Blogs e Colunistas

PSDB

28/10/2014

às 16:16 \ Opinião

Oliver: ‘A régua’

VLADY OLIVER

Apesar de não acreditar num movimento orquestrado para fraudar as urnas nesta eleição, acredito sim em fraudes pontuais espalhadas por todos os rincões deste Brasil varonil. Todas contra Aécio. É o tal “efeito militância”, que saiu às ruas e invadiu as redes sociais com uma virulência e uma indecência até hoje inéditas para o cidadão comum ainda acostumado com a democracia. Ganhar no grito tem seu preço. Neste episódio insano, acho importante ressaltar mais uma vez o papel de nossas oposicinhas.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

13/10/2014

às 20:22 \ História em Imagens

Na resposta de estadista à carta de apoio da família Campos, Aécio aproveitou para ensinar como deve ser tratado o idioma que Lula e Dilma torturam há 12 anos

 

27/07/2014

às 14:19 \ Vídeos: Entrevista

Fernando Henrique Cardoso: ‘Povo espera do governo qualidade de vida’

Publicado no Estadão deste domingo

FHC

ALEXA SALOMÃO, GABRIEL MANZANO, RICARDO GRINBAUM

Seja quem for o presidente eleito em outubro, seu principal desafio será converter a ação do Estado em qualidade de vida para a população, um desejo crescente que se reflete na cobrança por serviços públicos mais eficientes. Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, melhorar o funcionamento da máquina pública foi a chave para o Plano Real no combate à inflação, 20 anos atrás, mas o tema ainda é um ponto preocupante.

“O que importa hoje não é o ‘quantos por cento’ de inflação temos”, diz FHC. “O que assusta agora é perceber que os fundamentos não estão funcionando tão bem quanto deveriam. O conjunto da obra está bamboleante.”

Fernando Henrique vê o País “pagando o preço” pela falta da reforma política, que ele próprio reconhece como uma frustração. Para sair dela, afirma, é preciso um entendimento entre PT, PSDB e PMDB, mas há um empecilho: as incessantes “pedradas” entre tucanos e petistas. “Lula é hegemônico, quer tomar conta de tudo, esmagar o adversário”, diz. “Não há como fazer acordo.”

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

24/07/2014

às 13:45 \ Opinião

‘Estabilidade enganosa’, por Merval Pereira

Publicado no Globo desta quarta-feira

MERVAL PEREIRA

A boa notícia para a presidente Dilma que a pesquisa do Ibope Inteligência, feita a pedido da TV Globo e do Jornal O Estado de S. Paulo, traz é a estabilidade da corrida presidencial, embora sua tendência de queda tenha sido registrada, assim como o crescimento da candidatura oposicionista de Aécio Neves, ambas dentro da margem de erro.

Os indícios de que o futuro não guarda boas notícias para a incumbente estão, porém, registrados na pesquisa, assim como o noticiário econômico reforça a idéia de que ela não tem boas notícias daqui até a eleição. O fato de o próprio governo já estar admitindo uma inflação mais alta, próxima do teto da meta de 6,5% no ano, e o crescimento mais baixo, de 1,9%, já indica que dificilmente a situação econômica ajudará o projeto de reeleição.

A perspectiva de que entremos em uma recessão técnica, com dois trimestres negativos, é uma realidade que o governo terá que enfrentar. Esses dados têm como conseqüência a má avaliação do governo Dilma, com apenas 31% dos eleitores considerando-o bom ou ótimo, quando as pesquisas mostram que dificilmente um candidato à reeleição consegue êxito se tem avaliação de ótimo e bom abaixo de 35%.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

15/07/2014

às 16:01 \ Opinião

‘Montoro, pedagogo da política’, de Marco Antonio Villa

Publicado no Estadão desta terça-feira

MARCO ANTONIO VILLA

Amanhã, dia 16 de julho, completam-se 15 anos do falecimento de André Franco Montoro. Ele percorreu um caminho raro entre os políticos brasileiros: foi vereador, deputado estadual, deputado federal, senador, governador e ministro de Estado. Contudo nunca afastou o exercício da função pública da elaboração de ideias que tivessem aplicação prática na vida das pessoas. O fortalecimento da sociedade civil sempre foi uma preocupação central da sua ação, isso num país onde o papel do Estado foi superdimensionado, tanto pela direita como pela esquerda.

Montoro teve na democracia cristã do pós-guerra a sua matriz ideológica. E com base nesse pensamento agiu como um pedagogo da política, escrevendo, debatendo e formando militantes. Por onde passou foi deixando a sua marca. Nos dez meses em que esteve à frente do Ministério do Trabalho, durante o Gabinete Tancredo Neves, foi pioneiro no incentivo à sindicalização rural – tema, à época, explosivo – e criou o salário-família.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

02/07/2014

às 14:25 \ Opinião

‘Plano B’, de Merval Pereira

Publicado no Globo desta quarta-feira

MERVAL PEREIRA

A candidatura de Paulo Skaf a governador de São Paulo corre o risco de perder a singularidade de representar uma terceira via entre PT e PSDB. Não vimos, por enquanto, o próprio candidato assumir a ligação que o PT está querendo forçar, e para que mantenha o viço que o levou a ter 20% da preferência do eleitorado ele terá que esclarecer essa questão o mais rápido possível.

Tudo indica que a melhor postura para ele é a de manter-se na oposição aos dois partidos hegemônicos, se apresentando como uma novidade na política paulista. A pior coisa que poderia acontecer a Skaf seria ficar marcado como um candidato do grupo petista, que quer acolhê-lo na certeza de que a candidatura de Alexandre Padilha não caiu no gosto do eleitorado paulista.

» Clique para continuar lendo

24/06/2014

às 0:37 \ Sanatório Geral

Coerência & patriotismo

“Depois da suruba, o que se vê agora é o bacanal eleitoral, e o Rio não pode ser vítima dele”.

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, criticando as alianças partidárias que prejudicam Dilma Rousseff com a autoridade moral de quem já foi filiado ao PFL, ao PSDB e ao PMDB, onde ficou de joelhos para candidatar-se com o apoio de Lula, que acusou de corrupto quando fez parte da bancada tucana na CPI do Mensalão.

15/06/2014

às 11:36 \ Opinião

‘Copa comprada, apito amigo’, onze notas de Carlos Brickmann

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

CARLOS BRICKMANN

Só há uma coisa mais aborrecida do que aquela abertura chinfrim da Copa: discutir o futebol a partir de posições partidárias. Eta, gente chata! E deslocada: em geral, não sabe quem é a bola e acha que impedimento é depor o Collor. A última discussão imbecil é a da compra da Copa: como muita gente acha que o pênalti em Fred não foi pênalti (este colunista, em minoria, acha que foi), surgiu a lenda de que a Copa foi comprada para reeleger Dilma. Coisa de quem não entende de política: o Brasil perdeu a Copa de 98 e Fernando Henrique se reelegeu, o Brasil ganhou 2002 e o candidato de Fernando Henrique perdeu. E não entende de futebol: se esta Copa é comprada, e as outras? Digamos, a de 86, com o gol de mão de Maradona contra a Inglaterra — e a Argentina bicampeã do mundo?

Como a de 1962, vencida pela indiscutível Seleção de Gilmar, Djalma Santos e Mauro; Zito, Zózimo e Nílton Santos; Garrincha, Didi, Vavá, Pelé (Amarildo) e Zagalo. Contra a Espanha (sem Pelé, com distensão muscular), o Brasil perdia por 1×0, gol de Rodríguez. O ponta-direita Collar foi derrubado na área por Nílton Santos — que, malandro, saiu da área. O juiz chileno Sérgio Bustamante deu falta, não pênalti. Na cobrança, Puskas marcou de bicicleta. O juiz anulou, por jogo perigoso. O Brasil virou o jogo com dois gols de Amarildo, substituto de Pelé. Na semifinal, Garrincha, o maior jogador da Copa, foi expulso. Seria suspenso — mas o juiz uruguaio Esteban Marino sumiu sem apresentar seu relatório. Garrincha pôde jogar contra os tchecos. Brasil, 3×1, bicampeão do mundo.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

21/05/2014

às 8:21 \ Opinião

‘São dois pra lá, dois pra cá’, oito notas de Carlos Brickmann

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

CARLOS BRICKMANN

A Justiça, diz a antiga sabedoria, precisa ter os olhos vendados, como a representa sua estátua. Deve aplicar a Lei, do jeito que a Lei é, não importa a quem. Mas ter os olhos vendados não a obriga a cambalear, a ir e vir, a escorregar, quase cair. Empunhar a balança da Lei não significa balançar nas decisões.

Doze pessoas foram presas por ordem do juiz Sérgio Moro na Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. O ministro Teori Zavascki determinou a libertação de todos e a suspensão de oito inquéritos, porque três envolvidos no caso (nenhum deles preso) são deputados federais e devem ser julgados pelo Supremo. No dia seguinte, o ministro reconsiderou a decisão: foi solto apenas um dos presos, Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras. Os outros onze continuam presos. No vai-vem das decisões, talvez tudo tenha mudado no momento em que o caro leitor puder ler essas linhas. Talvez nem tudo tenha mudado; ou não.

O que se discute é se, como no caso do Mensalão, todos os réus de um caso, se algum deles tiver foro privilegiado. devem ser julgados pelo Supremo; ou se, como no Mensalão mineiro do PSDB, fique no Supremo quem tiver foro privilegiado, e sejam julgados em primeira instância os demais envolvidos. No caso do cartel do Metrô e dos trens metropolitanos em São Paulo, devem ser julgados pelo Supremo três deputados federais do PSDB; para os demais envolvidos, o julgamento começa no juiz de primeira instância, com os apelos previstos na lei.

Qual a diferença entre os diversos casos, exceto o partido dos acusados?

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

29/03/2014

às 0:03 \ Sanatório Geral

Dono do Supremo

“Não vai dar em nada. O PSDB tem grande influência no Judiciário de instâncias inferiores em Minas”.

Devanir Ribeiro, deputado federal pelo PT de São Paulo, sobre a decisão do STF de devolver o processo de Eduardo Azeredo à primeira instância, explicando que o partido a que pertence só é majoritário na Suprema Corte.

 

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados