Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lula e Fernández anunciam estudos sobre moeda única para América do Sul

Um dia antes de encontro em Buenos Aires, presidentes de Brasil e Argentina escreveram carta conjunta celebrando reaproximação diplomática

Por Da Redação
Atualizado em 23 jan 2023, 12h23 - Publicado em 22 jan 2023, 20h30

Na véspera do primeiro encontro entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente argentino, Alberto Fernández, em Buenos Aires, os dois assinaram um artigo conjunto no qual exaltaram a reaproximação diplomática entre os países e revelaram a possibilidade de criar uma moeda única para uso comercial na América do Sul.

Em texto publicado pelo site argentino Perfil, Lula e Fernández citaram que a criação de uma nova moeda poderia baratear custos operacionais e reduzir a dependência do dólar. “Pretendemos superar barreiras às nossas trocas, simplificar e modernizar regras e incentivar o uso de moedas locais. Também decidimos avançar nas discussões sobre uma moeda comum sul-americana que possa ser utilizada tanto para fluxos financeiros quanto comerciais”, diz um trecho.

A possibilidade foi levantada pela primeira vez em um artigo de Fernando Haddad e Gabriel Galípolo, ministros da Fazenda e secretário-executivo do ministério, respectivamente. Em 5 de janeiro, já empossado, Haddad chegou a se irritar com uma pergunta sobre o tema e depois deixou claro que o governo cogita a criação de uma moeda comum, mas não única. Brasil e Argentina, portanto, seguiriam usando real e peso, além da moeda comum, diferentemente do que acontece nos países da União Europeia, que unificaram o euro.

Esta será a primeira viagem internacional de Lula desde que assumiu a presidência pela terceira vez. Na segunda-feira, 23, ele deverá se encontrar com o presidente Alberto Fernández na Casa Rosada, sede do governo argentino, onde haverá assinatura de acordos voltados a investimentos, comunicação e meio ambiente.

Continua após a publicidade

A visita inclui, ainda, reuniões com empresários e artistas e, na terça-feira, 24, Lula participa da 7ª Cúpula de Chefes de Estado da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). Este será o retorno do Brasil à conferência – em 2021, o ex-presidente Jair Bolsonaro anunciou a saída do país do grupo. A Celac reúne 33 países e tem como propósito aumentar a integração da região.

Um dos ministros que integram a comitiva é Paulo Pimenta, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação (Secom). O titular da pasta, que já está há alguns dias no país realizando reuniões com representantes da imprensa argentina, afirmou que um dos principais temas discutidos foi o combate às fake news, propagadas pelos “setores conservadores e pela extrema direita”. Na quarta-feira 25, Lula segue para o Uruguai, onde deverá se encontrar com o presidente Luis Alberto Lacalle Pou.

Na mensagem conjunta, Lula e Fernández destacaram o objetivo comum de fortalecer o Mercosul “por meio da negociação conjunta de acordos comerciais equilibrados e que atendam aos nossos objetivos estratégicos de desenvolvimento”.

Confira a tradução da carta de Lula e Fernández ao site Perfil:

Continua após a publicidade

Duas nações irmãs se encontram novamente. Amanhã nos encontraremos em Buenos Aires para o 1º encontro presidencial entre Brasil e Argentina em mais de 3 anos. Em seguida, será realizada a 7ª Cúpula da Celac, fórum que reúne os 33 países da região da América Latina e Caribe e que, desde o ano passado, está sob a presidência da Argentina. O evento marcará o retorno do Brasil a esse mecanismo de diálogo e consulta regional. Uma relação que nunca deveria ter sido interrompida e que a história da irmandade latino-americana consegue retomar.

Ambos os encontros marcam um novo começo, justamente no ano em que celebraremos o bicentenário de nossas relações diplomáticas. Em Buenos Aires vamos relançar a aliança estratégica bilateral com a reativação de vários espaços de cooperação e diálogo. São múltiplas as áreas em que voltaremos a trabalhar juntos em temas importantes para a qualidade de vida de nossas populações, como combate à fome e à pobreza, saúde, educação, desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas e redução de todas as formas de desigualdade. De uma vez por todas, a história será escrita por nossos povos.

Vamos fortalecer o papel da sociedade civil, dos governos estaduais e municipais e dos parlamentos como atores dessa aproximação. Sabemos que o sonho de estarmos unidos é agora uma realidade possível.

Os laços entre Argentina e Brasil são baseados na consolidação da paz e da democracia. Queremos a democracia para sempre. Ditadura nunca mais.

Continua após a publicidade

A reindustrialização de nossas economias merecerá atenção especial, com geração de empregos de qualidade e investimento em inovação. O comércio entre Argentina e Brasil já tem alta participação de produtos industrializados em setores estratégicos. A integração entre nossas cadeias produtivas ajuda a mitigar choques externos, como os ocorridos durante a pandemia. Não podemos depender de fornecedores externos para podermos ter acesso a insumos e bens essenciais ao bem-estar das nossas populações.

Temos um setor privado dinâmico e empreendedor, cuja contribuição para o processo de integração bilateral é cada vez mais necessária. Compartilhamos a firme intenção de estreitar os já sólidos laços comerciais e de investimentos entre nossos países e promoveremos um seminário empresarial no âmbito da visita presidencial.

Nossos países continuarão a desempenhar um papel crítico para a segurança alimentar em um mundo afetado por riscos geopolíticos e graves interrupções nas cadeias de abastecimento. Temos o compromisso de dotar a nossa agricultura e pecuária de elevados padrões de sustentabilidade e de manter elevados níveis de produtividade.

Queremos promover projetos na área das infraestruturas. Um tema central deste novo momento é a integração energética. A interligação eléctrica entre os nossos países já é uma realidade e a integração do gás tem potencial para se tornar um dos projetos estratégicos da relação bilateral, com benefícios duradouros ao nível da atração de investimento, criação de emprego e ao nível da nossa segurança.

Continua após a publicidade

Consolidaremos nossa posição como possuidores de tecnologia nuclear para fins pacíficos, fortalecendo a Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares e dando continuidade a projetos ambiciosos como o reator multiuso. Com a reativação do Grupo de Trabalho Conjunto de Cooperação Espacial, vamos colocar satélites em órbita para realizar estudos costeiros e oceanográficos.

A relação fluida e dinâmica entre Brasil e Argentina é essencial para o avanço da integração regional. Junto com nossos parceiros, queremos que o Mercosul constitua uma plataforma para nossa efetiva integração com o mundo, por meio da negociação conjunta de acordos comerciais equilibrados que respondam aos nossos objetivos estratégicos de desenvolvimento.

Pretendemos quebrar as barreiras em nossas trocas, simplificar e modernizar as regras e incentivar o uso de moedas locais. Também decidimos avançar nas discussões sobre uma moeda sul-americana comum que possa ser usada tanto para fluxos financeiros quanto comerciais, reduzindo custos operacionais e nossa vulnerabilidade externa.

Trabalharemos juntos para resgatar e atualizar a Unasul, com base em seu inegável legado de conquistas. Argentina e Brasil estão firmemente comprometidos em construir uma América do Sul forte, democrática, estável e pacífica.

Continua após a publicidade

Precisamos enfrentar um mundo cada vez mais complexo e desafiador e temos ampla convergência na agenda multilateral. Falta uma vontade política efetiva para enfrentar os dilemas atuais e as grandes crises: mudanças climáticas, pandemias, guerras, fome e imigração. A ONU e o G20 devem ajudar a preencher essa lacuna de liderança para provocar mudanças. Ambos os fóruns podem promover agendas inclusivas, sinalizando claramente a atuação de organizações como a OMC, o FMI e o Banco Mundial. Trabalharemos em colaboração pela paz e pelo desenvolvimento.

O mundo mais justo e solidário a que aspiramos só será viável se tivermos coragem de construir juntos o nosso futuro. Esse é o significado estratégico da integração bilateral.

Não há nada mais emancipador do que a irmandade dos povos que vêm desde o alvorecer da nossa história para tomar posse do seu futuro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.