Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tombini reafirma compromisso com inflação baixa

O presidente do Banco Central destacou a diretriz da política econômica é assegurar a inflação baixa no médio e no longo prazo

Por Da Redação
3 jun 2011, 12h33

Para Tombini, o endividamento público em relação ao PIB deve continuar em queda

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, reafirmou nesta sexta-feira, no Congresso Brasileiro do Aço, em São Paulo, que “a inflação baixa é um compromisso do governo Dilma Rousseff e constantemente reafirmado pelas suas ações”. Tombini destacou também que “há uma ampla coordenação da polícia econômica para assegurar a inflação baixa no médio e longo prazo”.

Segundo ele, a principal contribuição do Banco Central (BC) para assegurar o desenvolvimento é garantir a inflação baixa. “A política macroeconômica tem sido o principal fator que explica o excelente momento que o Brasil vive”, disse. Tombini ressaltou que a sociedade brasileira demanda inflação baixa e que “o BC trabalha para que a inflação seja baixa”. “Não há exemplo de países que apresentam crescimento sustentado sem inflação sob controle”, destacou.

Perspectivas – O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou ainda que a ampliação da infraestrutura é condição fundamental para a manutenção do crescimento sustentável do País nos próximos anos. O presidente do BC ressaltou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) busca estimular a eficiência produtiva de diversos setores da economia.

Durante apresentação no Congresso Brasileiro do Aço, em São Paulo, Tombini disse que o governo e a iniciativa privada podem trabalhar mais para ampliar a Formação Bruta do Capital Fixo (FBCF) – os investimentos – no País, para ampliar a geração de empregos, o que vai colaborar para aumentar a renda da população.

Continua após a publicidade

Tombini salientou que as perspectivas para o Brasil nos próximos anos são “excelentes”, “com inflação na meta e expansão da economia”. Ele afirmou que isso deve ocorrer com a constante melhoria do bem estar da população. “O índice de Gini tem o menor nível dos últimos 30 anos”, completou Tombini, referindo-se à medida de desigualdade social da população.

Para Tombini, o endividamento público em relação ao PIB deve continuar em queda, o País já possui o grau de investimento e a classificação de risco de crédito deve ficar ainda mais positiva. Tombini observou que a concessão de crédito deve continuar crescendo em bases favoráveis. “O mercado de crédito é dinâmico e deve continuar crescendo com segurança e sustentabilidade”. Tombini disse ainda que o País tem grande potencial de expansão no mercado global de commodities.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.