Clique e assine com até 92% de desconto
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O sofrimento dos microempresários na pandemia

Pesquisa mostra que 27% dos pequenos negócios se declaram fechados definitivamente. O índice sobe para 37% nas cidades com lockdown

Por Matheus Leitão Atualizado em 12 jun 2020, 11h54 - Publicado em 12 jun 2020, 11h33

A pandemia do coronavírus tem afetado de forma significativa os pequenos empresários pelo Brasil afora. Uma pesquisa da Sumup, startup financeira voltada para pequenos negócios, mostra os impactos do Covid-19 nos micronegócios brasileiros durante o mês de maio.

Segundo o estudo, 27% dos empresários entrevistados afirmaram que seus negócios estão fechados permanentemente. Em cidades onde há lockdown, a versão mais rígida do isolamento social e do fechamento dos comércios, esse índice sobe para 37% dos micronegócios.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Das microempresas fechadas permanentemente, 23% solicitaram auxílio emergencial do governo e ainda não receberam, enquanto 33% pediram o auxílio e já receberam o valor.

Em relação às reservas financeiras dos micronegócios, mais de 30% dos empreendedores afirmam já estar sem reservas. Outros 27% afirmaram que sua reserva só dura mais um mês.

Cerca de 67% dos empresários afirmaram que têm (ou tinham) uma reserva financeira para suportar a quarentena, mas ainda assim consideram que precisarão de auxílio financeiro nos próximos seis meses. E 39% dos empresários afirmam que o auxílio será usado para pagar contas do próprio negócio, enquanto 33% dizem que vão pagar contas pessoais.

Outro ponto importante revelado pela pesquisa é que a adoção da venda online estimulou a diversificação do negócio, fazendo com que o empreendedor oferecesse outros produtos.

Em uma questão de resposta aberta, as máscaras de proteção foram os itens mais citados por quem começou a vender algum tipo de produto após a pandemia. Os serviços esportivos, de eventos e fotografia foram os mais afetados, com mais de 60% deles fechados permanentemente.

O governo falhou até agora nas medidas de auxílio às empresas micro, pequenas e médias. Mas o segmento mais vulnerável é de fato o das micro empresas. O Ministério da Economia anunciou várias medidas que não foram implementas. Por isso, os negócios estão morrendo.

Continua após a publicidade
Publicidade