Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O que explica a alta dos combustíveis e o etanol subir mais que a gasolina

Com restrições na produção de petróleo, entressafra do etanol e o real desvalorizado frente ao dólar, o resultado é um combustível encarecido para o cidadão

Por Diego Gimenes
Atualizado em 15 mar 2021, 23h12 - Publicado em 15 mar 2021, 16h52

Uma das mais desagradáveis surpresas para o bolso do brasileiro em 2021 foi a disparada nos preços dos combustíveis. Não bastasse as contas de início de ano, como IPVA e IPTU, e o repentino aumento dos planos de saúde, os consumidores também tiveram de lidar com seguidos reajustes nas bombas dos postos. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do litro de gasolina subiu 14,6% de janeiro a março, enquanto o de etanol encareceu 21,1%. Segundo especialistas consultados por VEJA, o ciclo de alta tem relação com três variáveis: preço internacional do petróleo, desvalorização cambial e o período de entressafra do etanol.

A explicação para a disparada do etanol — que, percentualmente, encareceu mais que a gasolina — está na própria demanda pelo biocombustível e pelo período de entressafra do produto. Embora o consumo de gasolina tenha caído 4,1% em 2021 em relação a 2020, segundo a edição mais recente do Boletim de Monitoramento Covid-19, do Ministério de Minas e Energia, o de etanol subiu 6,1% na mesma comparação. Se há maior demanda, o preço acompanha a alta. Além disso, o início de ano é marcado pela tradicional entressafra da cana-de-açúcar, que encarece o etanol no primeiro quadrimestre. Com a curva de demanda crescente e a de oferta caindo, o resultado não poderia ser outro que não fosse a subida dos preços.

Atualmente, o preço médio do litro de gasolina é de 5,299 reais, e o de etanol, 3,901. “A tendência, a partir de agora, é de uma estabilização dos combustíveis. Além do período de entressafra do etanol estar perto do fim, a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) pode suspender as restrições em cima do petróleo no mês de abril”, projeta Thadeu Silva, chefe da área de óleo e gás da consultoria INTL FCStone. Vale lembrar que a alta dos combustíveis é motivo de dor de cabeça para o governo federal, uma vez que a inflação de fevereiro foi a maior desde 2016 em função da gasolina, que teve participação de cerca de 42% no resultado final.

O preço do petróleo no mercado externo segue pressionado. A Opep+ manteve os cortes na produção mundial da commodity em março, com o argumento de que a recuperação da demanda ainda é frágil. A decisão refletiu na alta da cotação do petróleo tipo Brent, orçado em 69 dólares nesta segunda-feira, 15.

Outra razão que explica o aumento dos combustíveis por aqui está na própria natureza da cotação, em moeda americana. Em 2020, o real se desvalorizou 22,4% frente ao dólar e, em 2021, já acumula desvalorização de 10,2%, segundo a agência Austin Rating.

Para efeito de comparação, ainda que o petróleo esteja pressionado no mercado externo, o valor do diesel brasileiro está 14% menor que a média mundial, em um patamar abaixo do registrado em 2019, por exemplo. “O principal fator de preço é, sem dúvida alguma, a desvalorização cambial violenta nos últimos anos”, afirma Silva. “O preço internacional está muito bem suportado, sobretudo com a restrição de produção imposta pela Opep+”.

Impostos

Numa tentativa de frear os reajustes e dividir a culpa pelos aumentos com os governadores, o presidente Jair Bolsonaro zerou as alíquotas de PIS/Cofins para o diesel e baixou um decreto que obriga os postos a discriminarem o valor dos combustíveis, tais quais as alíquotas de ICMS, e o valor cobrado dos impostos federais. O decreto entra em vigor no próximo dia 23.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.