Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Radicais rompem com o Syriza e formam novo partido

A legenda Unidade Popular terá 25 deputados e será a terceira maior do Parlamento grego. Com a base rachada, Tsipras renunciou ao cargo na quinta para tentar voltar fortalecido

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h26 - Publicado em 21 ago 2015, 06h52

Radicais do esquerdista Syriza anunciaram nesta sexta-feira que vão romper com a legenda governista e formar um novo partido para as eleições antecipadas que devem ser convocadas na Grécia após a renúncia do primeiro-ministro Alexis Tsipras, na quinta. O novo partido vai se chamar Unidade Popular e contará com 25 deputados, sendo o terceiro maior no Parlamento grego.

Em um exemplo claro do perfil da nova legenda, o líder da Unidade Popular será o ex-ministro de Energia Panayotis Lafazanis, que rejeita o euro defende a volta do dracma como moeda nacional. Outros integrantes do partido também defendem a saída da Grécia da zona do euro.

LEIA TAMBÉM:

Primeiro-ministro renuncia e Grécia deve ter novas eleições

Grécia recebe parcela do resgate e paga dívida com BCE

O Syriza, legenda do agora ex-premiê, ficou profundamente dividido sobre a decisão de Tsipras de chegar a um acordo com os credores internacionais, o que obrigou a Grécia a adotar medidas de austeridade ainda mais duras do que as rejeitadas no plebiscito convocado pelo político. Uma das bandeiras eleitorais do partido era justamente a rejeição à austeridade imposta pela União Europeia.

Tsipras decidiu entregar o cargo diante da crescente dissidência dentro de seu partido e numa tentativa de retornar ao poder fortalecido. O premiê renunciou com a justificativa de que seu mandato terminou após pacto para o terceiro pacote de resgate e que agora é o momento de o povo grego decidir por meio do voto se legitima a sua gestão.

Novo governo – O líder do partido conservador Nova Democracia, Vangelis Meimarakis, recebeu do presidente Prokopis Pavlopoulos nesta sexta o mandato para formar um novo governo. Num procedimento formal determinado pela Constituição, que não deverá evitar a realização de novas eleições, Meimarakis terá três dias para tentar reunir maioria e formar um novo governo.

(Com agências EFE e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade