Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mercado financeiro tem dia caótico após anúncio do Fed

Bolsas despencaram na Ásia e na Europa. Nos Estados Unidos, principais índices perdem mais de 2%. No Brasil, dólar dispara e bolsa recua abaixo dos 46 mil pontos

Por Da Redação
20 jun 2013, 16h30

O mercado financeiro encerrou essa quinta-feira em meio ao caos, após o aguardado anúncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que manterá a política de estímulos em 2013, mas poderá revisá-la em 2014. Outra informação que pesou de forma significativa foi a desaceleração da indústria chinesa, mostrada pelo recuo do índice de gerentes de compras do setor industrial (PMI, na sigla em inglês) preliminar, medido pelo HSBC. O número ficou em 48,3, em comparação com a leitura final de 49,2, em maio. Qualquer pontuação abaixo de 50 indica uma contração na indústria.

Como resultado, os mercados asiáticos terminaram o dia em queda, assim como a Europa. Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq operavam em queda desde o início do pregão – e, às 16 horas (horário de Brasília), os três despencavam mais de 2%. As bolsas americanas fecharam ao pior nível do ano, com perdas de mais de 2% nos principais indicadores. O Dow Jones caiu 2,33%, a 352,11 pontos, o Nasdaq, 2,28%, a 3.364,63 pontos, e o S&P 500 sofreu queda de 2,5%, a 40,74 pontos, com todos os seus setores fechando em forte queda e 94% das ações da bolsa de Nova York recuando. Ela não registrava perdas tão grandes desde novembro de 2011, quando o presidente Barack Obama foi reeleito.

Leia também:

Preços de commodities têm maior queda em 18 meses

Ações da CCX caem mais de 40% depois Eike desistir de fazer nova oferta pública de ações

No Brasil, a bolsa de valores de São Paulo também respondeu de maneira negativa ao anúncio. O índice Ibovespa fechou em queda de 3,4% na quarta-feira e, nesta quinta, cai mais de 2%. Já o dólar disparou mais de 2% e era cotado a 2,25 reais às 16 horas.

O movimento de venda maciça de ativos ao redor do mundo ocorre há diversas semanas, sobretudo nos países emergentes, desde que o jornal Financial Times afirmou que o programa de compra de ativos do Federal Reserve poderia acabar. Chamada de “afrouxamento quantitativo”, a medida foi implantada em 2011 e previa a injeção de 85 bilhões de dólares mensais no mercado financeiro, por meio da recompra de títulos públicos, por um período de quatro anos.

Continua após a publicidade

A redução de tais estímulos teve impacto direto nos juros pagos pelos títulos da dívida do Tesouro americano, fazendo com que o mercado migrasse rapidamente para aplicações em tais títulos. Os emergentes foram os mais atingidos porque seu mercado de capitais está mais exposto ao dinheiro externo.

O mercado de títulos públicos foi duramente afetado por esse movimento. O prêmio de risco pago aos investidores de títulos de longo prazo (10 anos) de países desenvolvidos e emergentes avançou de maneira expressiva nos últimos dias. Na Alemanha, por exemplo, houve aumento de 9 pontos base, para 1,25% ao ano. Na França, a alta foi de 12 pontos base, a 2,22% ao ano.

Nos emergentes, os títulos russos avançaram 46 pontos base, a 4,6%, enquanto os brasileiros subiram 14 pontos base, a 4,11%.

Continua após a publicidade

O desempenho dos juros dos títulos brasileiros fez, inclusive, com que o Tesouro Nacional anunciasse um programa de recompra de títulos para tentar deter o avanço dos juros. A subida repentina significa que o governo brasileiro terá de pagar retornos maiores aos investidores para manter a rolagem de sua dívida de longo prazo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.