Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Petrobras terá de pagar até R$ 2,2 bi à ANP após derrota em arbitragem

Agência unificou área do Parque das Baleias, na Bacia de Campos, e, por isso, entrou em embate com a Petrobras para receber mais pela produção do local

Por Da Redação 6 jul 2015, 19h33

A Petrobras informou em comunicado que o Tribunal Arbitral concedeu decisão cautelar, no última quinta-feira, em relação à arbitragem proposta pela companhia sobre resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A agência reguladora considerou as concessões de Baleia Anã, Baleia Azul, Baleia Franca, Cachalote, Caxaréu, Jubarte e Pirambu, no complexo Parque das Baleias, na Bacia de Campos, como um único campo a partir do segundo trimestre de 2014.

A decisão cautelar determina que a Petrobras passe a depositar trimestralmente, em favor da ANP, os valores controversos de participação especial. Com base no preço do petróleo e na produção atual dos campos, este montante será de aproximadamente 350 milhões de reais por trimestre, informou a estatal.

Pela decisão do tribunal, as partes devem apresentar o cálculo exato dos montantes correspondentes às diferenças históricas de participação especial apuradas até a data da decisão, além da proposta para depósito dessas diferenças. De acordo com o comunicado, o valor estimado pela ANP é de 2,2 bilhões de reais, mas ainda está pendente de confirmação pelas partes.

LEIA TAMBÉM:

Fundo de pensão da Petrobras estuda vender participações

Continua após a publicidade

Petrobras negocia com chineses aporte no Comperj

Na prática, ao unificar as áreas, a ANP obtém um valor mais alto pela produção conjunta. A estatal questiona essa avaliação da ANP por considerar que são campos distintos. A disputa ocorre desde o ano passado.

A petroleira destaca ainda que a decisão é preliminar, uma vez que os árbitros não decidiram sobre o mérito da matéria. A Petrobras informa que “continuará atuando firmemente na defesa dos seus direitos e fatos julgados relevantes serão tempestivamente comunicados ao mercado”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade