Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OGPar tem lucro de 9,35 bilhões de reais no 3º trimestre

Resultado da antiga OGX, de Eike Batista, foi puxado pela eliminação de 5,7 bilhões de reais em dívidas, depois de processo de recuperação judicial

Por Da Redação 23 dez 2014, 12h34

A Óleo e Gás Participações (antiga OGX, de Eike Batista) teve lucro líquido de 9,357 bilhões de reais no terceiro trimestre, ante prejuízo de 2,125 bilhões de reais em igual período do ano anterior. Segunda a companhia, o resultado foi impulsionado pelo efeito contábil da extinção de dívidas após medidas no âmbito de seu processo de recuperação judicial.

O lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou negativo em 1,858 milhão de reais entre julho e setembro, ante resultado negativo de 8,927 milhões um ano antes. A empresa ainda disse que a eliminação de uma dívida de 5,7 bilhões de dólares do seu balanço viabiliza a manutenção de suas atividades e de suas subsidiárias e permite o desenvolvimento de suas operações, atualmente focadas na produção dos campos de Tubarão Martelo e Tubarão Azul.

Leia também:

Credores da OSX Brasil aprovam planos de recuperação judicial

Justiça autoriza recuperação judicial da antiga MPX, de Eike

Eneva entra com pedido de recuperação judicial

Recuperação – A OGPar entrou com o maior processo de recuperação judicial da história na América Latina no Rio de Janeiro em outubro de 2013, depois que seus primeiros poços de petróleo produziram menos do que o esperado e os investidores perderam confiança na capacidade de a empresa manter os pagamentos de sua dívida e financiar novos empreendimentos em campos de petróleo. O plano de recuperação judicial da companhia tinha como uma das premissas a conversão de dívida em ações.

A conversão foi feita após a abertura de capital da OGX Petróleo e Gás, e as ações foram entregues aos credores e fornecedores em troca da dívida. Em 16 de outubro, a OGPar e suas subsidiárias completaram a capitalização dos créditos, um dos últimos passos críticos do plano de reestruturação e que permite ao grupo sair da recuperação judicial. “A efetiva entrega das ações da OGX Petróleo e Gás aos credores que aderiram ao plano de recuperação judicial desobrigando e desonera por completo a OGX P&G, a OGpar e a OGX Áustria”, disse a companhia em seu relatório de resultados.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade