Clique e assine com até 92% de desconto

Produtos falsificados chineses são tão bons quanto originais, diz fundador do Alibaba

Fabricantes de falsificações já foram fornecedoras de grandes marcas globais, afirma Jack Ma, que pede ajuda no combate à pirataria

Por Da Redação 14 jun 2016, 10h56

Produtos falsificados feitos na China são tão bons, ou até melhores, que os originais – e quem diz isso, é Jack Ma, fundador do Alibaba, gigante chinesa do comércio eletrônico (e alvo de críticas pela justamente pela comercialização de produtos falsos).

Como o Alibaba tem sido cobrado pela concorrência por oferecer produtos falsificados em suas plataformas on-line, a declaração do empresário fica ainda mais controversa. Mas, segundo Ma explicou, fábricas chinesas de produtos como vestidos e bolsas, que já foram fornecedoras de grandes marcas globais, ficaram tão especializadas que agora têm condições de produzir suas próprias versões de alta qualidade – e isso é um problema, e não um elogio, afirma o empresário.

“O problema é que os produtos falsificados de hoje – são feitos com mais qualidade e melhores preços do que o produto original”, disse Ma disse em apresentação a investidores realizada nesta terça-feira. “Fábricas iguais, matérias-primas iguais.” Junte a isso o poder de marketing direto da internet oferecido por plataformas como o Alibaba – e os fabricantes chineses simplesmente não precisam mais de marcas internacionais para ganhar dinheiro, completou Ma.

Leia mais:

China declara guerra a produtos ‘xing-ling’

Wu Mart, Sunbucks, Pizza Huh e outras falsificações que você precisa conhecer

Ainda assim, o Alibaba quer trabalhar em parceria com as grandes marcas globais para proteger sua propriedade intelectual. “Nós temos que dar um basta aos produtos falsificados”, disse Ma.

A empresa tem falsificações em suas plataformas, e os esforços para eliminar as falsificações tem sido uma batalha difícil. No mês passado, a empresa foi suspensa da Coalisão Internacional Antipirataria, uma organização sem fins lucrativos global que luta contra falsificações. A suspensão ocorreu após uma série de grandes marcas abandonar o grupo em protesto. Além disso, surgiram relatos de potenciais conflitos de interesse entre o Alibaba e o presidente do grupo.

Continua após a publicidade
Publicidade