Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

OMC chega a acordo para facilitar fluxo mundial de bens

Com isso, existe a possibilidade de um pacto mais amplo para criar condições de concorrência igualitárias no futuro

Por Da Redação 7 dez 2013, 08h36

Os 159 membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) chegaram a um acordo para impulsionar o comércio mundial neste sábado, pela primeira vez em quase duas décadas. Com isso, existe a possibilidade de um pacto mais amplo para criar condições de concorrência igualitárias no futuro.

O acordo poderá acrescentar bilhões de dólares para a economia global ao facilitar o fluxo de bens em alfândegas, algo conhecido como “facilitação do comércio”. O pacto foi firmado em Bali, depois de quatro dias de reunião, e ainda precisa de aprovação formal na OMC, que deverá acontecer em meados de 2015.

Leia também:

Negociações de Bali são decisivas para o futuro da OMC

Brasil defende acordo em três frentes na reunião da OMC

Há dois anos, os membros da OMC concordaram em desistir do ambicioso objetivo de eliminar ou reduzir as tarifas sobre uma série de bens e serviços. Em vez disso, a OMC passou a se focar em metas mais realizáveis, incluindo um esforço para simplificar os procedimentos de alfândega, uma peça central do acordo deste sábado.

Continua após a publicidade

Durante as negociações desta semana, o pacto parecia fora de alcance, com objeções de vários países. No final, um acordo de última hora foi alcançado nas primeiras horas deste fim de semana, o que permitiu que altos funcionários presentes na reunião clamassem vitória.

Leia mais:

Representante dos EUA vê acordo na reunião da OMC

China denuncia direitos antidumping dos EUA na OMC

“Nós colocamos o mundo de volta para a Organização Mundial do Comércio”, disse Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC. Segundo a autoridade, a OMC deve passar o próximo ano desenvolvendo uma nova abordagem para avançar com as negociações de Doha. “Nós vamos tomar a agenda de Doha como um todo.”

Segundo a Câmara de Comércio dos EUA; a “OMC estabeleceu novamente a sua credibilidade como um fórum indispensável para as negociações comerciais. E isso não é uma vitória apenas no papel: facilitar a passagem de mercadorias através das fronteiras” e reduzir a burocracia poderá impulsionar a economia mundial”. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade