Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Moody’s prevê que próximo presidente enfrentará desafios com Congresso

A agência de classificação de risco destacou que seu cenário base não contempla a aprovação de uma extensa reforma previdenciária

Por Reuters
Atualizado em 20 set 2018, 21h18 - Publicado em 20 set 2018, 19h11

A agência de classificação de risco Moody’s afirmou nesta quinta-feira que o novo presidente do Brasil enfrentará desafios em seu relacionamento com o Congresso Nacional para conseguir “efetivamente” governar, independentemente de quem sair vencedor na disputa pelo Palácio do Planalto em outubro.

Em relatório, a agência de classificação de risco destacou que seu cenário base não contempla a aprovação de uma extensa reforma previdenciária. Em outra frente, a Moody’s também espera que a regra do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas do governo à inflação do ano anterior, seja modificada no próximo governo.

“No entanto, também esperamos que um trabalho no relacionamento com o Congresso levaria à aprovação de uma reforma da Previdência, apoiando a consolidação fiscal e impulsionando a confiança dos investidores”, afirmou Gersan Zurita, vice-presidente sênior da Moody’s.

A agência apontou, por outro lado, que se a continuidade das reformas não for assegurada, a dinâmica fiscal adversa continuará e a volatilidade do mercado pesará na recuperação econômica.

Continua após a publicidade

“Em um cenário de continuidade de política, a Moody’s espera uma recuperação gradual do crédito, riscos estáveis de ativos e rentabilidade sólida. Sob um cenário de ruptura, os custos de crédito aumentariam, mas a capitalização dos bancos permaneceria estável, enquanto a indústria de seguros continuaria a desafiar a turbulência política e estagnação econômica”, acrescentou.

Mais cedo nesta quinta-feira, a agência de classificação de risco Fitch também se manifestou a respeito do horizonte que se desenha para o Brasil, pontuando que as eleições presidenciais trazem grandes incertezas em relações às reformas e que o fracasso em atacar os problemas fiscais é um fator negativo para o avaliação do crédito do país.

(Por Marcela Ayres)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.