Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

IBGE omite a expressão “recessão técnica”

Nas notas divulgadas em seu site, o instituto não faz menção ao termo e diz considerar variações entre queda de 0,5% e alta de 0,5% como estatatísticamente estáveis

Por Da Redação
29 ago 2014, 16h52

A gerente da Coordenação de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rebeca Palisa, evitou a expressão “recessão técnica” ao comentar os resultados do Produto Interno Bruto (PIB), divulgados nesta sexta-feira. A economia brasileira recuou 0,6% no segundo trimestre e 0,2% no resultado de janeiro a março, número que foi revisado pelo próprio instituto. Em economia, diz-se que um país está em recessão técnica quando o PIB cai por dois trimestres consecutivos, o que aconteceu exatamente com o Brasil no primeiro semestre. Também no comunicado que detalha o PIB divulgado no site do instituto não há qualquer menção ao termo “recessão técnica”. O IBGE tampouco detalha no comunicado que revisou o PIB do primeiro trimestre para o campo negativo. Apenas coloca o número numa tabela, sem destacá-lo nas explicações.

Rebeca também refutou a comparação do quadro visto nos primeiros seis meses deste ano com a retração na virada de 2008 para 2009, auge da crise internacional. “As taxas são bastante diferentes. As quedas de 2008 e 2009 são bastante pronunciadas (profundas)”, afirmou Rebeca, em entrevista. Nos dois primeiros trimestres de 2009, a economia brasileira recuou 2,7% e 2,4%, respectivamente. Após a apresentação dos dados, a gerente do IBGE reforçou que, estatisticamente, o instituto considera as variações entre queda de 0,5% e crescimento de 0,5% como estabilidade.

“As variações muito grandes, tanto para cima quanto para baixo, são revistas, mas não mudam de sinal. As variações muito próximas do zero, como essa queda de 0,2%, podem modificar (de sinal) no trimestre seguinte”, disse Rebeca, tentando minimizar a importância da revisão do desempenho da economia no primeiro trimestre.

Além dos comentários de Rebeca, a palavra “recessão” não consta nem na nota publicada para imprensa no site do IBGE e nem na apresentação oficial. A revisão do PIB do primeiro trimestre, de crescimento de 0,2% para queda de 0,2% também não tem espaço e consta apenas na tabela com dados dos trimestres anteriores. Para ter acesso a todas as revisões feitas sobre PIB, é preciso fazer o download de uma planilha.

Leia mais:

Mantega usa tática do avestruz: “Brasil não está em recessão”

Segundo semestre não deve mostrar alívio

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.