Blogs e Colunistas

A Família Walton

14/02/2014

às 9:27 \ Biografias, Falecimentos

Morre Ralph Waite, ator de ‘A Família Walton’

Ralph Waite em 1980 (Foto: Getty)

Ralph Waite em 1980 (Foto: Getty)

Conhecido pela série A Família Walton/The Waltons, onde interpretou o pai da família, o ator Ralph Waite faleceu no dia 13 de fevereiro, aos 85 anos de idade, de parada cardíaca.

Nascido no dia 22 de junho de 1928, Waite trabalhou como assistente social, foi Ministro da igreja Presbiteriana durante quatro anos e editor de uma publicação religiosa antes de se tornar ator.

Em entrevistas realizadas na década de 1970 para o Los Angeles Times, Waite chegou a dizer que não se considerava um homem religioso. Seu interesse nessa área era o de realizar atividades que pudessem levar justiça social a quem precisava. Um dia, acompanhando um amigo a uma aula de interpretação, Waite decidiu se tornar ator. Assim, aos 32 anos de idade, ele mudou de carreira.

Waite estreou na Broadway em 1960, com a peça Blues For Mister Charlie. Ao longo de oito anos, ele atuou em diversas montagens nos EUA e na Inglaterra. Ele estreou no cinema no final da década de 1960, atuando em filmes como Rebeldia Indomável e O Último Verão, entre outros.

O ator começou a fazer trabalhos na TV na mesma época. Ao longo de sua carreira, ele foi visto em episódios de Hawk, Bonanza, Nichols, Assassinato por Escrito, Time Trax, Orleans, remake de Quinta Dimensão, O Desafio/The Practice, Cane, Arquivo Morto/Cold Case, The Cleaner, CSI, Grey’s Anatomy e Off The Map.

Waite em 2012 (Foto: FilmMagic)

Waite em 2012 (Foto: FilmMagic)

Waite também teve participações recorrentes em Crime em Primeiro Grau/Murder One, Carnivàle, NCIS e Bones. Nestas duas últimas, ele interpretou o pai de Gibbs (Mark Harmon) e o avô de Booth (David Boreanaz). Ele também integrou o elenco da minissérie Raízes, pela qual foi indicado ao Emmy em 1977.

O sucesso veio com  A Família Walton/The Waltons, que acompanhava a luta de uma numerosa família vivendo no período da Grande Depressão americana. A série ressaltou a importância do amor e da união familiar para vencer os desafios da vida. Seu sucesso fez surgir outra produção que explorou a mesma narrativa, Os Pioneiros/Little House on the Prairie, atualmente em exibição no canal TCM.

A série surgiu do filme, Nove Irmãos/Spencer’s Mountain, de 1963, que por sua vez era uma adaptação do livro de Earl Hammer Jr. Estrelado por Henry Fonda e Maureen O’Hara, o filme apresentava a vida da família Spencer vivendo nas montanhas, onde passavam por problemas e dificuldades.

Em 1971, a história da família migrou para a televisão, com o telefilme Venha Passar o Natal Conosco Papai/The Homecoming – A Christmas Story. A história conta a vida da família Walton, vivendo nas montanhas da Virgínia. Estrelada por Andrew Duggan e Patricia Neal, a produção serviu de piloto para a série. A audiência deste telefilme levou a Lorimar Productions a convencer a CBS a dar continuidade às histórias da família Walton. Assim surgiu a série, produzida entre 1972 e 1981, apresentando situações que envolviam a família e os moradores da cidade mais próxima. Waite assumiu o papel que foi de Fonda e Duggan.

Depois de nove temporadas, a série chegou ao fim em 1981. Mas entre 1982 e 1997, os atores voltariam a se reunir em seis telefilmes: A Wedding on Waltons’ Mountain, Mother’s Day on Walton’s Mountain, A Day for Thanks on Walton’s Mountain, A Walton Thanksgiving Reunion, A Walton Wedding e A Walton Easter.

'A Família Walton' em 1974. (Foto: CBS/Arquivo).

‘A Família Walton’ em 1974. (Foto: CBS/Arquivo).

Os atores de 'A Família Walton' em 2011. (E-D) Lee Purcell, David W. Harper, Jon Walmsley, Kami Cotler, Michael Learned, Ralph Waite, Mary McDonough, Eric Scott, Judy Norton e Cissy Wellman. (Foto: FilmMagic)

Os atores de ‘A Família Walton’ em 2011. (E-D) Lee Purcell, David W. Harper, Jon Walmsley, Kami Cotler, Michael Learned, Ralph Waite, Mary McDonough, Eric Scott, Judy Norton e Cissy Wellman. (Foto: FilmMagic)

Na época em que atuava na série, Waite era alcoólatra. A Família Walton teria provocado uma mudança no comportamento do ator, que largou a bebida. Posteriormente, trabalhou como voluntário do ABC Alcohol and Recovery Center em Indio, Califórnia, chegando a se tornar membro da diretoria e depois Presidente.

Waite também estrelou a série The Mississippi, produzida entre 1982 e 1984. Na história, ele interpreta um advogado criminalista aposentado que viaja pelo rio Mississippi de barco. Mas a cada parada ele encontra alguém que precisa de um bom advogado de defesa.

Interessado em política, o ator concorreu duas vezes a uma cadeira no Congresso Americano. A primeira em 1990 e a segunda vez em 1998. Em 2010, após quase 30 anos afastado da igreja, o ator voltou a atuar como Ministro da igreja Presbiteriana.

Waite foi casado três vezes. A primeira com Beverly Waite, entre 1951 e 1966, com quem teve duas filhas, Kathleen e Suzanne. A segunda união foi com a atriz Kerry Shear Waite, entre 1977 e 1981. Os dois primeiros casamentos terminaram em divórcio. Desde 1984 Waite era casado com Linda East. Ele se tornou padrasto do filho dela, o ator Liam Waite, que adotou seu sobrenome.

Waite com Mark Harmon em 'NCIS' (Foto: CBS/Arquivo)

Waite com Mark Harmon em ‘NCIS’ (Foto: CBS/Arquivo)

 

20/07/2013

às 17:19 \ Curiosidades, Falecimentos, Televisão

Lista: 38 séries que sofreram baixa no elenco pela morte de atores

Cory Monteith

No final da postagem, clique no link para visualizar a lista completa. 

No dia 14 de julho, o público foi surpreendido com a notícia da morte de Cory Monteith, ator que interpretava Finn na série musical Glee. Mais uma vítima de overdose, o ator deixa para os produtores e colegas a difícil tarefa de lidar com sua perda e dar continuidade a uma das séries mais populares dos últimos anos.

Ele não foi o primeiro nem será o último a morrer durante a produção de uma série. Em comparação ao número de séries produzidas, a quantidade daquelas que tiveram que lidar com este problema é até insignificante. Desde o início da produção televisiva até os dias de hoje ocorreram diversos casos parecidos. Alguns provocaram maior comoção, como foi o caso com Cory e daqueles que cometeram suicídio, outros quase passaram despercebidos, seja por interpretarem personagens menores ou por já estarem com a saúde abalada.

