Blogs e Colunistas

As 10 Melhores Séries de 2011

Chegou a hora de listar as produções seriadas que se destacaram ao longo do ano.

Ao contrário de 2010, foi difícil completar a lista das 10+ de 2011. Acredito que muitos irão concordar comigo quando digo que o ano foi muito fraco para a TV americana. Promessas não cumpridas e retornos abaixo das expectativas predominaram no mundo das séries.

As aparências foram mais importantes que o conteúdo. Diálogos didáticos ou excessivamente expositvos e abordagens que remontam à década de 1980 predominaram, bem como personagens, situações e propostas já vistas em outras produções foram reformuladas para dar cara nova às séries. As comédias retomaram o humor ingênuo, generalizando situações em torno de temas, alguns dos quais já exaustivamente explorados. Espero que as melhores estreias tenham sido agendadas para 2012.

Muitos poderão questionar as razões pelas quais não incluí suas séries favoritas na lista Top 10 de 2011. A resposta é simples: a lista é elaborada de acordo com a minha opinião do que é uma boa série de TV. Ela não é o resultado de um concurso de popularidade ou um apanhado geral das maiores audiências do ano. As produções foram selecionadas com base em suas propostas, bem como no desenvolvimento dos personagens e situações.

A lista inicia com as produções que, em minha opinião, se destacaram. No final da postagem encontram-se as séries que, embora não tenham entrado na lista das 10+, também são produções que valeram a pena assistir. Este ano começo a incluir na lista as minisséries, formato que faz parte do conteúdo deste blog, mas por falha minha não foram lembradas na postagem das melhores de 2010. Algumas produções ainda não chegaram ao Brasil, mas já estão disponíveis no mercado internacional.

Gostaria de lembrar que “Mad Men”, uma das melhores séries da atualidade, não consta da lista porque em 2011 não ofereceu episódios novos. Em função de uma disputa contratual, ela perdeu um ano em sua sequência de produção, retornando com sua 5ª temporada em 2012.

1. The Slap – Minissérie – Drama – Austrália

Esta é uma produção australiana com base no bestseller de Christos Tsiolkas, dividida em oito episódios. Durante um churrasco que reúne familiares e amigos, Harry, primo do dono da casa, dá um tapa no rosto de Hugo, uma criança de três anos que vinha se comportando mal sem ter sido repreendida pelos pais. Este é o ponto de partida para narrar a vida de oito personagens, que reagem cada um à sua maneira à atitude de Harry. Cada episódio é protagonizado por um dos personagens.

Trata-se de uma belíssima obra que retrata de forma delicada a trajetória de cada personagem sem tomar partido, seja em relação ao tapa ou ao estilo de vida de cada um. Ninguém está 100% certo ou errado. São pessoas que vivem de acordo com suas opiniões e seus desejos, independentemente da necessidade de se tornarem simpáticas diante dos olhos de terceiros.

As opiniões e atitudes de cada um se contrastam: o homem que é escravo da família (Hector) x o homem que escraviza a família (Harry); a mulher presa às responsabilidades (Aisha) x a mulher que foge de responsabilidades (Anuk); o pai que ‘perdeu a voz’ (Manolis) x a mãe que sempre se faz ouvir (Rose); a adolescente que busca o amor (Connie) x o jovem que esconde e sufoca seus sentimentos (Richie).

2. Forbrydelsen  - Drama  - Dinamarca

Esta é uma produção dinamarquesa que gerou a série americana conhecida como “The Killing”. Mas, como a maioria dos remakes, a versão americana está muito abaixo da qualidade do original. Embora a primeira temporada de “Forbrydelsen” tenha sido produzida em 2007, ela somente ficou disponível para o mercado internacional em 2011.

Em 20 episódios da primeira temporada, a história acompanha as investigações em torno do assassinato de uma jovem sob circunstâncias que levam a diferentes interpretações. A narrativa divide-se entre o trabalho da polícia, comandado por Sarah Lund, e a vida pessoal de cada personagem envolvido de alguma forma com o crime ou com as investigações.

