Presente vindo do exterior pode ser taxado

Proposta do governo é que mesmo importações abaixo de 50 dólares passem a pagar imposto

Pressionado por empresas que sofrem com a concorrência de produtos importados e pedem igualdade de condições para competir, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) propôs que o governo federal taxe todas as encomendas vindas do exterior, incluindo os presentes.

Em reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na última quinta-feira, o ministro Marcos Pereira, do MDIC, sugeriu que as importações inferiores a 50 dólares passem a ser taxadas, mesmo que não envolvam pessoa jurídica na venda. Essa mudança seria feita com urgência, por meio da edição de uma Medida Provisória. “Recebemos a demanda do setor produtivo e essa é uma medida que ainda aumenta a arrecadação federal”, disse Pereira ao Estado.

Atualmente, as remessas internacionais de mercadorias entre pessoas físicas no valor de até 50 dólares ingressam no país sem pagar impostos incidentes na importação (Imposto de Importação, IPI, Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins). A proposta do MDIC é que esse valor seja zerado.

A demanda do ministério leva em consideração que muitas empresas estrangeiras utilizam essa brecha na tributação, criada para permitir o envio de presentes por pessoas que vivem no exterior, para vender a consumidores brasileiros sem pagar impostos. Para isso, enviam as mercadorias como se fossem pessoas físicas. Assim, produtos importados acabam chegando ao consumidor com uma carga tributária menor que aqueles fabricados no Brasil.

A proposta do MDIC preserva, porém, as imunidades tributárias que estão previstas na Constituição. É o caso, por exemplo, das aplicadas a livros, revistas e periódicos.

Atualmente, a importação de bens via remessa postal ou encomenda aérea internacional já paga impostos. Está sujeita ao regime de tributação simplificada (RTS), que permite a compra no exterior de forma simplificada para valores não superiores a 3 mil dólares.

Reintegra

Na conversa com Meirelles, Pereira informou também que o setor produtivo está preocupado com o descumprimento do cronograma previsto para elevação da alíquota do Reintegra, um programa que estimula as exportações por meio de um ressarcimento tributário às empresas.

Esse mesmo ponto foi abordado na reunião que o ministro teve, na sexta-feira passada, com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Atualmente, o Reintegra dá aos exportadores um crédito de 0,1% sobre as vendas no exterior. O setor produtivo quer segurança sobre a elevação da alíquota para 2% a partir de janeiro próximo, como está previsto, e para 3% em janeiro de 2018. No ano passado, o governo reduziu a alíquota para 0,1%, mas manteve programado um aumento escalonado em um decreto. Na audiência com Meirelles, Skaf defendeu a adoção imediata dos 3%.

Leia também:
Seul proíbe venda de carros da Volkswagen por caso das emissões
Governo estuda trocar frota por táxi e Uber

De acordo com Pereira, sua pasta está concluindo um estudo para provar ao Ministério da Fazenda que o programa proporciona mais benefícios do que renúncia de receitas ao governo federal. “Esse estudo ficará pronto na semana que vem, e voltaremos a conversar”, destacou.

Com uma agenda extensa que tem com a Fazenda, o MDIC reclamou que não vem fazendo parte das discussões de reforma do PIS/Cofins. O ministro Marcos Pereira pediu que sua pasta também passe a ser consultada pela área econômica do governo quanto à reforma tributária. Ele diz ainda que o MDIC desconhece a proposta de reforma do imposto. Pereira ressaltou que existe um certo distanciamento dos ministérios nessa discussão e que isso prejudica a comunicação sobre pleitos importantes do setor que podem não ser incluídos no texto que será enviado ao Congresso Nacional.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cesar8002UTB

    E o Brasil vai continuar com essa política fracassada de reserva de mercado?

    Temos a informática mais CARA do mundo. Ficamos a cada dia mas atrasados em relação ao resto do mundo que se informatiza porque os assalariados desse país fracassado não podem ter acesso às tecnologias necessárias para se modernizar.

    Que mediocridade é esse governo Temer!

    Curtir

  2. Só faltava essa agora! Quebraram o país e até presente vai ser taxado? Vá para o inferno! Reserva de mercado que não representa nem 1% das importações. Francamente, na classe política não presta ninguem

    Curtir

  3. Ronaldo Serna Quinto

    Ao invés de melhorar as condições da empresas brasileiras, diminuindo a burocracia e os impostos, opta-se pela solução mais fácil pro governo: taxar os importados e aumentar os preços para os consumidores! Lamentável!!!

    Curtir

  4. tem nada a ver com concorrencia desleal tem a ver que o governo ta quebrado com tanta corrupcao e salarios elevados para seu funcionarismo

    Curtir

  5. Napoleao Gomes

    O problema do brasil não é falta de taxas ou presentes importados, o problema aqui é a corrupção, o roubo do dinheiro, praticado pelos políticos como o presidente Temer e a ex Dilma. Ladrões!!!

    Curtir

  6. Fabricio Pacheco

    O Brasil continua caminhando o mesmo caminho traçado pela Venezuela… modelo de político-economia arcaico.

    Curtir

  7. Ailton Marques

    Ei Governo, está errado! Diminua impostos, incentive o empreendedorismo e faça um trabalho de conscientização dos brasileiros para serem mais unidos, para valorizarem mais o produto nacional, para acreditarem mais no nosso país.
    Com isso, haveria mais demanda interna, mais vendas, mais lucros, mais pesquisa e desenvolvimento, produtos melhores, mais empregos, mais distribuição de renda, mais prosperidade e, consequentemente, mais oferta e preços menores.
    E, obviamente, mais arrecadação de impostos!

    Curtir

  8. Fabiana Camargo Dos Reis

    E minhas comprinhas no Aliexpress?

    Curtir

  9. Ailton Marques

    Ei Governo, está errado! Diminua impostos, incentive o empreendedorismo e faça um trabalho de conscientização dos brasileiros para serem mais unidos, para valorizarem mais o produto nacional, para acreditarem mais no nosso país.
    Com isso, haveria mais demanda interna, mais vendas, mais lucros, mais pesquisa e desenvolvimento, produtos melhores, mais empregos, mais distribuição de renda, mais prosperidade e, consequentemente, mais oferta e preços menores.
    E, obviamente, mais arrecadação de impostos!
    .

    Curtir