Clique e assine a partir de 9,90/mês

Uber, Cabify, 99 e Easy se unem em críticas às regras de Doria

Uber, 99 e Cabify concordam que limitação de motoristas que podem trabalhar em São Paulo, por conta da placa do carro, é prejudicial

Por Da redação - Atualizado em 13 jul 2017, 10h39 - Publicado em 12 jul 2017, 16h28

Rivais no mercado, Uber, 99, Easy e Cabify se uniram nas críticas às novas regras de transporte de passageiros por aplicativo da Prefeitura de São Paulo. Para as empresas, a regulamentação engessa a atividade e cria empecilhos para os motoristas que operam o serviço.

O ponto mais criticado pelos aplicativos e motoristas é a exigência de que os carros usados na atividade tenham placa de São Paulo. O serviço atrai muitos veículos emplacados em cidades vizinhas.

Segundo a Cabify, a exigência irá prejudicar muitos motoristas. “Ignorar essa realidade causará grande impacto, pois grande parte dos motoristas é de cidades limítrofes como Osasco, Guarulhos e grande ABC. Eles serão extremamente prejudicados, pois ao trazerem passageiros de suas cidades, serão obrigados a retornar vazios.”

Para a 99, a exigência “cria uma ilha de isolamento ao redor da cidade de São Paulo e uma percepção de exclusão que contraria a própria história de desenvolvimento da cidade, feita de migrantes e imigrantes”.

Continua após a publicidade

A Cabify diz que “a mudança do emplacamento não traz nenhum benefício para a melhoria de mobilidade da cidade”.

A Uber diz que há um entendimento no próprio Tribunal de Justiça de São Paulo de que a restrição ao emplacamento é inconstitucional. “A resolução cria uma série de redundâncias que cumprem o único propósito de trazer ineficiências a um sistema eficiente”.

A Easy afirmou que é favorável a construção de uma regulamentação pautada na igualdade para os segmentos de táxi e carros particulares, mas as novas normas da prefeitura são ‘obsoletas’. “É preciso criar uma política de transporte intermunicipal que condiz com a demanda da população, reduzindo as ineficiências existentes no modelo atual e proposta na nova resolução”.

Resolução publicada hoje no feira no Diário Oficial da Cidade de São Paulo estabelece novos parâmetros para a atividade, que vão desde o guarda-roupa até cursos para condução do veículo.

Continua após a publicidade

Os aplicativos terão um prazo 180 dias para adequar seus motoristas à nova regulamentação. Entre as principais mudanças, chamam atenção a proibição de certas peças de roupa, como camisetas regatas, jaquetas de times e calças de moletom.

Outro ponto da decisão obriga os motoristas a passar pelo Curso de Treinamento de Condutores, há um prazo de 30 dias para que os atuais trabalhadores se encaixem na regra. O curso tem um total de 16 horas-aula, sendo 12 horas de curso à distância.

Publicidade