Fiz um levantamento das produções sobre as quais me lembrava. A lista limita-se às séries americanas. Se alguém se lembrar de alguma que faltou na lista e quiser contribuir com o levantamento, peço que deixe as informações nos comentários, a título de registro.

A lista segue a ordem alfabética dos títulos em inglês.

John Ritter

01. 8 Simple Rules For Dating My Teenage Daughter – Também conhecida como 8 Simple Rules, a sitcom foi produzida entre 2002 e 2005. A sitcom marcava o retorno de John Ritter, ator que ficou conhecido com Um é Pouco, Dois é Bom e Três é Demais/Three’s Company, na década de 1970. Mas a série perdeu seu astro principal na segunda temporada. Durante a produção do quarto episódio, o ator começou a reclamar de dores no peito. Quando começaram os ensaios, ele se sentiu mal e desmaiou, entrando em coma. Levado para o hospital, Ritter chegou já sem vida. A produção foi suspensa, retornando dois meses depois com a decisão da ABC de incorporar na trama a morte do ator. Assim, Cate (Katey Sagal) fica viúva e responsável por criar seus três filhos, com o apoio de seus pais (James Garner e Suzanne Pleshette) e seu sobrinho (David Spade). A viúva de Ritter chegou a processar o médico do ator, bem como aquele que o atendeu no dia de sua morte, por não terem diagnosticado uma doença cardíaca congênita. O tribunal concluiu que não houve negligência, mas um acordo financeiro foi definido fora dos tribunais.

 

Pete Duel

02. Alias Smith & Jones/Smith & Jones – A série de faroeste foi produzida entre 1971 e 1973, trazendo a história de dois foras da lei que, pensando em conseguir o perdão do governador, fazem um acordo para ficarem longe de problemas. Durante a produção da segunda temporada, o ator Pete Duel se matou, aos 31 anos de idade, com um tiro na cabeça. A polícia chegou a investigar a possibilidade de um crime, visto ter encontrado um segundo buraco de bala na parede da sala, onde Duel foi encontrado morto. Mas as investigações revelaram que o segundo tiro tinha sido disparado alguns dias antes pelo próprio Duel, quando ficou frustrado por não ter sido indicado à diretoria do SAG. Duel apresentava um quadro de depressão e alcoolismo, mas ainda assim sua morte surpreendeu seus colegas e fãs. Embora fosse véspera de ano novo, a produção da série finalizava as filmagens do episódio dezenove. Ao invés de suspender os trabalhos, a Universal ordenou que as filmagens continuassem. No mesmo dia da morte de Duel, o estúdio contratou o ator Roger Davis para substituí-lo. Assim, a série continuou com Davis interpretando o mesmo personagem, como se nada tivesse acontecido. A série durou mais uma temporada.

 

George Reeves

03. The Adventures of Superman/As Aventuras do Superman: a série foi a primeira adaptação de sucesso das histórias de um super-herói para a TV. A fama que ela conquistou na época marcou a carreira do ator George Reeves, que era obrigado por contrato a aparecer em público vestido como Superman para estimular o imaginário das crianças. Participando de eventos para promover a série vestido como o super-herói, também reforçou a identificação do ator com o personagem para os produtores de Hollywood, que evitavam lhe oferecer outros papéis. Em junho de 1959, o ator foi encontrado morto em sua casa, com um tiro na cabeça. A polícia classificou o caso como suicídio, com base em um quadro de depressão e alcoolismo. Mas até hoje existe a dúvida se a morte de Reeves não teria sido acidental ou crime. Quando Reeves morreu, os produtores planejavam a sétima temporada da série. Reeves não foi o único que morreu durante a produção de As Aventuras do SupermanJohn Hamilton, que interpretava Perry White, morreu em 1958, após a produção da sexta temporada. Visto que a série foi cancelada com a morte de Reeves, Hamilton não precisou ser substituído.

 

Jack Soo

04. Barney Miller – Produzida entre 1975 e 1982, a topical sitcom fez muito sucesso em sua época, apresentando a rotina de uma delegacia de polícia. Contando com um grande elenco, ela apresentava histórias sobre a criminalidade em uma grande cidade, bem como a dificuldade da polícia em manter seu trabalho com poucos recursos. Esta é uma das produções que abriram caminho para Chumbo Grosso na década de 1980. Hal Linden liderava o elenco, interpretando o chefe de polícia Barney Miller. Entre os coadjuvantes estava o veterano Jack Soo, que interpretava o detetive Nick Yemana. Em 1978, durante a produção da quinta temporada, o ator foi diagnosticado com câncer no esôfago. A doença se espalhou rapidamente, levando o ator à morte no início de 1979. A série continuou a ser produzida, incorporando na trama a morte do ator. Para homenageá-lo, a produção ofereceu um episódio especial no qual o elenco rompe a quarta parede, dirigindo-se ao público para apresentar uma retrospectiva do trabalho do ator na série. A cena termina com o elenco erguendo um brinde ao colega falecido.

 

Alice Pearce

05. Bewitched/A Feiticeira – Ainda cultuada pelos fãs até hoje, a série foi produzida entre 1964 e 1972. Acompanhando a vida de um bruxa que se casa com um mortal, a série introduziu uma personagem na história que ganhou rapidamente a afeição do público. Nas duas primeiras temporadas, a Sra. Kravitz, a vizinha bisbilhoteira de Samantha, era interpretada pela atriz Alice Pearce, que deu à personagem uma entonação mais cômica. Pouco depois de ter sido contratada, Pearce foi diagnosticada com câncer no ovário. Ao invés de substituí-la, os produtores decidiram mantê-la no elenco. Assim, ela continuou trabalhando enquanto submetia-se ao tratamento. Mas, ao final da segunda temporada, a atriz perdeu sua luta contra o câncer, falecendo aos 48 anos de idade. Quando a produção entrou em sua terceira temporada, Pearce foi substituída por Sandra Gould, que interpretou o mesmo personagem.

Marion Lorne

O mesmo procedimento não ocorreu quando Marion Lorne, que dava vida à Tia Clara, morreu aos 84 anos de idade, vítima de parada cardíaca, pouco antes de iniciar a produção da quinta temporada da série. Sendo um personagem muito querido do público, os produtores decidiram que não havia razão para contratar outra atriz para dar continuidade ao personagem. Assim, Clara deixa de aparecer na casa de Samantha. Pelo que me lembro, a produção não chegou a oferecer uma justificativa para o desaparecimento de Clara. Acredito que ela não tenha sido sequer mencionada depois da morte da atriz. Foi como se ela nunca tivesse existido. Na temporada seguinte, os produtores contrataram Alice Ghostley para interpretar a Tia Esmeralda que, tal como Clara, tinha problemas para controlar seus poderes. A atriz já tinha feito uma participação na segunda temporada da série, interpretando uma mortal.

 

Dan Blocker

06. Bonanza – Produzida entre 1959 e 1973, a série se transformou em um clássico da televisão. Acompanhando as histórias da família Cartwright, o pai Ben e os filhos Adam, Hoss e Little Joe, a série fez parte da vida de diversas gerações de telespectadores, sendo cultuada até hoje. A produção já tinha sofrido com a perda de Pernell Roberts, o intérprete de Adam, que decidiu não renovar seu contrato, deixando o elenco ao final da quinta temporada. Na história, Adam se muda para outro país. Durante um tempo a série conseguiu se equilibrar com as presenças dos demais personagens, mas a produção sofreu um novo baque em 1972, pouco antes de iniciar a produção da 14ª temporada. Dan Blocker, que interpretava Hoss, submeteu-se a uma cirurgia de vesícula. Naquela época, o procedimento para este tipo de operação era mais precário. Após nove dias em recuperação, Blocker começou a ter dificuldades para respirar. Exames mostraram que um coágulo de sangue tinha se formado, possivelmente em consequência da cirurgia, se instalando nos pulmões. Levado novamente à sala de cirurgia, Blocker faleceu vítima de parada cardíaca durante o procedimento. Na série, Hoss morre afogado tentando salvar a vida de uma mulher. Para preencher o vazio deixado pelo ator, os produtores chamaram de volta David Canary, que interpretara o vaqueiro Candy entre 1967 e 1970, e introduziram mais um ajudante, Griff (Tim Matheson). Ao final da 14ª temporada, apesar de manter uma boa audiência, a série foi cancelada pela NBC.

 

Nicholas Colasanto

07. Cheers - Esta é uma sitcom produzida entre 1982 e 1993, que acompanhava a vida de Sam Malone (Ted Danson), proprietário de um bar. Cada episódio mostrava como Malone lidava com seus problemas pessoais e profissionais. Em paralelo, o público acompanhava a vida dos demais funcionários do bar e dos frequentadores. Nicholas Colasanto interpretava Ernie, um ex-treinador de futebol que atuava como bartender. Na terceira temporada da série, sofrendo de problemas cardiovasculares, Colasanto precisou ser internado, com um quadro de água nos pulmões. Após ser liberado do hospital, Colasanto tentou voltar ao trabalho, mas o departamento médico da produção não aprovou seu retorno. O ator morreu em fevereiro de 1985, de parada cardíaca, enquanto assistia televisão. A morte do ator foi incorporada na trama e seu personagem foi substituído por Woody, interpretado por Woody Harrelson, no início da quarta temporada.

 

Freddie Prinze

08. Chico and the Man – Esta é uma série que faz parte da leva das topical sitcoms produzidas na década de 1970. Exibida entre 1974 e 1978, a sitcom acompanhou a amizade que surge entre um americano rabugento dono de uma garagem e um jovem mexicano otimista que trabalha para ele. Freddie Prinze, de 22 anos, interpretou Chico durante as três primeiras temporadas da série. Em janeiro de 1977, Prinze foi encontrado em sua casa com um tiro na cabeça. O ator chegou a ser levado ao hospital, onde os médicos declararam sua morte cerebral. Os aparelhos foram desligados dois dias depois. Tendo em vista o quadro de depressão e abuso de drogas de Prinze, a polícia concluiu que ele se suicidara. Sua mãe lutou por dois anos na justiça para reabrir o caso. Em 1979, a corte declarou que a morte do ator foi acidental. Faltando apenas quatro episódios para finalizar a terceira temporada, a produção da série continuou. O primeiro episódio inicia explicando para o público que Chico foi para o México para tentar se reconciliar com o pai. No último episódio foi introduzido Raul (Gabriel Melgar), um menino mexicano que entrou clandestinamente nos EUA. Ele é adotado por Ed (Jack Albertson) e a quarta e última temporada foi produzida.

 

Madeline Kahn

09. Cosby – Esta é a sitcom que trouxe Bill Cosby e Phylicia Rashad de volta à TV depois do sucesso conquistado na década de 1980 com Cosby Show. Produzida entre 1996 e 2000, a série apresentava a vida de Hilton (Cosby), um aposentado que tenta se ajustar à sua nova vida. Rashad interpretava sua esposa Ruth, que mantém seu próprio negócio tendo como sócia sua amiga Pauline, personagem interpretada pela veterana Madeline Kahn. Em 1998, durante a produção da terceira temporada, a atriz foi diagnosticada com câncer no ovário. Mantendo suas atividades na série, a atriz se submeteu ao tratamento de quimioterapia. Mas Madeline perdeu a luta contra o câncer, falecendo durante a produção do nono episódio da quarta temporada. Sua morte foi incluída na trama e mais onze episódios foram produzidos para fechar a temporada. Ao final daquele ano, a série foi cancelada por baixa audiência.

 

Jon-Erik Hexum

10. Cover Up/Retrato Falado – Esta foi uma série de aventura produzida entre 1984 e 1985. Na história, Danielle Reynolds (Jennifer O’Neill) é uma fotógrafa de moda casada com um agente do governo. Quando ele é assassinado, Dani decide assumir seu lugar. Mantendo a fachada como fotógrafa, ela viaja pelo mundo na companhia de Mac (Jon-Erik Hexum), um agente do governo que se faz passar por modelo. Durante a produção do oitavo episódio, que traz o título de Golden Opportunity, Hexum precisou gravar uma cena na qual seu personagem, sentado na cama, pega um revólver calibre .44 e o carrega com balas de festim. Depois de gravar uma vez, o diretor decidiu fazer uma nova tomada sob outro ângulo. Enquanto aguardava os ajustes de cena, Hexum começou a brincar com a arma. Ele descarregou o revólver deixando apenas uma bala no tambor. Em seguida, começou a brincar de roleta russa. Quando ele colocou a arma na cabeça e disparou, o festim o atingiu ferindo-o gravemente. Sangrando e consciente, mas incapaz de falar, ele foi levado ao hospital. Após passar cinco horas na sala de cirurgias, o ator precisou ser ligado a aparelhos. Seis dias depois, ele foi declarado clinicamente morto. Os aparelhos foram desligados e seus órgãos doados pela família. Faltando quatorze episódios para finalizar a primeira temporada, a rede CBS decidiu substituir o ator por Anthony Hamilton, que interpretou Jack, um novo agente designado para trabalhar com Dani enquanto Mac está em uma missão solo. Ao final do primeiro episódio em que ele aparece, Jack diz a Dani que Mac não vai mais voltar. Subentende-se que o personagem foi morto em ação.

 

Jim Davis

11. Dallas – A série, que se tornou um marco na TV americana entre 1978 e 1991, precisou lidar com a perda de Jim Davis, ator que interpretou o patriarca da família Ewing. Durante a quarta temporada ficou claro para os produtores que a saúde de Davis estava declinando. Com 71 anos de idade, o ator lutava contra um câncer. Desta forma, decidiram produzir uma cena para o episódio New Beginnings no qual Jock e dona Ellie decidem fazer uma viagem de segunda lua-de-mel. A ideia era tirar o personagem da série caso o ator não estivesse em condições de retornar para uma nova temporada. Antes mesmo que o último episódio da temporada fosse exibido, o ator morreu. No início da temporada seguinte, dona Ellie retorna da viagem dizendo que o marido decidiu ir para a América Latina cuidar de negócios importantes. Dez episódios depois, ela recebe a notícia de que seu marido morreu em um acidente de helicóptero. Sem que seu corpo fosse encontrado, Jock só foi declarado oficialmente morto dezenove episódios depois. Ao longo da série, os produtores ainda utilizaram o recurso de introduzir Wes (Steve Forrest), um homem que se faz passar por Jock. Tendo sobrevivido ao acidente e passado por uma cirurgia plástica, ele tenta ocupar o lugar de Jock. Na oitava temporada, dona Ellie se casa com Clayton (Howard Keel), outro rancheiro.

 

Larry Hagman

12. Dallas – Vinte anos depois do cancelamento da série original, o canal CW TNT lança uma nova versão de Dallas, que dá continuidade à sua história, desta vez acompanhando a vida dos filhos de JR (Larry Hagman) e Bobby Ewing (Patrick Duffy). Para dar validade à nova produção, os atores que deram vida aos famosos personagens foram chamados de volta. Durante a produção da primeira temporada, Hagman foi diagnosticado com câncer, durante os exames de rotina ao qual os atores são submetidos pela produção de uma série. Embora tenha se submetido a um tratamento, Hagman veio a falecer em 2012, depois de filmar seis episódios dos doze que seriam produzidos para a segunda temporada. A morte do ator representou a morte de um ícone da cultura popular. JR foi enterrado quatro meses depois que seu protagonista.

 

Joseph Kearns

13. Dennis the Menace/O Pimentinha – Inspirada no personagem que surgiu nas tiras de quadrinhos, a sitcom foi produzida entre 1959 e 1963. A história acompanhava a vida de Dennis (Jay North), um garotinho que, apesar das boas intenções, vivia aprontando arte. O sr. Wilson (Joseph Kearns) era quem mais se incomodava com ele. Tentando aproveitar sua aposentadoria, ele tinha sua paz e tranquilidade constantemente abaladas por Dennis. Faltando apenas seis episódios para finalizar a terceira temporada, Kearns faleceu vítima de uma parada cardíaca. Os produtores tiveram pouco tempo para preparar o episódio seguinte, no qual John Wilson, irmão de George, chega na cidade para fazer companhia à cunhada Martha enquanto o Sr. Wilson está viajando. No último episódio da temporada, Martha vende a casa para John e se muda para outra cidade com o marido (que não aparece no episódio). A série teve mais uma temporada antes de ser cancelada. A justificativa que foi dada na época era o fato de Jay ter crescido muito, não podendo mais interpretar o personagem.

 

Lynne Thigpen

14. The District – Exibida entre 2000 e 2004, a série apresentou a rotina de trabalho de Jack Mannion (Craig T. Nelson), chefe do departamento de polícia de Washington. Entre seus colegas estava Ella Farmer, analista de computadores interpretada por Lynne Thigpen, atriz que fez carreira no teatro musical. Ela migrou para o cinema quando o musical Godspell foi adaptado. Depois de diversas participações em séries, e de dublar a chefe na animação Em que Lugar da Terra está Carmen Sandiego?, Lynne entrou para o elenco de The District. Mas, durante a produção da terceira temporada, a atriz começou a sentir fortes dores de cabeça. Não consta que ela tenha procurado um médico. Poucos dias depois, ela foi encontrada morta em sua casa. A causa da morte foi divulgada como sendo hemorragia cerebral. Faltando seis episódios para finalizar a temporada, a produção suspendeu os trabalhos por uma semana. Quando retornou, sua morte foi incorporada à série. Mannion se nega a aceitar sua morte ao longo de quatro episódios. No penúltimo da temporada, ele finalmente aceita o fato.

 

Barton Yarborough

15. Dragnet – Produzida entre 1952 e 1959, a série (que surgiu no rádio) se tornou um clássico da televisão americana, gerando um retorno entre 1967 e 1970, outro em 1989 e um terceiro em 2003, e mais três filmes. A série acompanhou a rotina de trabalho do Sargento Friday (Jack Webb) da polícia de Los Angeles ao lado do Sargento Ben Romero, interpretado por Barton Yarborough, que após a produção dos dois primeiros episódios morreu vítima de um ataque cardíaco. Ao longo dos onze episódios seguintes, ele foi substituído por Ken Peters e depois por Barney Phillips, que interpretaram os sargentos Cummings e Jacobs. Quando a segunda temporada estreou, o ator Herb Ellis assumiu a função de parceiro de Friday, como o oficial Frank Smith. Depois de cinco episódios, ele foi substituído por Ben Alexander, que permaneceu ao longo da série interpretando Smith. Visto que os episódios eram exibidos fora da ordem de produção, o público acompanhou as idas e vindas de Ellis e Alexander vivendo o mesmo personagem.

 

Diana Hyland

16. Eight is Enough/Oito é Demais – Produzida entre 1977 e 1981 a série foi uma dramédia familiar de sucesso da rede ABC. Inspirada na vida do escritor Thomas Braden, a história acompanhava a rotina de uma família com oito filhos. Depois da produção do episódio piloto, a atriz Diana Hyland, que interpretava Joan, a esposa de Tom (Dick Van Patten), ficou doente. Anos antes da produção da série ter início, ela tinha passado por um tratamento de câncer de mama. Agora, acreditando que apenas sofria de fadiga, a atriz se submeteu a novos exames que revelaram que o câncer voltara e se espalhara pela coluna, chegando ao cérebro. Diana continuou trabalhando enquanto se submetia a uma nova sessão de quimioterapia. Ela aguentou até o quarto episódio, quando então revelou sua situação para a produção que a afastou dos trabalhos. Na história, sua personagem viaja para ajudar uma parente que teve um bebê. A atriz morreu após a exibição da primeira temporada, que teve apenas nove episódios, exibidos na midseason de 1977. Renovada, a série retornou para sua segunda temporada, que inicia explicando para o público que há três meses Tom perdeu a esposa. Agora viúvo, ele precisa cuidar dos oito filhos. Ao longo dos episódios, ele conhece Abby (Betty Buckley), com quem se casa em um especial de duas horas de duração.

 

Dolph Sweet

17. Gimme a Break! – Esta é uma sitcom produzida entre 1981 e 1987, que gira em torno de Nell (Nell Carter), uma governanta afro-americana que trabalha na casa de um viúvo e suas três filhas. Ele era interpretado por Dolph Sweet que, ao final da terceira temporada, começou a ter problemas de saúde. Em agosto de 1984, ele foi submetido a uma cirurgia exploratória, a qual revelou que Dolph sofria de câncer no pâncreas. A série tinha sido renovada para a quarta temporada e assim Dolph voltou ao trabalho. Devido à fadiga, ele perdeu as filmagens de quatro episódios, nos quais foi substituído por John Hoyt e Telma Hopkins, que interpretaram o avô das crianças e uma amiga de Nell, respectivamente. O ator aguentou até o final da quarta temporada. Renovada, a série voltou para sua quinta temporada, quando é revelado ao público que o personagem de Dolph morreu. Seus filhos ficaram sob os cuidados de Nell, que se torna a mãe adotiva deles. A série se estendeu até a sexta temporada, quando foi cancelada.

 

Kevin Peter Hall

18. Harry and the Hendersons/Um Hóspede do Barulho – Produzida entre 1990 e 1993, a série é uma adaptação do filme exibido nos cinemas em 1987. Na história, a família Henderson atropela o Pé Grande (ou Sasquatch) durante sua viagem de férias. Depois de cuidar dele, eles decidem adotá-lo. O maior problema era manter Harry (como era chamado) escondido dos vizinhos. Tanto no filme quanto na série, o Pé Grande era interpretado por Kevin Peter Hall, mais conhecido dos fãs de série por Curto Circuito/Misfits of Science. Em 1990, o ator sofreu um grave acidente de carro, que o levou a ser submetido a uma cirurgia. Durante o procedimento, ele recebeu sangue contaminado com o vírus da AIDS, doença que se manifestou alguns meses depois. Hall faleceu durante a produção da primeira temporada, aos 35 anos. Visto que ele utilizava uma fantasia, sua substituição não foi percebida pelo público. Na segunda temporada o personagem foi interpretado por Dawan Scott e na terceira por Brian Steele.

 

Michael Conrad

19. Hill Street Blues/Chumbo Grosso – Produzida entre 1981 e 1987, a série se tornou um marco na história da televisão americana. A trama acompanhou a vida e o trabalho de diversos policias de um departamento de polícia. Entre eles estava o sargento Phil Esterhaus, interpretado pelo veterano Michael Conrad. Rosto conhecido dos fãs de séries por suas participações em diversas produções entre as décadas de 1950 e 1980, Conrad integrava o elenco de sua segunda série, a primeira a lhe dar um reconhecimento nacional. Mas, durante a produção da terceira temporada, o ator foi diagnosticado com câncer uretral. Conforme a doença foi progredindo, sua presença na série foi sendo reduzida. O ator morreu durante a quarta temporada. Na história, foi dito que o personagem morreu vítima de parada cardíaca durante o ato sexual com sua noiva. Conrad foi substituído por Robert Pronsky, que interpretou o sargento Stan Jablonski.

 

Anne Baxter

20. Hotel – Série de Aaron Spelling produzida entre 1983 e 1988. A história acompanhou a vida dos funcionários e hóspedes de um hotel, que era de propriedade de Laura Trent, personagem interpretada pela veterana Bette Davis. Esta seria a primeira série de Davis, que já tinha feito participações em outras produções. Embora tenha filmado o piloto, a atriz estava relutante em fazer parte do elenco da série, caso ela tivesse sua produção aprovada. Neste meio tempo, Davis sofreu um derrame, que a afastou definitivamente da produção. Assim, quando a série foi aprovada, Davis foi substituída por outra veterana, a atriz Anne Baxter, que na década de 1950 trabalhou com Davis no filme A Malvada. Anne interpretou Veronica, irmã de Laura, que assume o comando da empresa. Durante a produção da segunda temporada, Baxter morreu repentinamente, vítima de aneurisma cerebral. Ao invés de substituí-la, os produtores decidiram que o personagem de James Brolin, que era o gerente do hotel, herdaria a empresa. Assim, ele assumiu o comando do hotel até o último episódio da quinta temporada, quando a série foi cancelada.

 

Samantha Smith

21. Lime Street/Culver, Agente de Alto Nível – Esta é uma série que teve apenas uma temporada de oito episódios produzidos em 1985. Estrelada por Robert Wagner, a série apresentou a história de um viúvo que morava em um rancho com duas filhas e o pai. Enquanto cuidava das filhas ele ainda atuava como investigador de seguros. A filha mais velha era interpretada por Samantha Smith, uma menina que aos dez anos de idade ficou conhecida por ter escrito uma carta para Yuri Andropov, presidente da União Soviética, na qual expressava suas preocupações sobre uma possível guerra nuclear entre os dois países. A carta foi publicada no jornal Pravda, chamando a atenção dos jornalistas americanos, que localizaram Samantha, transformando-a em celebridade. O frenesi da mídia levou o Presidente soviético a responder a carta e a convidá-la a visitar a Rússia. Acompanhada pela imprensa e pela família, Samantha passou duas semanas conhecendo a União Soviética. Na sua volta aos EUA, ela escreveu um livro, participou de talk shows e foi convidada para participar de diversos programas. Foi assim que ela chegou no elenco de Lime Street. Após finalizar as filmagens do quarto episódio, Samantha e seu pai, que estavam em Boston, pegaram um avião de pequeno porte para voltar para casa no Maine. Ao se aproximar do aeroporto, a aeronave sofreu uma pane, caiu e pegou fogo, matando os passageiros e tripulantes. A produção ainda completou os quatro episódios seguintes, sem substituir a atriz ou justificar sua ausência. A perda trágica da atriz esfriou os ânimos dos produtores e do elenco. A baixa audiência conquistada pela série (que não conseguiu enfrentar a concorrência de As Supergatas), a levou a ser cancelada.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

08/07/2013

às 18:02 \ Falecimentos, Séries Anos 1970-1979

Morre Joe Conley, ator da série ‘A Família Walton’

Joe Conley na década de 1970

Conhecido por interpretar o Sr. Ike Godsey, o dono da mercearia na série A Família Walton/The Waltons, o ator Joe Conley faleceu no dia 7 de julho, aos 85 anos de idade.

A notícia foi divulgada pela atriz Mary Beth McDonough (que na série interpretava Erin Walton), em sua página no Facebook e confirmada pelo Hollywood Reporter e Los Angeles Times. Ainda não há informações sobre a causa da morte mas, segundo divulgado por sua esposa, o ator sofria de demência.

Criada por Earl Hammer Jr. com base em sua família, a série foi produzida entre 1972 e 1981, com um total de 210 episódios.

Situada no período da Grande Depressão econômica americana, a história acompanhou os altos e baixos da família Walton que vivia da extração de madeira no interior da Virgínia.

Conley foi visto em 172 episódios, substituindo Woodrow Parfrey, que interpretou o personagem no piloto exibido em 1971.

Nascido no dia 3 de março de 1928, em Buffalo, NY, Conley cresceu no período da Depressão. Filho de uma atriz de vaudeville, ele iniciou sua carreira no rádio quando ainda era criança.

Em 1945 se mudou para Los Angeles, onde sua irmã Rosemary vivia com o marido. Neste período, ele se sustentou com trabalhos temporários enquanto fazia testes como ator.

Em 1955, depois de servir na Guerra da Coréia, Conley começou a fazer participações em episódios de séries de TV.

Ao longo de sua carreira, ele foi visto em Lassie, Make Room For Daddy, Alfred Hitchcock Apresenta, Dragnet, Procurado: Vivo ou Morto, Richard Diamond – Detetive Particular, O Pimentinha, Gunsmoke, Mister Ed, O Fazendeiro do Asfalto, Os Astronautas, A Família Buscapé, Brady Bunch e A Supermáquina.

No cinema, foi visto em Da Ambição ao Crime/Crime of Passion (1957), Juvenille Jungle (1958), Os Escorpiões do Crime/Blueprint for Robbery (1961), Oitenta Passos para a Felicidade/80 Steps to Jonah (1969), O Primeiro Pecado Deste Lado do Céu/Impure Thoughts (1986), Vale Tudo/Whatever It Takes (1998), e Náufrago/Cast Away (2000).

Joe em 2003 (Foto: Maury Phillips/WireImage)

Em 1961, em paralelo à sua carreira artística, Conley começou a investir no negócio imobiliário. Ao longo de quase vinte anos ele manteve três escritórios imobiliários na Califórnia, bem como um restaurante em San Fernando Valley. Conley também foi membro ativo da igreja católica, com a qual realizou diversas atividades junto à comunidade.

Em 1970, ele decidiu largar a carreira de ator para dedicar tempo exclusivo aos seus negócios. Mas, em 1972, Conley recebeu um telefonema de seu ex-agente, que queria saber se ele teria interesse em fazer um teste para uma nova série de TV.

A princípio, Conley disse que não mas acabou mudando de ideia. Com isso, ele foi escolhido para interpretar Ike em A Família Walton. Ele voltaria a interpretar o personagem nos filmes reunions produzidos entre 1982 e 1997.

Em 2009, Conley lançou sua autobiografia, que recebeu o título de Ike Godsey of Walton’s Mountain.

O ator foi casado duas vezes. Ele teve dois filhos com sua primeira esposa, Kevin (1960) e Julie (1961). Em 1969 se casou com Louise Ann Teechen, com quem ainda vivia. O casal teve duas filhas, Erin (1971) e Jana (1974).

Cliquem na segunda foto para ampliar.

No vídeo, abertura da série A Família Walton.

Reunião dos Atores de A Família Walton

(E-D, na 1ª fila) Eric Scott, David Huddleston, Judy Norton, Michael Learned e Lynn Hamilton. (E-D, na 2ª fila) Kami Cotler, David Harper, Mary McDonough, Jon Walmsley, Ellen Geer e Radames Pera.

Esta é uma série que o canal TCM está devendo aos seus assinantes. A produção somente completará seus 40 anos de existência em setembro de 2012, mas os atores que interpretaram os filhos da família Walton celebram este ano o quadragésimo aniversário do telefilme que deu origem à série. Isto porque os atores que interpretaram os filhos no filme são os mesmos da série.

A trajetória de “A Família Walton” teve início em 1963 com o filme “Nove Irmãos/Spencer’s Mountain”, estrelado por Henry Fonda e Maureen O’Hara. Adaptado da obra de Earl Hammer Jr., o filme apresentava a vida de uma família, que aqui chamava-se Spencer, lutando contra as dificuldades financeiras. O filme foi adaptado para a TV em setembro de 1971, com o título de  “Venha Passar o Natal Conosco Papai/The Homecoming – A Christmas Story”.

Estrelado por Andrew Duggan (Laredo) e Patricia Neal, ambos já falecidos, a história narrava a vida da família Walton vivendo nas montanhas da Virgínia. O casal tinha sete filhos: John-Boy (Richard Thomas), Jason (Jon Walmsley), Mary Ellen (Judy Norton), Ben (Eric Scott), Erin (Mary Beth McDonough), Jim-Bob (David W. Harper) e Elizabeth (Kami Cotler). Na casa também viviam Zeb (Edgar Bergen) e Esther (Ellen Corby), pais de John Walton.

A princípio, seria apenas um telefilme natalino exibido pelo canal CBS. Mas a audiência conquistada levou a Lorimar Productions a convencer o canal a dar continuidade às histórias da família Walton. Assim, a série foi produzida entre 1972 e 1981, apresentando situações que envolviam a família e os moradores da cidade, destacando questões inerentes ao ambiente e ao período histórico.

A série teve início durante a Grande Depressão econômica americana, finalizando no período da 2ª Guerra Mundial. Cada episódio apresentava uma situação específica, mas a vida dos personagens era apresentada de forma contínua.

Narrada por John-Boy, que no futuro se torna um escritor, os episódios de “Os Waltons” são apresentados como lembranças de sua infância e adolescência, período em que viveu nas montanhas da Virgínia aprendendo o valor da união familiar frente aos problemas econômicos e às intolerâncias sociais. A mesma abordagem seria reproduzida com sucesso na década de 1980 com “Anos Incríveis”.

Ao produzir a série, o elenco sofreu mudanças em relação ao telefilme. Andrew e Patricia foram substituídos por Ralph Waite e Michael Learned (apesar do nome masculino trata-se de uma atriz), e Will Geer substituiu Edgar Bergen, ator que era pai de Candice Bergen.

Rapidamente “Os Waltons” se transformou em um clássico da TV americana, sendo produzida ao longo de nove temporadas. Encerrada em 1981, a série ganhou diversos telefilmes que reuniram o elenco entre 1982 e 1997.

No dia 2 de dezembro, os atores se reuniram mais uma vez, desta vez em um evento que celebrou os 40 anos do telefilme piloto. Estiveram presentes Michael Learned e os sete atores que interpretaram os filhos, bem como cinco atores que tiveram participações em episódios da série: David Huddleston (Xerife Bridges), Lynn Hamilton (Verdie Foster), Hal Williams (Harley Foster), Ellen Geer (Evan Mann) e Radames Pera (Paul Mann), que também é conhecido pela série “Kung Fu”.

O telefilme piloto da série foi exibido para o público presente, seguido por um painel no qual os atores compartilharam suas lembranças sobre a produção e responderam perguntas. O elenco encerrou a noite cantando para o público presente.

Vejam aqui por onde anda cada ator que deu vida à família Walton na série. Abaixo, vídeo e fotos da reunião do elenco em 2011.
Fernanda Furquim: @Fer_Furquim

Cliquem nas fotos para ampliar.

 

 

 

15/01/2011

às 16:30 \ Por Onde Andam?

Por Onde Andam os Waltons?

Elenco de “Os Waltons” (Foto CBS/Arquivo)

A série foi um dos clássicos dos anos de 1970. Retratando a vida de uma grande família, “A Família Walton”  foi criada por Earl Hammer Jr., que se inspirou nas histórias de sua própria família. Narrada sob o ponto de vista do filho mais velho, um jovem de 17 anos que sonhava em ser jornalista, a trama iniciou na década de 1930 chegando até a 2ª Guerra Mundial.

Em contraste com “Tudo em Família”, sitcom que explorou com sacarsmo os problemas da sociedade e das relações familiares, “A Família Walton” ressaltou a importância do amor e da união familiar para vencer os desafios da vida. Seu sucesso fez surgir outra série que explorou a mesma narrativa, “Os Pioneiros/Little House on the Prairie”, atualmente em exibição no canal TCM.

Situada na região rural do estado da Virgínia, a família vivia na montanha Walton, onde mantinham uma serraria. Aparentemente, tratava-se de uma família de posses mas, ambientada no período da Grande Depressão econômica americana, a situação financeira dos Waltons era precária.

