Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Otimismo e alta do consumo ainda estão distantes da realidade, diz FGV

Segundo a economista Tabi Thuler Santos, confiança do consumidor despencou no acumulado do ano e ainda não dá sinais de melhora

O otimismo e a alta do consumo ainda são termos distantes da realidade dos consumidores, avaliou nesta terça-feira a economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Tabi Thuler Santos. Mesmo com a alta de 0,9% na confiança do consumidor em dezembro ante novembro, ela ressaltou que o indicador recuou 15,3% no acumulado de 2014, e não há sinalizações de melhora nos próximos meses. “Trata-se de uma acomodação, porque alguns dos indicadores da sondagem estão vindo de seus mínimos históricos em novembro, e nenhuma alta supera a queda do mês passado (de 6,1%). Não dá para falar em otimismo ou alta do consumo. Esses termos ainda estão um pouco distantes da realidade dos consumidores, de acordo com a sondagem”, afirmou Tabi.

A alta pontual na confiança das famílias em dezembro foi puxada por uma avaliação menos pessimista sobre os rumos da economia. O porcentual dos que acham que a situação vai piorar diminuiu de 37,7% para 30,8% na passagem do mês. Mas nem todo esse contingente migrou para o grupo dos otimistas, que aumentaram em menor medida, de 22,2% para 23,3%. Entre as faixas de renda, a melhora nas expectativas sobre a economia foi generalizada. Segundo a economista, a definição da equipe econômica e os sinais mais claros de que rumos a economia tomará nos próximos meses podem ter contribuído no sentido de reduzir o pessimismo e as incertezas.

Leia também:

BC derruba previsão de crescimento em 2014 para 0,2%

Agora, Dilma admite adotar “medidas drásticas” na economia

Mercado projeta inflação acima do teto da meta em 2015

“Há uma visão mais neutra, com redução do pessimismo, das incertezas. Os consumidores podem estar absorvendo notícias sobre a nova equipe econômica e entendendo que a situação futura da economia será melhor”, explicou Tabi. Ela destacou, contudo, que todos os indicadores ainda estão em níveis muito baixos. “Não tem um quadro geral de melhora. Só das expectativas em relação à economia”.

Para o ano que vem, a economista não espera uma reação imediata do índice de confiança. “Não temos sinais de melhora nas sondagens. Há diminuição do pessimismo, mas ainda há preocupação com juros, inflação, emprego e situação financeira”, completou.

(Com Estadão Conteúdo)