Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Setor de serviços tem o segundo pior resultado da série histórica

Segundo IBGE, receita do segmento cresceu apenas 1,1% em maio em relação ao mesmo mês do ano passado

Por Da Redação
16 jul 2015, 10h02

Acostumado a ostentar avanços de pelo menos 4% nos últimos anos, o setor de serviços, que responde por mais de 60% do PIB, tem amargado os piores resultados da história em 2015. Em maio, o segmento cresceu apenas 1,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Este é o segundo menor desempenho verificado na série histórica iniciada em 2012, ficando na frente apenas de fevereiro deste ano, que teve acréscimo de 0,9%. Em abril, a alta foi de 1,7%.

No acumulado dos últimos doze meses, o crescimento foi de 3,8% – o pior resultado verificado em toda a série histórica. No acumulado do ano até 2015, a alta foi de 2,3%.

Das cinco atividades pesquisadas, as que tiveram queda nas receitas foram a de serviços prestados às famílias, que envolve hotéis e restaurantes, com queda de 1,4%; e a de serviços de informação e comunicação, com baixa de 0,8%. Na outra ponta, serviços de transportes, serviços profissionais e administrativos e outros serviços apresentaram altas de 0,8%, 5,5% e 0,3%, respectivamente.

A queda no rendimento das famílias e as incertezas quanto aos rumos da economia do país têm impactado diretamente o setor. Mais propensos a segurar os gastos em um momento de inflação e juros elevados, os brasileiros têm cortado justamente as despesas que não são consideradas essenciais para o seu dia-a-dia.

O coordenador de Serviços e Comércio do IBGE, Roberto Saldanha, chama a atenção para a queda na receita dos serviços prestados às famílias. O movimento detectado é inédito na série e a categoria subia a taxas de dois dígitos até meados de 2014. Saldanha também destacou que, a despeito de março, que teve alta de 6,1%, a expectativa é de desaceleração para todo o ano. “À exceção de março, os serviços estão no negativo em todo o ano de 2015. Por isso o resultado desse mês tem que ser visto com cautela. O que vemos agora é uma tendência declinante”, avaliou.

Continua após a publicidade

Leia também:

Setor de serviços cresce em março, mas não salva trimestre

Comércio tem pior resultado para maio em 14 anos

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.