A família era formada por John (Ralph Waite) e sua esposa Olivia (Michael Learned), que tinham sete filhos: John-Boy (Richard Thomas), Jason (Jon Walmsley), Mary Ellen (Judy Norton), Ben (Eric Scott), Erin (Mary Beth McDonough), Jim-Bob (David W. Harper) e Elizabeth (Kami Cotler). Na casa também viviam os avós Zeb (Will Greer) e Esther (Ellen Corby).

A série teve início com o filme, “Nove Irmãos/Spencer’s Mountain”, de 1963, dirigido por Delmer Davis, que por sua vez era uma adaptação do livro de Earl Hammer Jr. Estrelado por Henry Fonda e Maureen O’Hara, o filme apresentava a vida da família Spencer vivendo nas montanhas, onde passavam por problemas e dificuldades. O filme ganhou uma versão televisiva em 1971.

Exibido pela CBS “Venha Passar o Natal Conosco Papai/The Homecoming – A Christmas Story”, conta a história da família Walton, vivendo nas montanhas da Virgínia. Estrelada por Andrew Duggan e Patricia Neal, a produção serviu de piloto para a série. O filme contou com as presenças dos mesmos atores que interpretariam as crianças na série, além de Ellen Corby que deu vida à Esther Walton.

A audiência do filme levou a Lorimar Productions a convencer a CBS a dar continuidade às histórias da família Walton. A série foi produzida entre 1972 e 1981, apresentando situações que envolviam a família e os moradores da cidade mais próxima.

A série surgiu na esteira das produções de sitcoms rurais, que fizeram sucesso na década anterior, mas, ao contrário delas, “A Família Walton” fazia uma abordagem dramática, fugindo da caricatura. Explorando o período histórico, a série foi uma das primeiras produções dramáticas a centralizar suas histórias em torno de uma família, que não vivia no velho oeste.

Depois de nove temporadas, a série chegou ao fim em 1981. Mas entre 1982 e 1997, os atores voltariam a se reunir em seis telefilmes: “A Wedding on Waltons’ Mountain”, “Mother’s Day on Walton’s Mountain”, “A Day for Thanks on Walton’s Mountain”, “A Walton Thanksgiving Reunion”, “A Walton Wedding” e “A Walton Easter”.

Desde então, os atores que estrelaram a série seguiram cada um seus próprios caminhos. Alguns se mantém na profissão, outros se afastaram. Vamos dar uma olhada em por onde andam os atores que interpretaram os membros da família Walton. Lembrando que Will Geer faleceu durante a produção da série, em 1978, fato que foi incorporado na história, quando o vovô Zeb morreu. Já Ellen Corby (Esther) faleceu em 1999, aos 87 anos, vítima de derrame.

Ralph Waite - Atualmente com 82 anos, o ator se manteve na ativa ao longo dos anos, seja em telefilmes ou participações especiais em séries. Em 1983, estrelou a série de curta duração “The Mississippi”. Em 1996, foi semiregular no elenco de “Crime em 1º Grau”; entre 2003 e 2005, interpretou o Reverendo Balthus, na produção da HBO, “Carnivàle”. Entre 2009 e 2010, esteve na novela “Days of Our Lives”, e desde 2008 tem feito participações em “NCIS”, na qual interpreta o pai de Gibbs (Mark Harmon).

Nos últimos anos, o ator também foi visto em episódios de “Bones”, como o avô de Booth (David Boreanaz), “Grey’s Anatomy”, “Arquivo Morto/Cold Case” e “CSI”. Seu trabalho mais recente é o filme “25 Hill”, em fase de pós-produção.

Interessado em política, o ator concorreu duas vezes a uma cadeira no Congresso Americano. A primeira em 1990 e a segunda vez em 1998. Desde 1984 é casado com Linda East, sua terceira esposa, tornando-se padrasto do filho dela, o ator Liam Waite, que adotou seu sobrenome. O ator também teve três filhos, em seu primeiro casamento.

Na época em que atuava em “A Família Walton’, Waite era alcoólatra. A série teria provocado uma mudança no comportamento do ator, que largou a bebida. Posteriormente, trabalhou como voluntário do ABC Alcohol and Recovery Center em Indio, Califórnia, chegando a se tornar membro da diretoria e depois Presidente. Após quase 30 anos afastado da igreja, o ator se tornou Ministro na igreja Presbiteriana, em 2010.

Michael Learned - Apesar do nome masculino, trata-se de uma atriz, que atualmente está com 71 anos. Depois de “A Família Walton”, Learned estrelou mais três séries: “Nurses”, entre 1981 e 1982; “Hothouse”, 1988; e “Living Dolls”, em 1989. Recentemente, a atriz foi vista em participações especiais em episódios de “Law & Order: SVU”, “Arquivo Morto/Cold Case” e “Scrubs”, na qual interpretou a personagem Sra. Wilk em pelo menos oito episódios. Learned também esteve nas novelas “All My Children”, “One Life to Live” e “General Hospital”.

Learned também mantém sua carreira no teatro, onde nos últimos anos esteve no elenco de montagens como “Num Lago Dourado”, entre 2006 e 2007, e “Conduzindo Miss Daisy”, em 2008 e novamente em 2010, na montagem que é feita no Canadá.

Filha de um agente da CIA, que na década de 1950 viveu na Áustria passando-se como escritor, Learned planeja escrever um livro contando a história de seu pai. A atriz está em seu quarto casamento, sendo que teve três filhos de sua primeira união.

Richard Thomas – O intérprete de John-Boy está atualmente com 59 anos. O ator deixou o elenco da série em 1978 para seguir com sua carreira. Ao longo das décadas de 1980 e 1990, o ator dedicou-se a atuar em telefilmes e peças de teatro.

Entre 1997 e 1998, teve participações semiregulares em “Promised Land” e “O Toque de um Anjo”, nas quais interpretou o personagem Joe Greene. Entre 2002 e 2003, esteve no elenco da sére “Just Cause”. Recentemente foi visto em episódios de “Law & Order: SVU” e “Lei e Ordem”.

O  ator vem se dedicando mais aos trabalhos no teatro, onde iniciou sua carreira aos sete anos de idade. Em 2009 esteve em “Unusual Acts of Devotion”; em 2010 estrelou “Race”, ao lado de James Spader (Justiça Sem Limites). Seu telefilme mais recente é “Yesterday, Today and Tomorrow”, em fase de pós-produção.

O ator, que já é avô, está em seu segundo casamento, sendo que ele teve quatro filhos (incluindo trigêmeas) de sua primeira união, e um filho de sua segunda união.

Jon Walmsley - O intérprete de Jason está com 54 anos. Nascido na Inglaterra, Jon já tinha feito participações especiais em “Daniel Boone”, “Combate” e “Meus Três Filhos”, antes de entrar para o elenco de “A Família Walton”. Com o fim da série, Jon passou a se dedicar a sua carreira como músico.

Ele formou a banda “The Ravers“, conhecida por tocar sucessos britânicos da década de 1960 em eventos familiares, sociais e empresariais, incluindo shows na Disneylândia.

Apesar de ter se afastado da carreira de ator, ele esteve em todos os filmes que reuniram o elenco de “A Família Walton”. Também foi visto em um episódio de “Sétimo Céu”. Em 2010, esteve no telefilme “Elf Sparkle and the Special Red Dress”, para o qual também colaborou com a trilha sonora.

Em 1979, Jon se casou com a atriz Linda Harrison, que interpretou Toni, a namorada de seu personagem em “A Família Walton”. O casal teve um filho, mas acabou se divorciando em 2008. Dois meses depois, Jon se casou com sua atual esposa, Marion.

Judy Norton – A atriz que deu vida à personagem Mary-Ellen está com 52 anos. Judy se casou durante a produção da série, adotando o nome de Judy Norton-Taylor, mas desde seu divórcio, em 2001, ela deixou de usar o sobrenome Taylor.

Judy entrou para o elenco de “A Família Walton” quando tinha 13 anos de idade. Quando a série encerrou, ela tinha 23 anos e encontrou dificuldades em se desassociar da imagem de sua personagem.

Além de uma participação em um episódio de “O Barco do Amor”, os únicos trabalhos que Judy teve foram os telefilmes que reuniram os personagens/atores de “Os Waltons”. Tentando se livrar da imagem de ‘moça boazinha’, Judy posou nua para a revista Plaboy em agosto de 1985. O fato não ajudou sua carreira.

No final da década de 1990, Judy foi vista em participações em episódios de “Millennium”, “Stargate SG-1″, “Beggars & Choosers”, “Hollywood Off-Ramp”, e no episódio piloto de “Ed”, no qual interpretou uma juíza.

Durante o período em que foi casada com o ator Randy Apostle, Judy morou no Canadá, onde o casal foi proprietário de uma rede de restaurantes-teatro conhecida como “Celebrations and Jubilations”, no interior do país. Com isso, Judy dedicou-se mais ao trabalho teatral, atuando como atriz, autora, produtora e diretora.

Após seu divórcio, a atriz retornou para os EUA, passando a viver em Los Angeles, com seu segundo marido, Robert Graves, com quem tem um filho. Desde então, Judy vem atuando no teatro, incluindo musicais, como atriz e diretora.

Judy Norton pode ser encontrada em seu site oficial e em sua página no Facebook.

Eric Scott – O intérprete de Ben está com 52 anos. Antes de “A Família Walton”, Eric chegou a ter participações em episódios de “A Feiticeira” e “Centro Médico”. Depois, foi visto em “Duro na Queda”. Pouco depois do fim da série, ele deixou a carreira de ator. Mesmo assim, esteve em todos os filmes reunions.

Eric arranjou um emprego na empresa Chase Couriers, na qual começou a trabalhar como motorista na entrega de mercadorias. Ao longo dos anos, foi subindo na carreira, passando pela área de vendas e chegando a Vice Presidente de Marketing no início da década de 1990. Desde 2006, ele é o proprietário da empresa, situada em Sherman Oaks, Califórnia.

Eric está em seu terceiro casamento. Sua segunda esposa, com quem teve uma filha, faleceu vítima de leucemia, doença que ela teria desenvolvido durante a gravidez. Casado desde 2001 com Cynthia Wolfen, Eric teve mais dois filhos.

Mary Beth McDonough – A intérprete de Erin está com 49 anos. Desde o fim de “A Família Walton” Mary faz parte do circuito de participações especiais. Entre elas, as mais recentes estão “The West Wing”, “Will & Grace”, “Justiça Sem Limites/Boston Legal” e “The New Adventures of Old Christine”, na qual tem participações recorrentes como a Sra. Wilhoite. Mary também está no elenco do filme “Lake Effects”, com Fred Savage, Jane Seymour e Madeline Zima, que será lançado este ano nos cinemas.

Em 2007, a atriz tornou público ter sofrido durante anos de Lúpus, doença que ela atribuiu ter adquirido através de implantes de silicone nos seios, os quais já teriam sido removidos. A partir de então, ela se tornou ativista na conscientização de mulheres dos perigos atribuídos aos implantes de silicone.

Em 1988, casou-se com Rob Wickstrom, com quem teve uma filha, e de quem se divorciou em 1996. Desde então, passou a viver em Orange County, California. Em abril desse ano, Mary lançará sua autobiografia: “Lessons from the Mountain“. A atriz também pode ser encontrada em sua página no Facebook.

David W. Harper - O intérprete de Jim-Bob está com 49 anos. Com o fim da série, o ator ainda foi visto no filme “Fletch”, ao lado de Chevy Chase, e “3:15 – A Hora do Confronto”, além dos telefilmes reunions de “A Família Walton”.

David deixou a carreira ao longo da década de 1990, passando a se dedicar às artes. Segundo informações do New York Times, datada de 2008, o ator teria feito carreira como negociador de artes, em Los Angeles. Avesso a publicidade, poucas informações existem a seu respeito.

Kami Cotler - A intérprete de Elizabeth está com 45 anos.  Quando tinha sete anos, a atriz integrou o elenco de “Me and the Chimp”, série de curta duração produzida em 1971. Com o fim de “A Família Walton”, Kami formou-se em Ciências Sociais. Morando em Nelson County, na Virgínia, trabalhou como professora do pré-primário.

Em 2003, Kami, o marido e os dois filhos mudaram-se para Los Angeles, onde desde 2007 é diretora de uma escola. A atriz pode ser encontrada no Facebook.

______________

Fernanda Furquim: @Fer_Furquim

Abaixo, a abertura da série:

Ralph Waite Será o Avô de David Boreanaz

David Boreanaz “entra” para a família Walton! A revista TV Guide informa que o ator Ralph Waite foi contratado para interpretar o avô de Booth (David Boreanaz) na série “Bones”. O ator ficou famoso como John Walton na série “A Família Walton” da década de 70.

Com Michael Learned em “A Família Walton”

Em “Bones” Ralph será Hank Booth, oficial aposentado das Forças Armadas que recém deixou o hospital onde recuperou-se de uma cirurgia. Depois de discutir com todos os enfermeiros do hospital, Hank vai passar uns dias na casa do neto que ele ajudou a criar. Tentando recuperar a relação que eles tinham enquanto Booth crescia, Hank fará questão de acompanhar o neto em suas investigações. O ator faz participação no episódio “The Foot in the Foreclosure” que irá ao ar no dia 19 de novembro nos EUA.

Em “Cold Case”

Durante o episódio a revista TV Guide informa que serão reveladas as razões pelas quais o pai de Booth abandonou o filho aos 11 anos de idade. O personagem deverá surgir em um episódio futuro. Um ator não foi contratado ainda, mas David Boreanaz revelou que espera conseguir Dennis Franz, de “Nova York Contra o Crime”, para o papel.

Com Mark Harmon em “NCIS”

Recentemente fiz uma postagem sobre Ralph Waite em sua participação em “Grey´s Anatomy”, confira aqui. O ator está com um bom agente, pois tem feito várias participações especiais nos últimos anos. Esteve em “O Desafio/The Practice”, “Carnivàle”, “Cold Case”, “Cane”, “The Cleaner”, “CSI” e foi o pai de Mark Harmon em “NCIS”, entre outras.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados