Clique e assine com até 92% de desconto

Preço de imóveis cresce menos do que a inflação em fevereiro

Segundo o índice FipeZap, algumas cidades viram queda nos valores no mês. Economia fraca afeta mercado imobiliário

Por Da Redação 4 mar 2015, 10h49

O preço médio do metro quadrado dos imóveis anunciados em 20 cidades brasileiras subiu 0,17% em fevereiro em relação a janeiro, resultado abaixo da inflação pelo segundo mês consecutivo, de acordo com o índice FipeZap Ampliado divulgado nesta quarta-feira. Este foi o menor alta mensal da série histórica, segundo o o economista da Fipe, Raone Costa. Em relação a fevereiro de 2014, o aumento foi de 5,87%.

“Eu imagino que a tendência é de desaceleração. Como a inflação está em alta, o número deve continuar abaixo da inflação por um tempo”, disse o economista, acrescentando que o mercado imobiliário é muito dependente das condições macroeconômicas.

Na comparação com janeiro e com fevereiro de 2014, os aumentos registrados foram menores do que a inflação verificada pelo IPCA-15, prévia da inflação, que acelerou para 1,33% em fevereiro, acumulando alta de 7,36% em 12 meses. O IPCA cheio será divulgado nesta sexta-feira.

Em janeiro, os preços dos imóveis haviam crescido 0,39% em relação a dezembro.

Leia também:

Inflação do aluguel desacelera para 0,26% em fevereiro

Continua após a publicidade

Mercado prevê a maior retração do PIB em 25 anos em 2015

Segundo o levantamento, nenhuma das cidades pesquisadas em fevereiro teve resultado acima da inflação. O maior avanço foi em Vitória (ES), onde o crescimento dos preços no mês passado foi de 1,12% sobre janeiro.

Além disso, nove cidades tiveram queda de preços dos imóveis, sendo os maiores em Florianópolis (- 1,27%) e Niterói (- 0,82%). Em São Paulo, o aumento mensal foi de 0,55% em fevereiro, enquanto no Rio de Janeiro o acréscimo foi de 0,31%.

O preço médio do metro quadrado nas 20 cidades pesquisadas foi de 7.482 reais. No Rio de Janeiro, o valor continua sendo o mais alto do país, de 10.650 reais, seguida por São Paulo (8.493 reais). Contagem (3.394 reais) e Goiânia (4.020 reais) registraram os valores mais baixos.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade