Clique e assine com até 92% de desconto
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Brasil registra recorde na venda de brinquedos eróticos na pandemia

Foram comercializados 1 milhão de vibradores durante a quarentena, número 50% superior que no mesmo período do ano passado

Por João Batista Jr. Atualizado em 7 jul 2020, 13h54 - Publicado em 7 jul 2020, 13h41

A pandemia da Covid-19 e a necessidade de isolamento social turbinaram o mercado nacional de brinquedos eróticos. No Brasil, entre março, abril e maio foram vendidos 1 milhão de vibradores — 50% a mais do que o mesmo período do ano passado. O levantamento é do portal Mercado Erótico.

“Os lojistas nunca venderam tanto vibrador, consolos e plugs na história”, conta Paula Aguiar, fundadora do portal e ex-presidente da Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sexual. O item mais comercializado foi o vibrador do tipo bullet. Ele é pequeno e funciona com controle remoto. “Trata-se da porta de entrada para esse mercado: o primeiro brinquedo sexual da mulher por ser potente, barato e fácil de manusear”, afirma Aguiar.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Existem inúmeras variações de bullets. “Há modelos que começam a partir de 100 reais até outros banhados a ouro e sem fio”, conta a especialista. Em abril, VEJA publicou uma reportagem sobre como o coronavírus afetou a vida sexual de todos: solteiros e casados. Com solteiros receosos de se relacionar com desconhecidos e casados estressados pela convivência, a pandemia atingiu em cheio a vida (e a libido) de todos.

Publicidade