Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente do Fed acena com fim de estímulos ainda em 2013

Bernanke ressaltou, porém, que a decisão dependerá do cenário econômico

O presidente do Federal Reserve (o Fed, Banco Central americano), Ben Bernanke, afirmou nesta quarta-feira que a autoridade monetária espera iniciar a redução de seu programa de compra de ativos ainda neste ano, mas disse que o órgão pode alterar o plano para qualquer direção se o cenário econômico mudar.

Embora tenha mantido o cronograma, detalhado no mês passado, de suspensão das compras de títulos até meados de 2014, quando, segundo projeções, o desemprego estará em torno de 7%, Bernanke destacou que nada é predeterminado. “Nossas compras de títulos dependem dos desenvolvimentos econômico e financeiro, mas eles não estão de jeito nenhum em um curso predeterminado”, disse Bernanke ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados.

A declaração semestral de Bernanke ao Congresso, que pode ser a última se o chairman deixar o cargo quando seu mandato terminar em janeiro, como muitos esperam, será seguido por uma longa sessão de perguntas e respostas com os membros do comitê.

Leia também:

Relatório de emprego sinaliza mudança na política do Fed

Em ata, Fed pede melhora do emprego antes de reduzir estímulos

Fed mantém política de compra de títulos inalterada

Bernanke disse que o ritmo de compras de ativos pode ser reduzido “um pouco mais rapidamente” se as condições econômicas melhorarem antes do esperado. Por outro lado, o ritmo atual de 85 bilhões de dólares mensais “pode ser mantido por mais tempo” se a perspectiva do mercado de trabalho piorar, ou a inflação não subir para a meta de 2% do Fed.

“De fato, se necessário, o Comitê estará preparado para utilizar todas as suas ferramentas, incluindo um aumento no ritmo de compras por um momento, para promover um retorno ao emprego máximo em um contexto de estabilidade de preços”, disse o chairman, referindo-se ao Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc).

O Fed tem mantido as taxas de juros perto de zero desde o fim de 2008, e mais que triplicou o tamanho de seu balanço patrimonial para mais de 3,3 trilhões de dólares através de três séries de compras maciças de títulos com o objetivo de diminuir os custos de empréstimo de longo prazo para sustentar o crescimento e diminuir o desemprego dos Estados Unidos, que estava em 7,6% em junho.

Leia ainda: Taxa de desemprego permanece em 7,6% em junho nos EUA

Bernanke disse que a recuperação econômica continua em um ritmo moderado, graças ao setor imobiliário mais forte, o que está ajudando a melhorar gradualmente as condições do mercado de trabalho, e repetiu que o Fed sente que os riscos à economia vêm diminuindo desde a queda.

Mas o chairman afirmou que impostos mais altos e cortes nos gastos federais ainda podem chegar a exercer um peso maior que o esperado sobre o crescimento dos Estados Unidos, e que a piora das condições externas ainda pode prejudicar as condições no país.

“Com a recuperação ainda avançando a um ritmo moderado, a economia permanece vulnerável aos choques não esperados, incluindo a possibilidade de que o crescimento econômico global possa ser mais lento do que o atualmente esperado”, disse ele.

(com agência Reuters)