após a publicidade

A despropositada ideia de gasto por aluno igual ao de países ricos é irmã gêmea da proposta de dobrar a participação federal no Fundeb, um fundo de financiamento da educação básica. A autora é a deputada Dorinha Seabra (DEM-TO), relatora da PEC de renovação do fundo. As despesas aumentariam 20 bilhões de reais por ano, com graves repercussões para a estabilidade da moeda e o crescimento do PIB, do emprego e da renda.

O drama da educação no Brasil não se resolve com o aumento de gastos. O problema, como disse ainda Marcos Mendes, “é a ineficiência na aplicação dos volumosos recursos já alocadas ao setor”. O mais é sonho distante da realidade.

Publicado em VEJA de 11 de março de 2020, edição nº 2677

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.