Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Nova proposta: entenda as mudanças no IR apresentadas na Câmara

O substitutivo apresentado pelo relator Celso Sabino mantém tributação de 20% sobre dividendos e condiciona IRPJ à arrecadação fiscal em ano de pandemia

Por Luisa Purchio, Victor Irajá Atualizado em 4 ago 2021, 09h52 - Publicado em 3 ago 2021, 18h20

Entregue nesta terça-feira, 3, pelo relator deputado federal Celso Sabino (PSDB-PA) aos líderes da Câmara, a versão consolidada do substitutivo do Projeto de Lei 2.337/2021, que trata da reforma tributária, traz novas propostas sobre a alteração da legislação do Imposto de Renda de Pessoa Física e Jurídica (IRPF e IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). O deputado entregou um requerimento de urgência na tramitação do Projeto de Lei.

Outras versões do texto substitutivo que circulavam eram consideradas preliminares e, em coletiva de imprensa, o deputado Sabino informou que o documento final foi entregue junto a uma Proposta de Emenda à Constituição que considera aumentar o imposto pago pelas atividades de mineração em 1,5 ponto percentual e alterar a sua distribuição para estados e municípios.

O texto original da Reforma Tributária proposta pelo governo havia sido entregue no final de junho, porém, vinha sofrendo adaptações em novas propostas após manifestações de entidades e do mercado, que se incomodaram principalmente com a nova tributação de 20% sobre lucros e dividendos e a inclusão de novo come-cotas em fundos de investimentos.

Apesar das alterações do novo texto, a principal delas se manteve, como a atualização da tabela do Imposto de Renda, que visa aumentar o número de pessoas com salários menores isentas ao pagamento de IR. Pela proposta, pessoas com salário de até 2.500 reais ficam isentas de pagamento de Imposto de Renda.

O objetivo da reforma tributária é a simplificação dos tributos para aumentar a eficiência das empresas, porém, especialistas avaliam que a nova proposta torna o processo ainda mais complicado. E ainda: na prática, aumenta os tributos a serem pagos pelas empresas.

“Atualmente a alíquota conjunta de qualquer empresa é de 34%, ou seja, a soma de 9% do CSLL com os 25% do Imposto de Renda“, diz Juliana Porchat de Assis, advogada especializada em direito tributário da FAS Advogados. “Na prática, quando considerada a nova alíquota do IR de 7,5% e a tributação sobre dividendos, a alíquota efetiva fica 41,2%, ou seja, o que antes eu tributava apenas uma vez com 34% agora eu tributo duas vezes com um total de 41,2%”, diz ela.

Continua após a publicidade

Uma das principais críticas da tributação sobre as empresas é o gatilho que condiciona a redução do IRPJ. Em 2022, o imposto sobre o lucro poderá cair para 2,5%, mas apenas se a arrecadação até outubro de 2021 for superior a de 2019, ano-pré pandemia, o que é altamente questionável tendo em vista que este ano permanece com as atividades econômicas impactadas pela Covid-19.

Entre os pontos positivos destacados, está manter a possibilidade de dedução do ágio pago nas operações de fusão e aquisição. A possibilidade de dedução dos pagamentos de juros sobre o capital próprio, porém, foi revogada. “Eram dois pontos considerados importantes porque diminuíram as deduções permitidas pelos contribuintes pessoa jurídica e piorariam muito o ambiente de negócios. Eles vieram na primeira versão do projeto e pelo menos um deles foi retirado, o que foi uma leve melhora”, diz ela.

Veja os principais pontos do substitutivo da nova proposta:

Atualização na tabela do IR: a tabela progressiva foi mantida, com isenção para salários de até 2.500 de reais e escalonamento progressivo das alíquotas, de 7,5% a 27,5%, sendo que os rendimentos acima de 5.300 reais mensais ficam com alíquota de 27,5%.

Recursos no exterior: a nova proposta prevê que pessoas físicas residentes no Brasil poderão optar por tributar recursos, bens ou direitos de origem lícita mantidos no exterior a título de Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza. Na prática, isso significa que bens e direitos no exterior declarados em 2020 poderão ter o seu custo atualizado, tributando a diferença a uma alíquota de 6%. Atualmente não há regra nesse sentido.

Continua após a publicidade

Desconto simplificado: o substitutivo se manteve igual ao Projeto de Lei original. Somente quem possui rendimento de até 40 mil reais anual, cerca de 3 mil reais mensais, poderá optar pelo desconto simplificado de 20% do IR. Esse é um ponto da reforma muito criticado. “Na prática, grande parte da classe média tem um rendimento superior a 40 mil reais anuais, mas se utiliza bastante do simplificado. Apesar de ser classe média, são pessoas que pagam basicamente aluguel e comida, itens não dedutíveis do Imposto de Renda, e que não têm condições de pagar plano de saúde e escola”, diz a advogada Porchat de Assis. “Isso acaba favorecendo quem tem rendimento maior, pois cortou da possbilidade do Simples uma grande parcela da classe média”, diz ela.

Valor de imóveis: no Projeto de Lei original, o governo propôs permitir a atualização do valor de imóveis, com possível redução de alíquota do Imposto de Renda (IR) sobre ganhos de capital na venda de imóveis. No substitutivo, a proposta é opcional e prevê que a diferença entre o valor do bem imóvel atualizado e o seu custo de aquisição será considerado acréscimo patrimonial, integrando o custo de aquisição do bem da pessoa física. Dessa forma, “incidirá Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza à alíquota de 4%”. Nas regras atuais, a alíquota do IR sobre ganhos de capital é de 15% a 22,5% e ela só ocorre quando há venda ou transferência da posse do imóvel.

Tributação de lucros e dividendos: atualmente isenta de impostos, a distribuição de dividendos será tributada na regra geral de 20%, inclusive nos casos que houver distribuição disfarçada de lucros e para beneficiários residentes ou domiciliados no exterior. Há isenção total para o contribuinte do Simples. Já para os outros (lucro real, presumido ou arbitrado) a isenção é para os pagamentos de até 20 mil reais em dividendos distribuídos pelas empresas com receita bruta inferior a 4,8 milhões de reais ao ano. Um ponto bastante criticado na primeira redação do projeto foi alterado e tornou isenta a distribuição de dividendos de Pessoa Jurídica brasileira para outra PJ brasileira, caso esta seja controladora ou coligada com no mínimo 20% de participação daquela. Lucros e dividendos recebidos por fundos de Previdência e de Pensão se tornam isentos.

Mudanças para investimentos: atualmente os fundos fechados não possuem come-cotas e os abertos possuem come-cotas (uma tarifa) com incidência em maio e novembro. O PL original havia proposto a inserção de novos come-cotas tributados em novembro tanto para fundos abertos como fechados, porém em coletiva de imprensa o deputado Celso Sabino afirmou que o substitutivo atual excluiu qualquer criação de novo come-cotas em fundos, inclusive em imobiliários e cadeias agroindustriais.

Alterações no IRPJ: hoje, as pessoas jurídicas são tributadas em 15% sobre o lucro, com adicional de 10% sobre o lucro real excedente à média de 20 mil reais mensais. Dessa forma, o IRPJ chega a 25%. Como contrapartida à recriação da taxação dos dividendos, o Projeto de Lei original propôs reduzir a tributação sobre o lucro para 12,5% em 2022, o que resultaria em um IRPJ de até 22,5% em 2022. Já, para 2023, a proposta era reduzir a tributação sobre o lucro para 10%, resultando em um IRPJ de até 20%. A mudança original foi considerada tímida e o substitutivo atual propõe redução da alíquota sobre o lucro para 2,5% em 2022 e 2023. Porém, coloca como condicionante uma arredação até outubro do ano anterior superior à do ano de 2019.

Continua após a publicidade

Novas alíquotas sobre minério: de acordo com o deputado Sabino, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) foi apresentada junto ao Projeto de Lei para propor uma medida federativa com o objetivo de atender estados e municípios por meio de compensação financeira pela exploração mineral. Sabino informou que atualmente o CFEM, imposto sobre o valor do faturamento líquido de venda do produto mineral, é dividido em 10% para a União e o restante para Estados e Municípios. A PEC prevê que os 10% da União também sejam distribuídos para estados e municípios e que a fiscalização do pagamento destes recursos passe para a Secretaria de Fazenda dos Estados. Além disso, propõe um aumento da alíquota de 4% para 5,5%. “As grandes mineradoras têm apresentado grandes lucros”, disse o relator Celso Sabino. “Além disso todas as empresas do Brasil inclusive essas terão uma redução de alíquota”, disse ele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.