Lentamente, e de forma simples, o cenário sentimental desta série vai se formando em torno dos fatos que são revelados a cada episódio. Emoção e razão convivem de forma equilibrada, sem muito melodrama ou protecionismo por parte dos roteiristas. Através de olhares, gestos ou diálogos rotineiros, tomamos conhecimento de relacionamentos complexos e com um longo histórico, os quais não são solucionados simplesmente porque a investigação, que predomina na trama, encerrou. Meu comentário sobre a temporada está aqui.

Na segunda temporada, a série traz 10 episódios que reduzem a abordagem do lado pessoal dos personagens, embora ainda esteja presente. O foco principal é a investigação em torno do assassinato de uma advogada.

3. Men of a Certain Age – Drama – Estados Unidos

Uma das minhas decepções é a tendência atual da TV a cabo de se aproximar da TV aberta. Quando começou a produzir na década de 1990, a TV a cabo veio com uma proposta de se tornar uma alternativa para as produções oferecidas pela rede aberta. Seu sucesso forçou a TV aberta a buscar programas mais complexos e com um desenvolvimento de personagens mais profundo, que pudessem competir com o que era oferecido no cabo.

Por cerca de 10 anos ela conseguiu se manter nesse caminho, oferecendo séries com temáticas voltadas para diferentes segmentos de público. Como resultado, produções com baixa audiência conseguiram sobreviver. Aos poucos, com algumas exceções, a TV a cabo vem mudando esse perfil. Ela começou a adotar como critério de produção a medição do nível de audiência que se tornou determinante na renovação de uma série. No entanto, não é o público que a TV a cabo formou que decide o futuro de um programa, mas aquele que dá audiência à rede aberta e que também se tornou alvo dos canais a cabo. Nada contra séries de puro entretenimento, com histórias leves e desenvolvimento controlado, desde que elas não predominem, em especial na TV a cabo.

Digo tudo isso porque “Men of a Certain Age”, que por incrível que pareça surgiu na TNT, um canal que vem adotando a cada ano que passa um perfil mais popular, foi cancelada por baixa audiência para dar lugar à nova versão de “Dallas”. Para os fãs, resta a ideia de que pelo menos tivemos a oportunidade de conhecer a série.

Esta é uma das mais belas produções dos últimos anos sobre a crise da meia idade. Com uma abordagem simples e intimista ela apresenta personagens que aos poucos vão se conscientizando da passagem do tempo e do rumo que suas vidas seguiram. A princípio, eles adotam uma postura derrotista mas, lentamente, cada um ao seu próprio tempo, começa a perceber que ainda dá tempo de criar um novo futuro. A segunda temporada traz uma espécie de despedida dos personagens, já que o último episódio conseguiu oferecer, de certa forma, uma definição das situações protagonizadas por eles.

4. Breaking Bad – Drama – Estados Unidos

Ao lado de “Mad Men”, esta série consegue manter a credibilidade do canal americano AMC, que em suas últimas estreias vem optando por uma linguagem mais popular e caricata. Renovada para sua última temporada, a série promete entrar para a história da televisão como mais uma produção que conseguiu manter sua qualidade e objetivos do começo ao fim.

A história tem início quando um pacato professor entra na vida do crime depois que descobre sofrer de câncer. A partir daí, inicia-se uma jornada que é uma verdadeira montanha-russa. Cheia de altos e baixos, Walter se arrisca constantemente, conseguindo ficar fora do alcance da polícia. Tentando manter o controle de sua vida e daqueles que o cercam, Walter descobre que isto nem sempre é possível.

Nesta quarta temporada ele, por algum tempo, perde esse controle. Sob o jugo de Gus, Walter é ‘aprisionado’. Mas como se domestica um redemoinho? Acreditando que ainda mantém o controle, Walter primeiro tenta manipular e depois mede forças com Gus. Sem resultados, ele entra no processo de ebulição que irá explodir no final.

Enquanto isso, a temporada destaca os demais personagens, como Gus e sua história, bem como sua tentativa de separar Walter e Jesse. Este sofre uma crise de identidade colocando em dúvida sua amizade e sua fé em Walter. Já Skyler revela ser perfeitamente capaz de cometer seus delitos em nome da sobrevivência. Imagino se no final o confronto será entre Walter e Hank ou se entre Walter e Skyler.

5. Him & Her - Dramédia/Comédia – Inglaterra

Esta é uma série inglesa que não cai fácil no gosto popular mas, para quem procura algo mais que bordões e caricaturas, “Him & Her” é uma boa opção.

A série é essencialmente uma peça de teatro. Presa a um único cenário, a história transcorre em um pequeno apartamento dividido em quatro cômodos: o hall de entrada, a cozinha, o quarto e o banheiro. Dependendo da posição em que está, a câmera consegue mostrar todos os cômodos de uma só vez. Em outros casos, a câmera abre, apresentando simultaneamente o que acontece em dois cômodos, com a tela dividida por uma parede. Em alguns episódios o cenário também inclui o corredor, que fica em frente ao apartamento onde os protagonistas vivem. Ao longo da série vemos episódios que retratam situações típicas da narrativa teatral, como a construção do imaginário do público através de relatos que os personagens fazem da vida lá fora, e o entra e sai de personagens em um único ambiente.

Com uma narrativa naturalista, a série traz uma abordagem que segue a linha perpetuada por Samuel Beckett no teatro, com personagens vivendo o nada mas revelando muito. Em “Him & Her” ninguém está à espera de Godot, nem tampouco da morte, embora a história também seja centrada em dois vagabundos que em sua rotina entediante demonstram não ter entusiasmo pela vida ou objetivos a serem alcançados. No elenco também está o casal formado por Laura e Paul, ela irmã de Becky, uma jovem dominadora e egocêntrica, ele um noivo submisso.

Por opção, o casal formado por Becky e Steve se sustenta com os benefícios do governo. Sem trabalhar, os dois passam o dia dentro do apartamento tentando fazer apenas o que gostam: transar, assistir DVD e jogar games. Eles saem pouco e quando isto ocorre é, geralmente, por obrigação. Em contrapartida, os familiares e amigos insistem em bater à porta do casal se intrometendo em sua vida, algo que ocorre com mais frequência na segunda temporada.

6.  Rev. – Dramédia/Comédia – Inglaterra

Esta é outra produção britânica que amadurece ao longo dos episódios. A história gira em torno de Adam, um Reverendo anglicano e sua relação com a paróquia, colegas de trabalho e sua esposa, que deseja engravidar. Inseguro, muitas vezes ingênuo, mas com uma grande vontade de ajudar o próximo, esse homem de Deus revela ser um ser humano como qualquer outro. Cheio de fraquezas, ele se vê confrontado por questões existenciais que se apresentam na rotina do dia a dia. Seu maior obstáculo é ele mesmo.

Tal como ocorre com outras produções da Inglaterra, “Rev.” tem a liberdade de explorar temas que nos EUA seriam considerados tabus, especialmente para a TV aberta. O principal deles é a religião, que ainda é evitada por diversas produções mundo afora. Na série são discutidas de forma simples, mas abertamente, situações como a estrutura política e administrativa da igreja anglicana, sua relação com as demais religiões, bem como com a sociedade.

A série também abrange temas como a solidariedade, a homossexualidade dentro da igreja, o culto às celebridades e à mídia, o uso de drogas e a dependência aos vícios, exorcismo, fé, burocracia, preconceito, a educação de jovens, e a pedofilia, que além de comentada também é vista de forma simbólica como na cena em que Adam, vestindo uma batina, persegue Enid no parque, que corre gritando como se estivesse sendo atacada.

 7. Treme – Drama – Inglaterra

Esta é uma produção que exemplifica o que a TV a cabo era quando surgiu. Voltada a um segmento de público específico, mantendo baixa audiência, a série da HBO consegue ser renovada para novas temporadas, sem sofrer pressão do canal para popularizar sua narrativa com o objetivo de atrair o interesse de um público maior.

A série traz uma história com conteúdo pessoal, significativo e atual: a cultura regional em contraste com a globalização cultural.

A segunda temporada desta série teve um único problema: as cenas dramáticas ficaram perdidas na quantidade exagerada de números musicais. Mas, ainda assim, conseguiu se manter fiel à sua proposta, desenvolvendo mais a fundo sua história e a complexidade de seus personagens, os quais começaram a se desprender de suas raízes e de seu passado para tentar reconstruir suas vidas.

Com isso, alguns se perdem no meio do caminho, abandonando suas crenças e dando as costas à sua cultura. Outros buscam alternativas para manter seu amor e sua fé na cultura de Nova Orleans e na importância que ela tem para a sociedade em que vivem.

8. Justified – Drama  - Estados Unidos

Esta é uma produção da qual não esperava gostar, embora seja fã de faroestes. Quando anunciaram a série como um faroeste moderno, torci o nariz. Logo concluí que seria apenas mais uma produção policial com narrativa procedimental estrelada por um agente federal que usa chapéu de cowboy. Nada disso. Embora esses elementos se façam presentes, a série traz uma belíssima construção de personagens que conduzem a história e não vice-versa.

Nesta segunda temporada, “Justified” trouxe uma das mais belas personagens que já vi nos últimos anos. Mags Bennett é uma espécie de Ma Parker. Uma mulher que, com a ajuda dos filhos, mantém um negócio de bebida clandestina. Mas ela é ambiciosa e ao longo dos episódios busca expandir seus negócios para outras áreas.

Esta temporada se aprofundou na história do condado e o valor afetivo que o lugar tem para os moradores que nasceram e cresceram na região. A trama também explorou a forma como os relacionamentos do passado determinam o comportamento no presente. Raylan passou por cima de seus princípios para ajudar Winona e, como inimigos cordiais, Mags e seus filhos mantiveram uma distância respeitável de Raylan e sua família, ao menos enquanto foi possível.

A atriz Margo Martindale rouba todas as cenas em que aparece, mas nem por isso o restante do elenco fica diminuído. Ao contrário, os atores que contracenaram com ela ganharam com sua presença. Juntos eles construíram cenas belíssimas, transformando a temporada em um prazer de se acompanhar, embora os personagens tenham sido melhor desenvolvidos que a trama proposta.

9. Boardwalk Empire - Drama – Estados Unidos

A série é situada na década de 1920, iniciando sua trama logo após a decretação da Lei Seca. Embora o foco principal seja o contrabando de bebidas, “Boardwalk Empire” é uma série sobre proibições e transgressões, as quais são vistas em diversos níveis. O contrabando e a luta pelo poder é apenas o ponto de partida e uma referência prática para contar a história de personagens que se envolvem em diferentes situações, as quais os obrigam a tomar decisões. Geralmente a resposta encontrada por eles é a de transgredir as leis, sejam as do homem ou as de Deus. A forma como realizam essas transgressões, ou tentam evitá-las, e a maneira como lidam com as consequências compõem a trama.

Ao longo da história alguns personagens, que tinham uma forma de vida clara e objetiva, começam a se perder; outros que estavam perdidos começam a se questionar e a buscar alternativas de vida. Mas, em todos os casos, cada um deles precisa romper com padrões enraizados, tomando decisões que, para o estilo de vida que seguiam, podem ser consideradas amorais ou proibitivas. Ninguém é inocente ou puro para ser poupado das transformações que sofrem ou de suas consequências.

A segunda temporada explorou mais a fundo o passado, a solidão e as motivações de personagens, alguns dos quais se despediram do público. A temporada encerra uma etapa da história, introduzida no início da série. Foi feita uma limpa entre os personagens, levando a história a sofrer uma reestrutura.

O mais importante é que Nucky deixou de ser apenas um personagem que reage às situações que se apresentam para assumir de fato sua posição como gângster. Ao eliminar o representante da chamada ‘geração perdida’, Nucky desceu do muro. Sua transgressão terá consequências, uma das quais poderá ser o surgimento de uma nova inimiga, talvez mais poderosa que o Comodoro: Gillian.

10. Homeland – Drama  - Estados Unidos

Acredito que ainda seja cedo para dizer se esta série chegou para ficar, mas em sua primeira temporada, “Homeland” conseguiu se estabelecer como uma das melhores estreias de 2011. A série é uma versão americana de uma produção israelense. Seguindo a linha de “24 Horas”, “Homeland” trabalha a questão do terrorismo.

Embora se mantenha no nível de um thriller de espionagem, tomando liberdades criativas para narrar sua história, a série consegue oferecer personagens e situações que os transformam em algo mais que simples protagonistas de uma ação.

O tema principal é a relação entre terrorismo e doença. A personagem central é Carrie. Diagnosticada como bipolar, ela é capaz de identificar padrões de comportamento. Poucos acreditam nela, o que a faz assumir uma postura neurótica e de stalker para provar suas teorias. Esta mulher, dependente de drogas prescritas, representa seu país, vendo em qualquer pessoa ou situação um terrorista em potencial. Desta forma, ela justifica suas ações, mesmo quando protagoniza um ataque pessoal à liberdade daqueles que estão sob suspeita.

Em segundo plano temos Brody, um fuzileiro resgatado do Afeganistão que teve sua mente abalada ao longo dos oito anos em que foi prisioneiro. Prefiro não comentar o  personagem para não passar spoilers, mas vale a pena dizer que ambos são, de alguma forma, constantemente traídos e pressionados a reagir, cada um à sua maneira, às situações que se apresentam diante deles.

A cada episódio é revelado um pouco mais sobre esse universo e seus personagens, terminando sempre com uma situação que leva o telespectador a querer saber o que vem depois.

Outras séries que valeram a pena conferir em 2011. A relação abaixo segue a ordem alfabética:

Comédia: 30 Rock, Curb Your Enthusiasm, Modern Family, Parks and Recreation.

Dramédia: The Big C, Bored to Death, Californication, Divã, Enlightened, Episodes, Friday Night Dinner, Louie, Shameless, Sirens, Secret Diary of a Call Girl, Twenty Twelve, Weeds.

Drama: Boss, Case Sensitive, The Closer, Friday Night Lights, The Good Wife, Sons of Anarchy.

Ficção/Fantasia: Doctor Who, Fringe, Game of Thrones.

Minisséries: Black Mirror, The Crimson Petal and the White, The Shadow Line, The Sinking of Laconia, Women in Love, The Yard.
__________

Por Fernanda Furquim: @fer_furquim
__________

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

154 Comentários

  • Danilo

    -

    1/6/2012 às 17:18

    Concordo com meus colegas viciados em séries e discordo da autora do artigo.
    Onde estão as series de repercussão mundial? De sucesso estrondoso? Essas ai em cima? Duvido.

    Resposta – Creio que a lista que você está procurando seja esta: As 10 séries de maior audiência da Temporada 2011-2012 ( http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/televisao/as-10-series-de-maior-audiencia-da-temporada-2011-2012/ ). Abs.

  • Alexandre

    -

    8/6/2012 às 21:28

    Oloco fia só série de drama ? Drama já chega a vida da gente !!

  • Danilo

    -

    9/6/2012 às 2:05

    Essa lista é uma verdadeira piada! kkkkkkkkkkk

  • angela

    -

    10/6/2012 às 17:38

    ese top 10 ai ficou um lixo
    PARA MIM AS MELHORES SERIES SÃO
    ICARLY HANNA MONTANA,DRAKE E DROSH,…ETC

  • Jean

    -

    11/6/2012 às 9:48

    Cade The Walking Dead? TWD deveria ser o primeiro colocado

  • giovani

    -

    11/6/2012 às 20:44

    cade o supernatural

  • Gusttavo

    -

    11/6/2012 às 21:59

    Ugly Betty ?

  • felipe bispo de paiva

    -

    13/6/2012 às 2:52

    Acho que uma das melhores séries, e acredito que teria lugar nessa lista fácil é The mentalist.

  • Morgan

    -

    15/6/2012 às 11:03

    Eu até entendi a parte de que qualquer lista é uma opnião pessoal. Achei sua lista horrível, inclusive de uma pessoa meio sem sal. Mas o que mais me deixou extremamente irritado foi você com esta lista medíocre vir falar que Dexter está desgastada, você é muito fraca, qualquer blogueiro anônimo consegue fazer uma lista melhor que esta.

    Resposta – Dexter é uma série que vem seguindo até agora uma fórmula, a qual já se desgastou. Mas como ela irá encerrar sua produção, a expectativa é a de que ela ofereça um final diferenciado da estrutura que vem seguindo. Quanto à sua opinião sobre a lista, eu poderia facilmente agradar a maioria listando apenas as séries mais populares, como muitos blogueiros anônimos fazem, conquistando assim a simpatia de um grande público. Mas aí eu não estaria sendo honesta. Quanto a você achar que a lista é sem sal ou medíocre, lamento saber disso, espero que um dia, no futuro, você dê uma segunda chance a essas produções que primam por sua qualidade. Abs.

  • Hugo

    -

    17/6/2012 às 23:52

    Pessoalzinho “cabeça”, a lista acima está repleta de produções artísticas e não de conteúdo popular. O título “as 10 melhores…” faz menção das qualidades inerentes de uma série: como a filmagem, o texto, atuação, transição e outros tantos recursos. E sob esse ponto de vista essas produções merecem destaques em listas como melhores séries de 2011, porém não são as mais populares

  • joao boava

    -

    21/6/2012 às 23:31

    Cadee o The walking dead na Lista

  • Enzo

    -

    23/6/2012 às 21:59

    Cadê Desperate Housewives na lista ?

  • Frederik

    -

    28/6/2012 às 12:23

    Nossa Chuck é a melhor série de todos os tempos, que lista mais lixo #Chuckever

  • Reinaldo

    -

    30/6/2012 às 1:23

    Cade Sobrenatural é Uma das Melhores Series de Todos os Tempos!!!!!

  • Paola

    -

    2/7/2012 às 19:41

    Está faltando “Touch”!!!

  • Andréa

    -

    11/7/2012 às 13:35

    Parabéns pela lista. Ao contrário do que está em muitos coments, fiquei bem contente de encontrar uma lista em que não há apenas as obviedades, era exatamente o que estava procurando. E quanto gente grossa comentando, espero que isso não seja um sofrimento pra vc. Valeu.

    Resposta – Muito obrigada Andréa! Abs.

  • Gabriel

    -

    17/7/2012 às 22:27

    Tua lista não é de todo mal como os fanboys abaixo estão dizendo.
    Creio que GOT, Weeds, californication e suits mereciam lugar nela. Ou alguma dessas acima.
    No mais, Breaking Bad é demais. A única da lista que eu acompanho fielmente.
    Boa sorte com os comentários. ehehe

  • Gabriel

    -

    17/7/2012 às 22:28

    e White collar também vale a pena ser vista!

  • Matheus

    -

    18/7/2012 às 18:31

    n gostei do rancking porque o Glee não esta ali, simplesmente uma injutiça o Glee e a melhor serie que ouve me 10 anos muito injusto mesmo

  • jefferson

    -

    3/8/2012 às 4:53

    ta podre isso ai não vim dizer que the walking dead deveria estar em 1° na lista! o fato é que ele não podia faltar na minha opinião é a melhor de todas

  • MacH

    -

    5/8/2012 às 4:07

    kd “mortal kombat legacy” ?
    era para tar em primeiro lugar!!!!

  • Petronio

    -

    12/8/2012 às 19:57

    ta + pra top 10 de drama –’

  • Ricardo

    -

    14/8/2012 às 5:53

    A vida dessa mulher deve ser um drama.

  • Felipe

    -

    14/8/2012 às 6:14

    Bom, como gosto é uma questão muito pessoal, é claro que ao se expressar uma opinião sobre determinado assunto, sempre haverá um grupo que discorda da mesma. Eu não vou citar seriados por aqui, até porque eu não estava em busca dos seriados “mais assistidos”, mas sim de seriados novos para assistir. Agora, uma coisa é inquestionável. Houve uma clara tentativa de atrair muita atenção com esse título. Como trata-se de uma colunista, é claro que não poderia esperar nada diferente disso. Só estou comentando, pois realmente fiquei descontente em perder meu tempo lendo essa, bem… coisa. Eu acho que seria mais conivente aderir ao título “As 10 melhores séries de Drama de 2011″. Nem tudo precisa ser dramático para ter uma abordagem artística e definitivamente não precisa ser artístico, para ser digno de atenção. De drama já basta a nossa vida, como algumas pessoas falaram abaixo. Gosto de drama? Claro! Mas aqui entra aquela questão fundamental: “tudo em exagero faz mal!”.

    Resposta – Existem duas comédias nesta lista. Abs.

  • michel

    -

    31/8/2012 às 15:15

    kkkkkk… verdade,isso é top 10 de drama.

  • ROGER

    -

    5/9/2012 às 13:49

    Boa Tarde! Achei essa lista muito pessoal. Eu acho que você poderia fazer uma enquete entre os leitores e colocar as 10 mais votadas.
    Eu não vou criticar sua lista, até porque gosto é subjetivo, eu mesmo não gosto de nenhuma das séries listadas acima.

    Resposta – Agradeço a sugestão Roger, mas no momento não estou trabalhando com enquetes. Como disse anteriormente (confira a introdução), esta postagem é pessoal (como ocorre com qualquer lista que você encontrar pelo caminho). Abs.

  • monica

    -

    30/9/2012 às 12:43

    pra mim ta faltando dr. house nessa lista , sem sombra de duvida uma serie q merece destaque!!

  • André

    -

    2/10/2012 às 17:38

    Faltou the walking dead? Nesta lista

  • Junior

    -

    5/10/2012 às 20:21

    Gostei bastante da lista, séries com conteúdo estão cada dia mais fracas, mas essas da lista são realmente muito boas, como vc mesmo coloca no começo do post, é um gosto pessoal, mas é bem parecido com o meu, logo se vê que vc tem muito bom gosto. Vou citar algumas séries que tb gosto ok..aleatoriamente
    Downton Abbey
    Game of Thrones
    The Killing
    The Closer (minha favorita)
    The Good Wife
    The Walking dead (embora a segunda temporada tenha deixado a desejar)
    The Big C
    Mildred Pierce
    Homeland
    Modern Family
    Fringe ( embora a qualidade tenha despencado durante as temporadas)
    Law and Order SUV ( é praticamente sempre a mesma coisa mas..eu adoro)
    Parks and Recreation…

    é tanta série que fica difícil colocar todas, e ainda tem aquelas que nem são tão boas..mas agente acaba assistindo…

  • Godinho

    -

    6/10/2012 às 2:16

    Ótima lista. Não sabia que The Killing era remake, vou assistir o original. E vou experimentar The Slap.
    Sobre os comentários, tem gente com péssima educação. Não gostou da lista, procure outro colunista. Quer algo exatamente igual ao seu gosto, então você não precisa de um colunista. Vai no IMDB, procura as séries que você gosta e veja o que o site lhe oferece.
    Mesmo eu tendo gostado dessa lista, é óbvio que a minha seria bem diferente. E daí? Vocês estão procurando um clone?
    Excelente trabalho, Furquim. Não que você precise da minha aprovação, claro. Abraços!

  • Pedro Mendes

    -

    10/10/2012 às 15:35

    Uma lista sem The Walking Dead e Supernatural mostra a decadência desta lista cheia de séries sem qualquer história

  • thais

    -

    3/11/2012 às 19:42

    Nao que nao gostei da lista mais nao conheço a maior parte dela. So acho que se for opniao pessoal colca entao numa rede social ex: face, tw,okt.
    Mais a minha lista e diferente se e.um lugar de opniao vou dar a minha….
    1° supernatural
    2° the vampire diaries
    3° game of trones
    4° prison breck
    5° the walking dead
    Entre outras.
    Minha opniao quem nao gostou fazer oque democracia ne.. Quem gostou valeu diria um bom gosto…
    Bjs thais :)

  • Genilson

    -

    11/11/2012 às 18:49

    Sou expert em seriados e posso afirma que Prison Break foi e sempre será a série mais emocionante e eletrizante de todos os tempos. Via ser difícil superar Prison Break.

    Seriados de 2011 que vale a pena assistir:

    The Walking Dead
    Supernatural
    Fringe
    apartamento 23
    Two And a Half Men

  • vitor

    -

    14/11/2012 às 20:27

    que lixo !!! tudo m***

  • FK

    -

    19/12/2012 às 8:19

    uai…cadê o the walking dead…melhor série de drama/ficção da história…isso é preconceito com quadrinhos…kkk

  • Markus_x4

    -

    21/12/2012 às 15:15

    O.O ,,Não consigo imaginar uma lista de top series, sem
    Sons Of Anarhcy – Dexter – Prision Break , The Walking Dead , Breaking Bad.
    São as melhores ao meu ver, até o memento é claro.

    Até hoje não vi serie melhor,melhor enredo etc.. do que Sons.

  • Fellipe

    -

    21/12/2012 às 15:29

    Fala serio! Essa lista não tá com nada.
    As melhores series da história são:
    -Sobrenatural
    -True Blood
    -The walking Dead
    Para ser franco não me lembro de ter visto nenhuma que fora citada na lista…

  • Debora

    -

    3/1/2013 às 0:05

    Nossa…so tem series dramaticas na sua lista…va colocar um pouco de humor e açucar na sua vida…

  • Drika

    -

    3/1/2013 às 2:15

    Me interessei pela lista justamente pelo objetivo pelo qual foi elaborada!!! Sabe-se bem que popularidade e qualidade nem sempre são companheiras quando tratamos de muitíssimas coisas (como músicas, filmes etc.), inclusive das séries. A lista está ótima, e desperta o interesse de quem está procurando novas opções e sabores mais refinados. Ótimas resenhas, exaltam a minha curiosidade e interesse! Abraço! =)

  • Heitor

    -

    3/1/2013 às 20:55

    Homeland sem dúvida foi a melhor série do ano, não tem como não viciar, a trama é mto bem feita, suspense e drama de primeira categoria…

  • cler

    -

    17/1/2013 às 0:01

    esse cara realmente gosta de dramas hein

  • Emy

    -

    9/2/2013 às 14:35

    eu gosto de vaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa…rias series de tv mas sem duvida a minha preferida é THE VAMPIRE DIARIES.
    até!

  • Fernanda

    -

    12/2/2013 às 19:29

    Legal essa lista justamente por me apresentar séries que eu ainda não tinha pensado em assistir. Vou dar uma chance pra maioria dos títulos. O primeiro será Mad Men, pq parece ser ótimo. The Walking Dead, Dexter, Game of Thrones, The Big Bang Theory, The Mentalist, Monk etc, são ótimos sim, mas uma hora vc cansa desse tipo de produção e procura algo diferente, pelo simples fato de serem diferentes(e ainda assim boas produções). Obrigada pela lista!

  • vitoria

    -

    14/2/2013 às 11:19

    Amo the vampire diaries…. Só

  • Daniel

    -

    4/4/2013 às 10:57

    Difícil demais entender uma lista que não tenha prision brake, the walking dead… Heroes que eu achava bem legal pena que pararam antes do fim…

  • Rogerio San

    -

    18/5/2013 às 15:52

    Essas séries sim são séries de qualidade. O resto é porcaria comercial! AMC tem as melhores e mais bem produzidas séries da TV fechada atual.

  • anne karoline

    -

    27/8/2013 às 22:15

    olha me desculpem eu não quero criticar ninguém más,essa lista foi a pior que eu já vi em toda a minha vida,para começar cadê a clássica mais assistida e famosa do mundo “sobrenatural” já começou ruim quando eu não vi ela nem na lista e nem em primeiro lugar sinceramente top de séries boas sem sobrenatural digamos “que horror” bom a minha lista é assim em 1 meu amore “sobrenatural”,2 “as visões da raven”,3 “todo mundo odeia o chris”,4 “chaves” essas são as que eu mais gosto mais a primeira acham que todos já perceberam que é meu xodó sempre e sempre sobrenatural melhor de todasssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

  • revenger

    -

    14/6/2014 às 20:49

    olha eu realmente acho que voc deveria ter incluido a serie revenge que pramim e a melhor que ja vi,e tambem a serie revenge teve mais audiencia que lost,sendo produzida ate hoj,naminha opniao revenge deveria estar entre as 3 primeiras…so achoo

  • geovane

    -

    28/6/2014 às 3:58

    tb acho que revenge devia estar entre as 3 primeiras e a melhor serie que eu já vi .

  • Martin

    -

    16/7/2014 às 2:20

    Na minha opinião deveria ter Supernatural, Prison Break, The Walking Dead, The Big Bang theory, e Dois Homens e meio, depois da saída do Charlie e Jackie ñ prestou ms ficou muito absurda,e para quem é detalhista e gosta de ficar criticando enquanto assisti Supernatural e Prison Break n recomendo, e tem gente q nunca assistiu nenhuma das 10 e fica criticando.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados